Quanto mais apodrecido estiver o Governo, mais difícil será pô-lo no lixo

(publicado também aqui)

No exercício vagamente deprimente que foi o último Congresso do PSD, foi muito mencionada a ideia de que o partido laranja se prepara para escolher “o próximo Primeiro-Ministro de Portugal”. Apesar de, em parte, esta ser uma declaração mais ou menos de circunstância, típica de gente apostada em “animar as tropas”, mais indicadora da pobreza das cabecinhas que a emitem do que da realidade da cena política portuguesa (tal como a expressão “cena política portuguesa” indica a pobreza da minha), ela é também reflexo de um “estado de espírito” acerca do Governo e do seu futuro imediato: ela reflecte a ideia de que o Governo está como que “ferido de morte”, e que “cairá de podre” mais tarde ou mais cedo, entregando no doce regaço da pobre alma que estiver na presidência do PSD a tarefa de tirar Portugal do rosadinho buraco em que Sócrates e os seus aguadeiros nos afundaram.

Foi essa ideia (e claro, a possibilidade de castigar “aqueles que falam contra o partido”) que animou o Congresso de Mafra, tal como foi essa ideia que penalizou a avaliação do mandato de Ferreira Leite: por várias vezes, nos últimos meses, muito bom e mau analista achou por bem dizer que, perante um Governo tão fragilizado por “casos” e desgastado pela “crise”, só mesmo a suposta inabilidade de Ferreira Leite pode explicar a sobrevivência do regime socrático. A crer nestas “análises”, a solução para os problemas do PSD (e do país) seria fácil: bastaria encontrar um político “hábil”, ou seja, um mentiroso sem escrúpulos como Sócrates, e como políticos mentirosos e sem escrúpulos é o que não falta no PSD, a tempestade estaria próxima do fim.

Não querendo estragar a festa laranja (até porque o próprio partido se encarrega de o fazer), devo dizer que esta ideia de que a total descredibilização do PSD facilita a tarefa do PS é uma ideia profundamente errónea. Aliás, a derrota de Ferreira Leite parece-me ser precisamente uma prova disso. Ao contrário do que o PSD parece pensar, e do consenso generalizado da “inteligência” pátria, quanto mais apodrecido o Governo estiver, mais difícil será pô-lo no lixo.

Em primeiro lugar, porque nem a total describilização é suficiente para o Primeiro-Ministro deixar de se agarrar ao poder como eu gostaria de me agarrar a uma adolescente de qualidade estética superlativa (ou alguém capaz de disparar um bom insulto. Cheguei ao ponto em que já me contento com pouco). Como toda a sua história de vida demonstra, o cheiro de matéria fecal manifestamente não incomoda José Sócrates, que, como o outro senhor de The Wire prefere “to live in shit than to be seen to work a shovel”. Por muito que o seu regime apodreça, Sócrates nunca abdicará livremente do trono que ocupa, e de lá só poderá ser arrancado “à bomba”. “Bomba” essa que o Presidente da República, um senhor reconhecidamente pacífico, não quer largar, e longe vai o tempo (esperemos nós) em que os militares se entregavam a essas actividades. A única “bomba” que poderá ser usada será a dos eleitores nas urnas, mas temo que, quanto mais necessária ela se torne, menor seja a probabilidade deles estarem dispostos ao trabalho de a lançar.

antes das eleições de Setembro passado o escrevi: é precisamente o facto de vivermos num clima de “fim de regime” do PS que tornará as coisas mais difíceis para o PSD. Em primeiro lugar, a violência e degradação do debate “excita” os “fiéis”, que por muito desagradados que possam estar com Sócrates, não gostam de ver “um dos seus” ser atacado por “eles”. A podridão do regime fidelizará o PS, que tenderá, até à última hora, a proteger Sócrates como se de uma criança indefesa se tratasse (depois da última hora, a canção será outra).

Em segundo lugar, a demagogia reinante favorece os partidos de protesto, mas pequenos, o que estranhamente, acaba por favorecer o PS. O ódio a Sócrates não se traduz forçosamente no voto no PSD, podendo mais facilmente deslocar-se para o CDS ou até para o BE, partidos dados à berraria que faz o gosto do povo. É difícil a um partido que quer ser governo fazer oposição num ambiente político degradado, porque aquilo que pode motivar a conquista de votos (essa mesma degradação do regime do momento) é também aquilo que faz com que as pessoas tenham uma maior predisposição para votar em quem faz barulho, só por fazerem barulho. A degradação do Governo do PS acaba por retirar votos, não apenas ao PS, mas também ao PSD.

Até porque a podridão do Governo, arrastando consigo a desconfiança dos eleitores, traz também uma desconfiança não apenas em relação ao Governo, mas em relação à alternativa. Um Governo que mente, que manipula, que esconde e que parece corromper e estar corrompido, faz com que os eleitores, muito sabiamente, desconfiem de todo e qualquer político que lhes peça a sua confiança. Porquê confiar “nestes”, só porque nos dizem que vão ser diferentes? Os “outros” disseram “o mesmo”, e “foi o que se viu”. A desconfiança dos eleitores em relação a este Governo transforma-se, muito rapidamente, numa descrença na palavra de toda a classe política. Quanto pior o PS for, quanto mais degradado o Governo estiver, mais agreste será o clima político para aqueles que queiram promover uma alteração do estado das coisas (deixemos de lado a “mudança” obâmica, ela própria um produto e causa da podridão). Quanto menos as pessoas acreditarem no PS, menos acreditarão na possibilidade de “os outros” serem diferentes. Por muito que me custe, temo que o “próximo Primeiro-Ministro de Portugal” seja precisamente o que lá está hoje.

