Contra-sensos

O Rui Albuquerque evidencia, com rigor, o contra-senso de alguém poder encarar um governo recheado de venerandas figuras do bloco central como sendo um governo de salvação nacional. Esse contra-senso, alimentado por quem de direito, é apenas o primeiro passo para o objectivo final: outorgar aos obreiros do Estado Social… o estatuto de reformistas do Estado Social.

Na verdade, ao contrário do que seria de supor e de esperar numa ordem política decente, a reforma (vamos, por agora, adoptar o termo “reforma”) do Estado Social não será feita, ou sequer inspirada, por aqueles que, há anos, prevendo e antecipando, defenderam por vários motivos (uns utilitaristas outros não) a falência do modelo. A “reforma” do Estado Social será encomendada, precisamente, aos cultores do dito, os mesmos que se recusaram sequer a perceber os mais dramáticos sinais da sua falência.

E os primeiros sinais já aí estão, com os cúmplices do socratismo a dar o dito por não dito e fazerem-se surpreendidos com as mentiras e omissões do Primeiro-Ministro e Ministro das Finanças. Esses cúmplices, socialistas até à medula, começam já a falar da reforma do Estado Social, prontos a aparecer como os salvadores da pátria. E não duvidemos por um segundo: serão eles, como sempre, se alguém não lhes puser travão, a “reformar” o Estado Social.

É também por isso que, como o Rui Albuquerque bem refere, quanto menos governo, melhor.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.