As florestas também ardem porque deixámos de gostar delas.

No decorrer dos incêndios que desta vez decidi ignorar, li este trecho no ‘Danúbio’ de Claudio Magris, que nos conta o respeito pela floresta:

“Quando abatiam uma árvore, os lenhadores bávaros tiravam por alguns momentos o gorro e pediam a Deus que lhe concedesse o eterno descanso. Há uma religiosidade da madeira; o seu florescer e o seu envelhecer fazem-nos sentir irmanados com as árvores.”

Somos uma geração em que muitos poucos viram uma árvore crescer e a morrer velha. No livro ‘A Salmandra’ de Morris West, uma personagem diz às tantas a outra que todo o homem deve ter um bocado de terra seu. Só assim se faz parte de um lugar. Sem terra, nem árvores, resta o lamento indiferente que não altera nada.

Anúncios

One thought on “As florestas também ardem porque deixámos de gostar delas.

  1. “No livro ‘A Salmandra’ de Morris West, uma personagem diz às tantas a outra que todo o homem deve ter um bocado de terra seu. Só assim se faz parte de um lugar. Sem terra, nem árvores, resta o lamento indiferente que não altera nada.”

    Nem mais.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.