3 de Maio de 2012: o aborto ainda é gratuito em Portugal

Há mais procura no Hospital de Loures para abortar do que para ter filhos

Tivemos mais consultas de interrupção voluntária da gravidez do que de obstetrícia [para terem filhos]. E algumas das pessoas a repetirem segunda e terceira vez“, sublinhou Isabel Vaz, em Fátima, durante a sua intervenção no XXIV Encontro Nacional da Pastoral Social.
À agência Lusa, Isabel Vaz notou que estes são os primeiros números desde que iniciaram a gestão em Fevereiro e dizem respeito a Março.
“Isto não tem nada a ver com ser ou não católico”, destacou a responsável daquela entidade do Grupo Espírito Santo, lembrando que “a cobertura universal dos cuidados de saúde não é possível”.
Isabel Vaz sustentou que uma das “discussões sérias que tem que ser feita” é “sobre o que deve ser de facto pago por todos nós”, porque “não há dinheiro para pagar tudo”. Ou seja, “há que fazer escolhas”, defendeu.

10 pensamentos sobre “3 de Maio de 2012: o aborto ainda é gratuito em Portugal

  1. Rui

    Ao citar essa engenheira deve-se sempre referir é administradora do grupo BES na área da saúde. Não é uma opinião isenta nem perto disso

  2. Luís Lavoura

    Rui,
    deve-se também referir que a Maternidade Alfredo da Costa vai encerrar em parte porque se decidiu instalar a especialidade de obstetrícia no hospital de Loures, ou seja, realizou-se um investimento supérfluo e excessivo nesse horpital, possivelmente (dizem as más línguas) para possibilitar a obtenção de maiores lucros ao grupo privado que o gere.
    Já agora, é bem possível que as grávidas prefiram ter os filhos na MAC, na qual confiam mais, e ser essa a razão pela qual no hospital de Loures há mais consultas para abortos.
    Ou seja, têm que se ver os números a nível global, e não a nível de somente um hospital.

  3. Miguel Noronha

    ” essa engenheira deve-se sempre referir é administradora do grupo BES na área da saúde.”
    E então? Em que medida é que isso pode colocar em causa os dados apresentados?

  4. Pie

    Aqui nunca houve grande preocupação com os “dados apresentados”.
    O que é preciso é mudar a realidade, não conhecê-la …

  5. lucklucky

    “Não é uma opinião isenta nem perto disso”

    O que é que é uma opinião isenta? uma administradora publica?!

    “realizou-se um investimento supérfluo e excessivo nesse horpital, possivelmente (dizem as más línguas) para possibilitar a obtenção de maiores lucros ao grupo privado que o gere.”

    E a administradora que “não é isenta nem perto disso” confirma que a valência de obstetrícia está subaproveitada…

  6. Rantanplan, o FDP

    A esquerda até a fornicar é incompetente. Estes parasitas só pensam em sanguessugar o SNS. Até parece que não há coisas mais importantes onde colocar $$$ que a merda dos abortos. Palhaços do crlh.

  7. Pingback: Taxa moderadora para o aborto: o mínimo dos mínimos « O Insurgente

  8. Pingback: Taxa moderadora para o aborto: o mínimo dos mínimos (2) « O Insurgente

  9. Pingback: Feng Jianmei: o aborto forçado como corolário do progressismo e do planeamento centralizado estatal « O Insurgente

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.