O centro e a periferia

10 pensamentos sobre “O centro e a periferia

  1. Curioso…
    Em 1989 cinco dos dez maiores eram europeus. Actualmente são três.
    Cinco eram norte-americanos (seis se contarmos com Puerto Rico)… actualmente são dois.
    Três eram japoneses… actualmente nenhum é japonês.
    Embora parte destas alterações possam ser explicadas por raconalização e aparecimento de novos portos, creio que no geral não é assim.

  2. Carlos Guimarães Pinto

    Foi uma piada, lucklucky. Eu não percebo nada de contentores (e ainda menos de tráfico de droga).

  3. Como qualquer quadro preparado pela The Economist, ele fala por si.

    Acrescentava apenas aos comentários já expendidos que os TEUs movimentados no maior porto em 1989 são, grosso modo, iguais ao do 20º lugar da lista em 2009. Tal traduz o acréscimo extraordinário do comércio internacional verificado nos últimos 20 anos e, com ele, o não menos extraordinário crescimento de muitos dos países do extremo-oriente em que uma das notáveis excepções é o Japão (exclusivamente por culpas próprias).

  4. Maria João Marques

    De notar ainda, dada a hegemonia dos portos chineses neste quadro, que em Hong Kong, onde em 1989 se exportava o que era produzido no território, o volume em 2009 será sobretudo de vendas de tradings sediadas em Hong Kong mas cuja produção é chinesa.

  5. ricardo saramago

    Quando no sec XVI o rei Filipe pensou em mudar a capital do Império de Madrid para Lisboa, Portugal perdeu uma grande oportunidade histórica.
    Quando vemos pequenos países como a Bélgica e a Holanda, servirem de porta de entrada e saída do comércio europeu e mundial, deveríamos perguntar-nos porque razão não somos nós que o fazemos e não usufruimos deste gigantesco negócio que poderia dar emprego a centenas de milhares de portugueses e equilibrar as nossas contas externas.Afinal temos a melhor localização e o melhor porto natural do sul da Europa.
    O que nos falta não são oportunidades mas sim inteligência colectiva.

  6. lucklucky

    Não temos a melhor localização, nós estamos numa extremidade com muito pouca densidade económica, logo óbviamente faz muito mais sentido ir directamente ao centro da Europa: Roterdão, Antuérpia etc. Com a queda do muro ainda mais sentido faz.

    Não há razão nenhuma para deixar mercadoria em Portugal a não ser que as viagens terrestres de repente tornassem muito baratas e as marítimas muito caras.
    ——-

    Entretanto a esquerda mediática está a conseguir destruir a América:http://news.cnet.com/8301-13578_3-20014563-38.html?tag=mncol;1n

    “…The U.S. legal environment has become so hostile to business, Otellini said, that there is likely to be “an inevitable erosion and shift of wealth, much like we’re seeing today in Europe–this is the bitter truth.”

    Not long ago, Otellini said, “our research centers were without peer. No country was more attractive for start-up capital… We seemed a generation ahead of the rest of the world in information technology. That simply is no longer the case.”

    The phenomenon of technology executives advancing dismal predictions and offering pointed critiques of Washington politicking isn’t new, of course.

    For instance: In 2005, midway through the Bush administration, Microsoft’s Bill Gates told a Washington audience that curbs on immigration and guest workers would provide a boost to research institutions in China and India. A year earlier, then-Intel CEO Craig Barrett warned that the U.S. must dramatically improve its education system…”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.