Anúncios

10 pensamentos sobre “Quanto mais apodrecido estiver o Governo, mais difícil será pô-lo no lixo

  1. JMG

    Curiosa tese: Um governo mau é normalmente punido nas urnas; mas se além de mau for mentiroso e corrupto o eleitorado conserva-o porque o odioso comunica-se à oposição, por uma espécie de osmose. Suponho que nesta equação não entra a oposição, que fica infectada faça o que fizer. E não entra o Povo, que é incapaz de qualquer discriminação que não seja primária. Ainda bem que não sou intelectual, senão o meu mundo era demasiado subtil e complicado.

  2. Bruno Alves

    Eu próprio lamento regularmente a minha superior inteligência. Se fosse burrinho certamente teria menos angústias. O caro JMG apenas veio confirmar o que já há muito pensava.

    E por acaso, eu não disse que um governo mau é punido nas urnas. Não tenho especial confiança no povo para achar que os eleitores têm a capacidade de julgar sabiamente. Aliás, não tenho essa confiança em relação a ninguém, a começar por mim, apesar dessa minha superior inteligência.

  3. José Barros

    Não concordo com a tese de que, quanto mais descredibilizado estiver o governo, pior fica a oposição, descredibilizada por contágio.

    Isso depende, “la palissemente” do tipo de oposição que for feito. Ferreira, Leite, se o tiver sido de todo, só marginalmente terá sido prejudicada por isso, o que, aliás, a ter acontecido, terá de ser creditada à própria porque incluiu nas listas de deputados os nomes de dois arguidos em processos crime. Se o não tivesse feito, nem sequer se poderia falar nisso como motivo da derrota.

    Penso que o problema: neste momento os dez milhões de portugueses têm medo de um governo de direita que assalte os “direitos adquiridos” e agrave a sua situação no imediato.

    Essa foi a razão pela qual Ferreira Leite – como fama de “dura”, merecida ou imerecida – perdeu as últimas eleições e pela qual o mesmo destino ameaçará inevitavelmente qualquer candidato do PSD no futuro imediato, isto é, antes de 2013. Pode isto mudar?

    Sim, por razões evidentes: é a partir de agora que os eleitores sentirão na pele os efeitos de anos de socialismo. E só depois de o sentir bem na pele é que perceberá que têm de mudar de vida. Procurar antecipar eleições antecipadas, antes de os eleitores ganharem essa consciência – o que repito pressupôe passarem pela experiência de ficar sem subsídio de desemprego ou terem os salários congelados ou até reduzidos durante uns anos – seria um erro político colossal do PSD.

  4. Luis

    Excelente post. Quem lida diariamente com o «povão» sabe melhor do que ninguém por qual razão será muito difícil ao PSD vencer eleições.

  5. Muito bem Bruno,

    José Barros acho que anda demasiada gente em negação. Basta prestar atenção às sondagens, É inacreditável, mas é assim mesmo e quando mais podre isto estiver pior.

  6. JMG

    Sabe, Bruno Alves, estou aqui assim com um pé no ar: discordei do seu post e concordo com a sua resposta. É que só em pequena parte infirmou o que eu tinha dito. Para mim, como aparentemente aí para José Barros, o socialismo acaba (se não evoluir para um caudilhismo sul-americano ou outra coisa esquerdista mais carregada ainda) quando a maioria dos dependentes do Estado constatar que a fonte secou e que por isso não ganha nada em apostar no mesmo cavalo.

  7. JMG

    Helder, não compro isso que diz. Mas não tenho certezas de nada, senão que alguma coisa terá que mudar, o mais tardar em 2013. Porque os credores ainda podem achar que o nosso risco vale a pena, até porque estão entretidos com a Grécia e já têm problemas que cheguem. Mas em algum momento ou alguma porta se fecha e se vê que o rei vai nu ou o preço dos empréstimos acaba de sufocar o país. Se o tabaco não der cabo de mim entretanto, vou estar cá. Não sei se não teria sido melhor emigrar quando tive oportunidade.

  8. Pável Rodrigues

    Já começa a parecer fastidioso dar ênfase aos sucessivos casos de corrupção e desvario económico que ilustram diariamente a vida política/financeira do nosso país.
    Mas cá para mim, a roubalheira deve-se mais ao feitio dos portugueses do que aos defeitos dos políticos!
    E olhem que na minha modesta opinião o pior está para acontecer:
    – O manel bard(ina) – Presidente.
    – O novo/velho Passos Coelho – 1º Ministro!
    Acreditem que ainda vamos ter saudades do socretismo…

  9. ricardo saramago

    Os portugueses já não votam maioritáriamente no eng. e mesmo a minoria que o tem feito (30% de 60% de votantes = 20%)sabe instintivamente que o país está encostado à parede.
    A questão é que pouco podem fazer individualmente e preferem não encarar a realidade.
    Com a mesma irresponsabilidade com que aderiu entusiásticamente a este regime que prometeu tudo a toda a gente a troco de nada, agora sem escapatória, a população mete a cabeça na areia e refugia-se numa esperança sem fundamento de que “entre mortos e feridos alguém há-de escapar”.
    Assim cada um, com desespero, procura manter o seu pedaço enquanto puder e depois logo se vê.
    Daí que enquanto não se sentir na pele, no dia a dia, que a festa terminou, não adianta vir falar da verdadeira situação do país porque ninguém quer ouvir.
    É como vir num domingo à tarde a casa de alguém falar que amanhã é segunda feira…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.