O banho de lama dos candidatos pequeninos

Nem quero acreditar, de tão absurdo que é, que o que mais interessa os candidatos saltitantes e a comunicação social nesta campanha para as presidênciais é a velhinha notícia das acções que Cavaco Silva teve da SLN, ex-propietária do BPN. Passemos ao lado do facto de isto ser o reconhecimento pelos vários candidatozinhos que as presidênciais são um referendo a Cavaco Silva, o que só o beneficia, e que nem se deram ao trabalho de preparar uns temas para a campanha (além da lama que Defensor de Moura entendeu introduzir) – e olhem que os eleitores não gostam de quem nem se quer esforçar um bocadinho para os seduzir – para anotar uns pequeninos detalhes. No meio da irrelevância em que os pseudo-candidatos se colocam (uma ideia! o meu armário de sapatos por uma ideia!) há alegações que se ouvem e lêem que, além de mentiras chapadas, demonstram uma ausência de familiaridade com os mais usuais mecanismos de mercado e uma preferência pelos mecanismos das economias sem mercado que, lá está, também não são desejáveis num PR. (Não, ninguém em Portugal, tirando meia dúzia de maluquinhos, está interessado em voltar aos tempos pré-soviéticos do PREC.)

1. Além de não ser ilegal nem sequer sintoma de ilegalidade a existência de sociedades anónimas não cotadas em bolsa e de se proceder diariamente à compra e venda de acções de empresas não cotadas em bolsa, convém esclarecer os candidatos a oponentes de Cavaco Silva que numa grande empresa deter cento e poucas mil acções não deixa que mandemos nada nessa empresa, pelo que proclamarem que Cavaco teve responsabilidades na condução da empresa proprietária do BPN é revelação de que estão sobretudo familiarizados com a organização dos sovkozes ou que são pessoas com relações conturbadas com a verdade.

2. Não se pode deixar de notar que a verve acusatória de Alegre quando acusa Cavaco Silva por interposto meio de comunicação social não é a mesma que tem quando está cara-a-cara com o visado, em que se torna mansinho e o mais que consegue é uma ou duas insinuações. Acho que assim perde o eleitorado marialva.

3. Cheguemos ao caso. Cavaco Silva comprou em 2001 acções ao preço em que à época se compravam e vendiam acções da SLN e vendeu em 2003 acções ao preço em que à época se compravam e vendiam acções da SLN. Não foi favorecido na compra nem na venda face a outros accionistas; as mais valias estavam disponíveis para todos os accionistas que compraram e venderam.

4. A única questão que se poderia colocar a Cavaco Silva é: o que o levou a investir na SLN? Mas essa pergunta não pode ser feita, porque lembraria que ligados à SLN, e neste caso com responsabilidades efectivas na gestão do Banco Efisa, controlado pelo BPN, estiveram personalidades do PS ou da área do PS como Guilherme de Oliveira Martins ou José Lamego.

5. Não se pode exigir a Cavaco Silva, enquanto professor universitário, que previsse em 2001-2003 o que se veio a descobrir em 2008 sobre uma empresa da SLN (isto se não atribuirmos ao actual PR poderes de semi-deus, o que, pelos vistos, é o que os candidatos a seus oponentes pensam do PR, novamente com benefício para Cavaco) , sendo que durante anos o Banco de Portugal se sentiu descansado quanto ao BPN e descansava os seus depositantes. E o governo, que me parece ter mais meios de informação sobre um banco comercial do que um professor universitário, também estava tão descansado com o BPN que lá abriu conta para a Segurança Social em 1999 (ano de governo Guterres) e lá tinha 500 milhões de euros em 2008 (ao arrepio de todas as cautelas) e de lá retirou 300 milhões de euros pouco antes de rebentar o escândalo – questionam-se alguns se não precisamente com a intenção de precipitar a ‘queda’ do BPN.

6. Ainda estou à espera que jugulares e amigos – que tanto se incomodaram com a revelação de escutas interceptadas numa investigação criminal envolvendo José Sócrates – se indignem e repudiem a violação da correspondência de Cavaco Silva que levou à notícia do Expresso. Até porque no caso de José Sócrates as escutas indiciavam, entenderam alguns que a elas tiveram acesso, um possível crime de atentado ao estado de direito devido a uma vergonhosa tentativa de controle dos grupos de comunicação social. E no caso de Cavaco Silva a revelação da correspondência apenas mostrou a venda de acções, acto inocente, legítimo e legal, que levou à realização de uma mais-valia, o que costuma ser o objectivo (também inocente, legítimo e legal) da venda de acções.

