O fim do jornalismo tal como o conhecemos?

 

Outro desafio das novas tecnologias ao jornalismo: como lidar com a informação que, mesmo não publicada em jornais, chega por outras vias a todo o lado.

Anúncios

7 thoughts on “O fim do jornalismo tal como o conhecemos?

  1. bla bla bla

    Atendendo a que aqui no ‘Insurgente’ é tudo adeptos do fóculporto, acho que não deviam comentar nada que tivesse origem ilegal e/ou dúbia.
    No fundo trata-se de violações de privacidade. SAIAM DA SALA.

  2. ruicarmo

    André,
    é um assunto pertinente e actual mas desde há muito que o jornalismo, tal como o conhecemos, está “morto”. O maior foco de interesse será avaliar as reacções dos governos ao que é publicado.
    Claro que a forma como os media dos diferentes países lidam e “tratam” as “fugas” é um exercício interessante – por exemplo, na Arábia Saudita, é como se não tivessem existido, não passam de uma fugaz nota de rodapé; no Irão, o Presidente associa a Administração norte-americana ao “conselho editorial” da wikileaks; outro ponto interessante é como os media ocidentais o tratam: o Guardian -http://www.guardian.co.uk/media/greenslade/2010/nov/28/wikileaks-national-newspapers – terá uma acção editorial diferente da do WSJ ou de outros jornais, como o teu link indica.

  3. Rui, não sou um entendido na matéria, mas julgo que a forma como a informação é compilada e divulgada foi possível devido às novas tecnologias da informação, vulgo internet. O problema é a irrelevância dos jornais caso decidam não publicar o que alguns acabaram por publicar. O problema ético já não se cinge a se os cidadãos vão ou não saber, mas como vão saber.

  4. Scott Lipton

    Do que eu saiba nada que seja pertinente ao governo eh privado. O governo nao tem privacidade a como usa o dinheiro dos seus cidadoes nem como relaciona-se com outros paises a nome dos cidadoes. (desculpem mas nao tenho acentos no teclado).

  5. maxcady128

    É pertinente referir também a dualidade de critérios nas reacções a estas fugas.

    Na era Bush e na era Nixon, aos autores de uma fuga desta magnitude, era lhes praticamente garantido um prémio Pullitzer e eram considerados heróis, a estes sujeitos do Wikileaks são condenados quer à esquerda, quer à direita.

  6. JS

    #5 Se calhar … condenados pela direita, premiados pela esquerda.
    De qualquer forma, o desprestígio -muitas vezes merecido- do Estado.
    A quem interessa ?, como se pergunta nos livros policiais.

  7. ruicarmo

    Tens razão, André. O “jornalismo” de cidadão é irreversível.
    Noutro aspecto do “problema”, das respostas dos grupos de media aos avanços tecnológicos, à proliferação de fontes de informação e uma concorrência “inesperada”, sairão, num futuro próximo, aqueles que terão “pernas para andar”. Os modelos de negócio terão que ser alterados.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.