O Rei vai nu (embora haja quem goste)

Uma das ideias mais patéticas que se impôs recentemente no politicamente correcto do nosso cantinho à beira-mar plantado assenta no princípio que se estivermos caladinhos cá dentro, e dermos uma sensação de normalidade, os “mercados internacionais” pode ser que não percebam a miséria em que nos encontramos. Daí que sempre que um responsável político opta por dar nota que o rei vai nu, zás! todo um coro de austeros irresponsáveis vem a terreiro apontar-lhe o dedo para de seguida o elevarem até aos lábios, sussurrando, “shiu, está lá caladinho, ninguém precisa perceber na lama em que nos rebolamos!”.

Luís Amado é um desses políticos com sentido de responsabilidade que tem a clara percepção que Portugal perdeu a sua credibilidade no exterior, precisamente porque desde 2007 nega a existência da crise, encarando-a em sentido inverso ao que era necessário: em vez de austeridade, por motivos eleitorais, em 2008 aumentou 2,9% os funcionários públicos, diminuiu o IVA; em vez de rigor e diminuição do peso do Estado, por clientelismo, recorreu a uma teoria tugo-keynesiana de desperdício de recursos que nos empurrou para o limite da insolvência.

A teoria do falso consenso, infelizmente, não convence ninguém no exterior. Em Janeiro de 2010, a nossa dívida era negociada nos 4,1%. Apesar de ver viabilizado o OE, o PEC1 e o PEC2, o governo foi incapaz de cumprir as metas a que se comprometeu, e a nossa dívida hoje, passados dez meses, bate recordes históricos, a beijar os 7%. A classe política, wishful thinking, apelou a um “novo consenso”, e ao carácter redentor de um OE2011 aprovado. Crenças que “os mercados” já se encarregar de desmistificar. Portugal está a ser castigado porque somos vistos como pouco confiáveis, porque ninguém acredita que sejamos capazes de executar o orçamento a que nos propusemos, precisamente porque ainda em 2010 e à beira do abismo passámos dez meses a assobiar para o ar, a fingir que éramos austeros; e porque tão pouco nos dão o crédito de que sejamos capazes de crescer, consistentemente, no futuro próximo.

Luis Amado o que veio dizer, sem o assumir expressamente, como é próprio dos diplomatas, anda à volta disto: precisamos de um choque de credibilidade, e uma efectiva capacidade de cumprir as metas orçamentais; no início do ano deu nota que só lá íamos com uma imposição constitucional; agora, vem defender que é necessária uma larga coligação, o que – tendo em atenção que o que não faltam são consensos – só pode ser lido de uma forma: isto só lá vai sem José Sócrates.

O recado vem de dentro do próprio Governo, de quem conhece bem a mentalidade do PM e do que desabafam os nossos parceiros europeus nos corredores de Bruxelas; já é a segunda vez que o MNE nos avisa que o Rei vai Nu. O recado de Luis Amado é mais do que evidente: por este caminho, a brincar às bonecas, mais uns tempos, e estamos fora do Euro.

3 pensamentos sobre “O Rei vai nu (embora haja quem goste)

  1. “é necessária uma larga coligação, o que – tendo em atenção que o que não faltam são consensos – só pode ser lido de uma forma: isto só lá vai sem José Sócrates”

    Isso parece-me uma leitura muito abusiva.

    Luís Amado não disse isso.

    Ninguém no PSD o disse, também – que uma coligação estivesse dependente de José Sócrates se afastar.

    Na Alemanha houve uma grande coligação antes das últimas eleições. A chefe do partido mais votado era a primeira-ministra. Como é natural.

    Acho impressionante que concentre o seu rancor num só homem, Sócrates.

  2. Caro Lavoura,
    Cada um interpreta as coisas à sua maneira. Aliás, o meu amigo é particularmente imaginativo na forma como habitualmente lê a realidade, pelo que admito que ninguém melhor aceite o meu direito a considerar que Luís Amado quer ver Sócrates bem longe da governação.
    Ab.
    RAF

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.