shock and awe?

“O salário médio dos trabalhadores da RTP é superior a 40 mil euros brutos por ano”, no Diário Económico online.

E o salário mediano?

14 pensamentos sobre “shock and awe?

  1. “E o salário mediano?”

    Estatísticamente, o salário mediano não será muito esclarecedor enquanto valor central.
    Ao contrário, a variância salarial já nos permitirá ter uma boa ideia dos desvios relativamente à média.
    E, a partir da variância pode calcular-se o desvio-padrão salarial, que é a medida mais explícita da dispersão (do dinheirinho dos contribuintes nos salários desses marmanjos). 😯

  2. Uma sugestão ainda melhor era mandar essa gente toda para o mercado e eliminar o ónus para o contribuinte. Se forem assim tão bons facilmente arranjam alguém que lhes pague o salário que auferem actualmente e falam directamente com quem lhes paga.

    Daqui viria uma outra sugestão. Não ouço em lado nenhum e acho que seria bastante útil para o país.

    Porque não dar a autonomia total à Madeira neste momento. Uma solução do género de Vaticano ou São Marino. Total autonomia, inclusive fiscal. O governo regional da Madeira cobraria impostos aos ilhéus e com essa receita pagaria a dívida. O sistema económico e político ficariam completamente à sua descrição.

    Poderiamos manter a liberalização comercial e pessoal entre continente e Republica Madeirense. O Sr. Alberto até poderia trabalhar com um IVA a 1%, embora o mais provável fosse que o aumentasse para 99% e atribuir a culpa aos marotos dos matemáticos que limitaram a percentagem a 100% e daí roubaram a Madeira, porque se se pudesse aumentar o IVA até 200% então em termos relativos ainda estavam muito longe do máximo. E legitima defesa e o catano…

  3. Euro2cent

    > pudesse aumentar o IVA até 200%

    Poder até pode, não é dificil: uma coisa que custa 100 sem IVA, custa 300 com IVA a taxa de 200%.

    Aliás, para combater o défice, devia ser essa a taxa aplicada a carros alemães e franceses.

  4. Ricardo Arroja

    “Aliás, para combater o défice, devia ser essa a taxa aplicada a carros alemães e franceses.”

    Ora, nem mais. Voltávamos a ter UMM’s num instante. Infelizmente, parece que os burocratas da UE não permitem tal discriminação no IVA

  5. Ricardo Batista

    Estava a referir o IVA como parte do preço, noutro sentido. PE: uma coisa que custa 100€ e tenha um IVA de 99€. Neste sentido não é possível aumentar até 100% (a não ser que a coisa custe zero).

    Entretanto sobre a questão dos carros alemães, acho que é precisamente ao contrário. Devemos é eliminar os impostos sobre veículos, sejam alemães ou não.

    Sou totalmente a favor de produtos nacionais, desde que sejam os que apresentam a melhor relação qualidade preço num mercado livre sem subsidiação.

    Se os alemães quiserem tributar os seus contribuintes para subsidiar carros que nós depois compramos, acho isso fantástico. Não sou contra a ajuda externa:).

    E a história de que nós temos que defender a produção nacional é uma falácia económica que tem custado milhares de milhões ao país. O melhor serviço que prestamos ao país é não subsidiar nada e compreender a teoria das vantagens comparativas. O mercado faz o resto.

  6. Ricardo Campelo de Magalhães

    E faltou o link, também do D.Eco., em que se falava que a grande banca internacional não empresta mais às empresas públicas!

  7. Paulo Pereira

    Essa de que o mercado vai resolver o deficit corrente de 10% Português é uma falácia completa.

    A partir de 1993, quando o escudo deixou de se desvalorizar , que o deficit corrente começou a disparar, ou seja quase 20 anos em que o mercado não resolveu o problema.

    Sem politicas industriais nenhum país se desenvolveu e Portugal não é excepção.

  8. Portanto não acredita nas teoria das vantagens comparativas?

    E onde é que se deixou o mercado funcionar nos últimos 20 anos? Em Portugal? Que tal saber qual a classificação de liberdade económica que Portugal tem antes de dizer que temos uma economia de mercado?

  9. http://www.heritage.org/index/ranking.aspx

    Aí vai um índice. O cálculo dos indicadores tem alguns erros, na minha opinião, mas todavia dá para tirar algumas conclusões.

    Uma imediata conclusão é que a treta da teoria do deficit corrente, nos países mais livres não colhe. De acordo com essa teoria Hong Kong estaria condenado à miséria. Mas mais uma vez a realidade desmente o keynesianismo. É pancada atrás de pancada.

  10. PMP

    Porque é que Hong-Kong estaria condenado à miséria, se teve acesso ao conhecimento do Império Britânico e está num ponto geoestratégico fundamental.

    O keynesianismo é a realidade : A procura determina a oferta numa economia monetária capitalista, o dinheiro também serve para acumular riqueza e o futuro é indeterminado . A economia deriva deste três parametros.

    A treta das vantagens comparativas não existe na economia moderna porque as empresas tendem a ter economias de escala cada vez maiores e tendem a dominar espaços tecnológicos e de mercado cada vez maiores : learning by doing .

    Nenhum país se desenvolveu sem proteção às suas empresas industriais e agricolas até que estas sejam capazes de competir no mercado mundial.

  11. “Nenhum país se desenvolveu sem proteção às suas empresas industriais e agricolas até que estas sejam capazes de competir no mercado mundial.”

    O melhor exemplo disto é a União Soviética. Ai defendiam mesma a produção nacional.

    E onde foi que a Alemanha defendeu com proteccionismo as marcas automóveis?
    Por outro lado os EUA já deram bailouts à General Motors por mais que uma vez. Isso ajudou a economia americana?

    “A treta das vantagens comparativas”.

    Esta é mais uma pérola que fica para a história. Nem o keynesianismo nega a teoria das vantagens comparativas, porque é tão óbvia que seria descabido tentar contradizê-la. Mas há groupies do keynes que conseguem ser mais comunistas, perdão keynesianos, que o próprio Keynes.

    E um Keynesiano puxar do exemplo de Hong Kong é como o Papa citar Nietzsche. Não lembra a ninguém. O “país” como menor intervenção estatal do mundo ser citado por keynesianos é de cair no chão a rebolar de tanto rir…

  12. Se alguém inventasse uma máquina que ao carregarmos num botão ela produziria instantaneamente tudo o que desejamos a teoria keynesiana defenderia a sua proibição imediata pelo nível de desemprego que iria gerar. Não interessava que as pessoas já não precisassem de trabalhar. O importante era criar empregos mesmo que desnecessários.

  13. Paulo Pereira

    Explique lá onde é que Hong Kong contradiz Keynes em vez de argumentos sem nexo.

    Onde é que a União Sociética foi capitalista ? mais conversa da treta. O Keynesianismo funciona numa economia capitalista monetária moderna , é essa a definição e não tretas sem nexo.

    A Alemanha tem politicas industriais desde 1860 com Bismarck. A Alemanha favorece a industria local e o Estado Alemanha ajuda as empresas alemãs a venderem no exterior. A Alemanha financiou as industrias locais através de bancos estatais (regionais). A Alemanha tem um sistema de ensino voltado para ajudar as empresas. A Alemanha ajudou a industria automóvel em 2008 e 2009 com subsidios de modo a minorar os despedimentos, etc. etc.

    A economia americana é a maior do mundo, mas devido à abertura comercial tem um deficit comercial desde há mais de 35 anos, além de que desde Reagan diz que “deficits don’t matter”.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.