Zest of achievement

“It doesn’t say much. Only ‘Howard Roark, Architect’. But it is like those mottoes men carved over the entrance of a castle and died for. It’s a challenge in the face of something so vast and so dark, that all the pain on earth – and do you know how much suffering there is on earth? – all the pain comes from that thing you are going to face. I don’t know why it should be unleashed against you. I know only that it will be. And I know that if you carry these words through to the end, it will be a victory, Howard, not just for you, but for something that should win, that moves the world – and never wins acknowledgment. It will vindicate so many who have fallen before you, who have suffered as you will suffer. May God bless you – or whoever it is that is alone to see the best, the highest possible to humans hearts. You’re on your way to heel, Howard.”

The Fountainhead, p. 129.

Este livro é aconselhável aos que não se querem deixar corromper. Aos que não facilitam. Aos que são chatos, teimosos, persistentes, têm e seguem o sonho de serem livres. Livres, naquele nível íntimo que é o da consciência. Livres do peso limitador dos outros. Os que precisam sentir o abismo que é trabalhar, construindo algo do nada para se sentirem vivos. Parte integrante deste mundo. Parte integrante da criatividade humana deste mundo. Aos que acreditam nas suas capacidades e não as desvirtuam para serem reconhecidos. Aos que não aguardam qualquer agradecimento. Acreditam na criatividade do homem quando não controlada por quem a receia ver fluir. Nada esperam dos demais e têm fé em si mesmos.

Para os que não se revêem neste espírito, os que não acreditando nos seus méritos, os trocam pelo reconhecimento alheio e nunca questionam o que lhes dizem ser a verdade; aqueles que receiam a originalidade dos outros e, fixando-se obsessivamente neles, não descansam enquanto não a destruírem, esta obra é um ultraje e uma ofensa à sua dignidade.

A sua leitura devia ser obrigatória para uns e para outros. Os primeiros para perderem a vergonha de continuar; os segundos para saírem da frente.

6 pensamentos sobre “Zest of achievement

  1. Absolutamente de acordo. Por sinal, o livro está, desde ontem, no meu destaque “Leituras“.

    Howard Roark é uma das grandes personagens da literatura. Para ele, a “alma” é sagrada pelo que, em caso algum, poderá ser corrompida, mesmo que para isso tenha que sofrer inominavelmente. Mesmo que à custa do seu intelecto, da sua Arte, do seu ser.

  2. Se essa mentalidade fosse generalizada, será que conseguiam existir empresas (ou pelo menos de empresas com mais de meia-dúzia de empregados)?

    Não que isso me incomodasse, mas deveria incomadar a Rand.

  3. bg

    ” Aos que acreditam nas suas capacidades e não as desvirtuam para serem reconhecidos. Aos que não aguardam qualquer agradecimento. Acreditam na criatividade do homem quando não controlada por quem a receia ver fluir. Nada esperam dos demais e têm fé em si mesmos.”

    consta que é o livro de cabeceira de socrates

  4. Pingback: Crony Capitalism « O Insurgente

  5. Pingback: Top posts da semana « O Insurgente

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.