7. Além de demonstrar a irrelevância política dos vários candidatos a oponentes de Cavaco Silva, as notícias sobre as acções da SLN revelam também o calibre dos jornalistas. Não porque estes não devam noticiar as atoardas dos vários candidatos sobre a SLN se estes as entendem proferir, mas porque não lhes perguntam exactamente o que vêem de errado na transacção, já que esta foi noticiada como sem irregularidades; foi Cavaco ter ganho dinheiro? e, se sim, qual o problema disso? têm conhecimento de alguma irregularidade não noticiada na transacção? ou desconfiam de favorecimento? É que repetirem a compra e a venda de umas acções, assim sem mais, como se de um crime se tratasse também lhes dá um ar um tanto tolinho. Ou então não perguntam querendo proteger os candidatos: como se viu no debate Cavaco-Alegre, este último nem soube listar quem esteve ligado ao BPN e foi politicamente próximo de Cavaco.

Anúncios

8 pensamentos sobre “O banho de lama dos candidatos pequeninos

  1. “ao preço em que à época”

    Como sabe? Com base numa “notícia” do Expresso, que não fornece quaisquer bases para a afirmação que faz? Você acredita piamente em tudo que aparece no Expresso? Eu não.

  2. orlopesdesa

    “além da lama que Defensor de Moura entendeu introduzir”

    Qual foi a lama que ele introduziu? Que a Presidência da Républica tem contratado para muitos eventos por si promovidos a fadista que era a sua mandatária para a juventude nas eleições anteriores?

    http://jn.sapo.pt/Opiniao/default.aspx?content_id=1747323&opiniao=Oscar%20Mascarenhas

    Se isso é muito grave? Penso que não, ele pode escolher para cantar fado quem ele bem entender! Poderia era ser evitada esta pequena promiscuidade, porque afinal de contas para se ser mais honesto do que ele é preciso nascer duas vezes…

  3. “a velhinha notícia das acções que Cavaco Silva teve da SLN”

    Curioso… uma notícia que pode ser desagradável para o Cavaco é desprezada como velhinha mas, as notícias, muito mais antigas dos projectos intragáveis do Sócrates lá para a Guarda já não foram intituladas de velhinhas.

    Mas esta transacção do Cavaco só é notícia por o Cavaco não a esclarecer.

    Primeiro sublinhe-se que esta transacção comercial não pode ser abrangida por qualquer tipo de segredo como por exemplo uma conversa telefónica privada.

    Depois, transacções em que se compra um bem abaixo do seu valor e se vende depois acima do seu valor são muitas vezes utilizadas para esconder pagamentos ilegais ou mesmo lavagens de dinheiro.

    Era do interesse do candidato Cavaco esclarecer quando e a quem comprou as acções e como as vendeu, como foi feito o pagamento e como é que foi recebido o valor da venda. Assim como mostrar que houve outras transacções quer a €1 na altura da compra quer a €2,4 na altura da venda.

    Sem estes esclarecimentos fica sempre a dúvida se não se tratou, pura e simplesmente, de mascarar uma oferta do Oliveira e Costa a Cavaco Silva e à filha.

    É que um lucro de 140% em dois anos corresponde a uma valorização do capital de 3,8% ao mês! Ainda longe dos 10% da Dona Branca, mas mesmo assim, um valor muito pouco usual…

  4. Maria João Marques

    ‘Curioso… uma notícia que pode ser desagradável para o Cavaco é desprezada como velhinha mas, as notícias, muito mais antigas dos projectos intragáveis do Sócrates lá para a Guarda já não foram intituladas de velhinhas.’

    Não, a diferença é que Cavaco apenas vendeu umas acções e conseguiu mais-valias – coisa absolutamente inocente – enquanto os projectos de arquitectura assinados por Sócrates não se sabe se foram desenhados pelo próprio (os clientes dos projectos nunca o viram), que de resto nunca eclamou a autoria mas apenas a responsabilidade pelos projectos, num estratagema para contornar as normas de realização de projectos pelos funcionários das câmaras municipais. Não queira confundir coisas totalmente diferentes.

  5. ricardo saramago

    O regime político e a SLN(PSD/BPN e PS/B.Efisa) confundem-se, e a história de um e de outro, são a história subterrânea da trafulhice em que mergulharam os partidos dominantes, a partilha de cargos, negócios, protecções e compadrios, sempre com o dinheiro dos contribuintes na mira.
    A coisa descontrolou-se, daí a nacionalização fulminante para aproveitar o pretexto da crise financeira, e depois a modorra e inacção que se seguiu até hoje, para cobrir prejuízos e controlar os danos.
    Apurar prejuízos e responsabilidades, é a última coisa que se deve esperar, do sistema que criou e se alimentou deste bem sucedido empreendimento.

  6. Pingback: Espetáculo de variedades: Manuel Alegre, candidato presidencial « Farmácia Central

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.