A imprensa escrita em Portugal

As notícias vindas ao lume sobre possível fim do ‘i’ (pelo menos como ele foi concebido) parecem comprovar que o tempo dos jornais à antiga, que noticiam tudo e alguma coisa, terá os dias contados. Há cerca de 5 anos que não compro jornais, sejam diários ou semanários. Substituiu-os pela edição online do WSJ (que me custa cerca de 30 cêntimos/dia) e a subscrição em papel de revistas mais específicas, como sejam a ‘American Interest’, a ‘Literary Review’ e a ‘Atlantic’. São alguns exemplos, havendo muitas mais publicações, ao ponto do processo de escolha se tornar quase angustiante. O certo é que no meio de tanta oferta, há que alargar a procura. No que diz respeito à imprensa portuguesa, fico-me pela leitura dos respectivos sites e na opinião, fio-me pelo que se publica na blogosfera. Há nela mais diversidade e ainda se encontra quem pense pela sua cabeça, sem calculismos rasteiros.

Posto isto, julgo que ainda se vislumbra uma réstia de esperança para a imprensa escrita portuguesa. Principalmente se apostada na criação de publicações mais especializadas, envolvendo pequenos investimentos, com custos de manutenção bastante controlados e viradas para um público alvo muito específico. O fácil acesso aos sites noticiosos parece ter liquidado qualquer ideia de um jornal português ter uma grande tiragem. O eventual sucesso do iPad pode ser o golpe de misericórdia, tornando possível ler os jornais estrangeiros como se folheássemos as suas folhas de papel. Talvez tenha chegado a altura das ideias simples e dos projectos ambiciosamente pequenos. Não é fácil. No entanto, e da mesma forma que a internet permitiu àqueles que sabem e querem, começassem a escrever, também pode ajudar ao surgimento de pequenos investidores com ideias muito concretas.

Anúncios

9 thoughts on “A imprensa escrita em Portugal

  1. Bernardo

    Infelizmente o resultado vai ser a concentração dos jornais… vão sobrar muito poucas publicações (online ou offline, tanto faz, é a mesma coisa), e o resto do espaço vai ser ocupado por publicações nicho (ex: wsj) e pelos bloggers. Em Portugal dos grandes vão sobrar talvez o CM e o Publico, se tanto (e os desportivos, claro).

    Em relação ao iPad, acho que estão a ver isto mal, todo o raciocínio por detrás desse produto é o mesmo modelo que os jornais sempre usaram… tenta tornar os internautas em meros consumidores de conteúdos em vez de contribuidoes. Vejam este artigo: http://www.businessinsider.com/i-really-hate-what-apple-is-trying-to-do-with-the-ipad-2010-4

  2. Pingback: Separar o trigo do joio « O Insurgente

  3. Pingback: Desafios da imprensa « Mercado de Limões

  4. Pingback: Público Mais e a imprensa escrita em Portugal « O Insurgente

  5. Pingback: A crise da imprensa escrita « O Insurgente

  6. Pingback: A crise da imprensa escrita em Portugal « O Insurgente

  7. Pingback: O Insurgente

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.