Um pequeno passo

Excerto de “Os Dias Contados” de Alberto Gonçalves (Diário de Notícias)

Ao longo de cinco anos, habituámo-nos a ouvir que o crescimento económico se obteria infalivelmente mediante: investimento nas grandes infra-estruturas; investimento na investigação; investimento nas energias renováveis; investimento nas tecnologias de informação; investimento na educação e nos recursos humanos; investimento no apoio às exportações; investimento no investimento estrangeiro; investimento no estrangeiro; etc.

Como se nota, o critério variava consoante os dias e as circunstâncias. Se numa terça-feira de manhã o eng. Sócrates inaugurava por exemplo um pólo universitário, a investigação científica era vital ao crescimento económico. Mas se na terça à tardinha o eng. Sócrates comparecia à adjudicação de sete aerogeradores, aí já o crescimento económico não passava sem as ventoinhas.

Em qualquer dos casos, o crescimento viria de cima, isto é, da acção de um Governo paternal e do bolso de um contribuinte meigo. Viria. Não veio. O investimento público não só não trouxe crescimento económico, como, a partir de certa altura, nos enfiou numa crise económica que o Governo, corajosamente, combateu com os métodos que em larga medida a originaram. Mais curioso ainda é que esta espiral não nos lançou de cabeça contra a realidade: de facto, lançou-nos contra a Alemanha.

Esqueçam as ventoinhas e a banda larga: hoje, a nova panaceia para o crescimento económico é a “solidariedade europeia”, um conceito divertido que obriga os alemães a salvar os vizinhos falidos por desleixo próprio. O primeiro vizinho a resgatar é a Grécia, e embora 276 especialistas garantam que a situação grega não é comparável à portuguesa, a verdade é que nos colocámos em lugar privilegiado da fila de espera. Do quê? Ora essa: do fatal investimento público, com a diferença de que agora o público, ou seja, o contribuinte, é outro, fala a língua de Heiner e Gerd Müller e não prima pela meiguice. E com a diferença de que descemos da bazófia empreendedora para a mendigagem descarada, um enorme salto para a humanidade, um tombo recorrente para Portugal.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.