Hofstede – Dimensões Culturais de um Povo

Como caracterizar um país quanto às características culturais do seu povo?

De acordo com o que aprendi no meu mestrado em Economia Internacional, Hofstede em 1980 achou a melhor resposta até à data a esta questão. Ele dividiu a sua caracterização cultural em 4 dimensões (a que mais tarde juntaram a 5ª). A saber:

  • PDI (Power Distance Index) –  Distância ao Poder – Mede até que ponto os membros menos poderosos de uma sociedade aceitam e esperam uma distribuição desigual do poder. Representa a desigualdade medida a partir de baixo e sugere que este é o nível relevante no nível de desigualdade em que se irá encontrar uma sociedade.
  • Ind – Individualismo – A mentalidade é individualista ou colectivista? Nas sociedades individualistas, as ligações entre indivíduos são mais soltas, esperando-se que cada um seja capaz de tratar de si próprio e se precaver para eventuais adversidades. Nas sociedades mais colectivistas, as pessoas desde o nascimento que são integradas em grupos (familiares mas também profissionais ou de interesses) que são coesos, fortes, protectores e onde se espera uma lealdade inquestionável.
  • Mas – Masculinidade – A comunicação é directa e assertiva ou cheia de floreados? A sociedade é mais competitiva ou mais modesta e sentimental?
  • UAI  (Uncertainty Avoidance Index) – Atitude face  à Incerteza – A sociedade evita o risco e prefere a certeza e o Status Quo ou aceita o risco? Despreza ou valoriza os que falharam em tentativas anteriores?
  • LTO (Long Term Orientation) – Longo Prazo – A orientação é para soluções de curto prazo ou de longo prazo? (proposta por investigadores Chineses, só disponível para 23 países)
Gráfico de Portugal no site do investigador original:
Na dimensão mais recente, Portugal tem uma orientação forte de CP.
Compare-se agora com Suiça e China:
 & 
E fica tudo dito, não é?
Já agora: vejam nesta imagem onde estão Portugal e Grécia por um lado e Suécia e Dinamarca por outro:
Pois…
Anúncios

16 pensamentos sobre “Hofstede – Dimensões Culturais de um Povo

  1. EMS

    Por outro lado, o interessante neste mapa é que não é o Uncertainty Avoidance Index o que distingue os paises “bons” dos “maus” mas sim o individualismo/colectivismo.

  2. EMS

    E aquele pais com a sigla KOR que tambem está no nosso grupo é a Coreia do Norte, ou a é Coreia onde se fazem os Samsungs?
    Tambem acho estranho a Italia, com as suas tradicionais mafias e a comida da mama, estar no grupo dos individualistas.

  3. Luís Lavoura

    O que se vê neste gráfico é que o Coletivo Insurgente tenta impôr em Portugal ideologias próprias de povos que são culturalmente muito distintos do português.

  4. Ricardo Campelo de Magalhães

    Sim, KOR é a dos Samsungs.
    A Itália é essencialmente Milão e Roma. Sicilianos tem pouco peso na população.

    Mas o que dizem desta métrica? Acham útil? Acham adequada à realidade?

  5. Ricardo Campelo de Magalhães

    Portugal é muito feminino, no contexto da definição apresentada e isso não é um erro:
    Ao contrário dos Alemães, nós os Latinos somos um povo que em qualquer telefonema ou comunicação demoramos imenso a chegar ao objectivo da mensagem, quando chegamos somos difusos e cheios de artifícios de linguagem e quando terminamos deixamos muito subentendido em meias palavras.

    Assertividade? Objectividade? Rigor? Pontualidade e assiduidade? Eficiência? No thanks!

  6. lucklucky

    Sim é o que penso, é preciso irritar os portugueses para estes falarem claro. Estava a ler a escala ao contrário.

  7. eltopo

    São métricas interessantes. É curioso que haja nações bem sucedidas em todos os quadrantes. São também interessantes os agrupamentos culturais que existem.
    No caso português (e grego também), o que sai da escala é claramente a aversão ao risco, o tão afamado conformismo português. É imperativo mudar essa mentalidade, e valorizar a iniciativa.

  8. Ricardo Campelo de Magalhães

    eltopo,
    Necessário é. Mas experimente falar com as pessoas à sua volta e verá como isso é difícil…

  9. Luis

    Como estes problemas culturais não se mudam com facilidade, a questão resolve-se com elites informadas sobre as características peculiares da nossa sociedade. Excelente post. A última pessoa que esteve no poder e que conhecia o problema como ninguém foi aquele cujo nome não pode ser dito. Em boa verdade, no inconsciente colectivo da raça predomina o arquétipo feminino, de forma muito proeminente. E isso explica parte dos nossos problemas.

  10. Pingback: Portugal caracterizado em termos culturais « O Insurgente

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.