Um bom conselho

Alguma esquerda escandalizou-se com o discurso do Secretário de Estado da Juventude e Desporto em São Paulo no qual afirmou que os jovens devem ter a coragem de sair da sua zona de conforto e ir além das suas fronteiras para encontrar alternativas de emprego. Em primeiro lugar as críticas parecem desvalorizar o contexto do discurso, ou seja, o Secretário de Estado discursava para um grupo de emigrantes e tentou dessa forma louvar as opções da sua assistência. Porventura, alguns preferiam que o Secretário de Estado mentisse e fosse mendigar o regresso daqueles emigrantes ao país de origem. Mas esquecendo o contexto, resta sublinhar o pequeno pormenor de que o conselho é bom. E é bom não só para os jovens, mas para o país.

Para percebermos porque é que é a emigração é positiva para o país, é preciso entender o porquê deste recente fluxo migratório. O problema português é ausência de capital. Os altos impostos, um mercado de trabalho inflexível, fracos hábitos de poupança e uma profunda aversão social à acumulação de riqueza fez com que, aos poucos, o capital fugisse do país. No fundo é disto que se fala quando se diz que “existem excesso de doutores”. Portugal só tem excesso de mão-de-obra qualificada quando comparado com o volume de capital acumulado necessário para a rentabilizar. Engenheiros precisam de fábricas para dirigir e gestores de empresas para gerir. Ter muita mão-de-obra qualificada num país sem capital acumulado é como ter muita gasolina mas não ter carros onde a colocar. A única solução é a eliminação de políticas que esvaziam o stock de capital do país, entre as quais a diminuição da dívida pública, a diminuição dos impostos e a flexibilização da legislação laboral. E sim, os cortes terão de passar pela educação, ou seja, pela formação dessa mão-de-obra qualificada. Não vale a pena continuar a vender aviões para formar pilotos, quando estes não têm o que pilotar.

Um país com excesso de mão-de-obra qualificada só tem uma forma de a rentabilizar: exportando-a. Aos “enviar” essa mão-de-obra qualificada para regiões com mais capital acumulado, concerteza que alguma será perdida para sempre, mas muita será rentabilizada e o retorno virá sob a forma de remessas, know-how, turismo e espírito empreendedor. Será pouco, dirão alguns, mas neste momento é o melhor que os governantes de um país falido podem aconselhar aos seus cidadãos.

9 pensamentos sobre “Um bom conselho

  1. Joaquim

    Caro CGP,
    O SEJD apenas está a recomendar uma solução que tem sido usada em Cuba. Formar e exportar. E depois não se esqueçam de mandar uma poupanças…

  2. Joaquim

    Caro CGP,
    Cuba tem exportado mão de obra diferenciada, nomeadamente médicos e isso é uma política explícita do governo.

  3. Carlos Guimarães Pinto

    Verdade, mas isso não contraria nada do que está dito no texto. Repare nesta parte do texto: “A única solução é a eliminação de políticas que esvaziam o stock de capital do país, entre as quais a diminuição da dívida pública, a diminuição dos impostos e a flexibilização da legislação laboral. E sim, os cortes terão de passar pela educação, ou seja, a formação dessa mão-de-obra. Não vale a pena andar a vender os últimos aviões para formar pilotos.”

  4. Joaquim

    Caro CGP,
    Quando diz:
    A única solução é a eliminação de políticas que esvaziam o stock de capital do país, entre as quais a diminuição da dívida pública, a diminuição dos impostos e a flexibilização da legislação laboral.
    Está cheio de razão. Por isso é que fica péssimo a um membro do governo sugerir a emigração antes de resolver, ou procurar resolver, estas dificuldades.
    Por outro lado um país não é uma folha excel. Precisamos de todos, todos podem dar contributos valiosos, mesmo fora das suas áreas de especialização (um conceito muito ultrapassado). Um gestor não é um número, uma estatística. É um concidadão, deve ter lugar à nossa mesa, como um “familiar”.

  5. Guillaume Tell

    “Portugal só tem excesso de mão-de-obra qualificada em relação ao volume de capital que conseguiu acumular.”

    Não, Portugal tem um excesso de mão-de-obra cujas qualificações não correspondem ao volume e natureza do capital. O sistema educativo português não forma individos para as necessidades nacionais mas sim para as necessidades de outros países.
    O nosso problema é que passamos demasiado tempo a formar “doctores” e “engenheiros” em vez de formar trabalhadores e empreendedores.

  6. Lusitânea

    Estou a ver que sendo esse negócio afinal tão bom justifica-se então a manutenção do melhor acolhimento do mundo que acolhe e forma quem se apresentar nas escolas que não são SEF.Afinal um “grande” investimento com retorno “garantido”…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.