Líder da JP defende voto contra e critica “aumento de impostos”

No Diário de Notícias

O líder da JP, Michael Seufert, deputado, afirmou à Lusa que vai defender na reunião que a bancada assuma uma posição contra o PEC, por considerar que as propostas nele contidas “são más demais”, a começar pela “quebra da promessa de não aumentar impostos”.

“O primeiro ministro faz a incrível pirueta mental de considerar que a redução dos benefícios fiscais não é um aumento de impostos”, sublinhou, em comunicado.

O Governo, disse, “não só quebra a promessa de não subir impostos, como deita por terra o TGV que há meses era indispensável para combater a crise”, ironizou o deputado.

“Não há uma única medida estrutural e a única redução de despesa imediata é feita no TGV, o que se aplaude, não se compreendendo porque insiste o governo na linha Madrid-Lisboa que serve a região mais rica de Portugal”, acrescentou.

Em nome da JP, o deputado defendeu que “o problema do défice tem que ser atacado pela despesa pública” e não pelo aumento da receita dos impostos.

“O estado não pode continuar a gastar sistematicamente mais do que aquilo que ganha, nem pode continuar a cobrar cerca de metade da riqueza gerada em Portugal”, disse.

9 pensamentos sobre “Líder da JP defende voto contra e critica “aumento de impostos”

  1. José Barros

    Grande Micha!:)

    Ps: Cheira-me, porém, que a bancada assina o PEC de cruz a troco de lentilhas, leia-se, subsídios à lavoura ou algo do género.

  2. Como é evidente nenhum partido da oposição à direita do PS, irá chumbar o PEC, se isso tiver como consequência a queda do governo e convocação de novas eleições. Em novas eleições, CDS ou PSD iriam defender maiores cortes na despesa? Pois, era o que deviam fazer, mas com isso arriscavam-se a ser estrondosamente derrotados nas urnas.

    O que passou com o OGE foi que o foi. Agora, será mais do mesmo.

  3. Será que lhe estão a crescer tomates finalmente? Boa! Veremos é se tem coragem para votar contra o seu partido se este se decidir pela abstenção (ou aprovar o PEC). Mas aí provavelmente seguirá o rebanho. Já deu para ver que não é nenhum Ron Paul: não tem coragem para ser a ovelha negra do parlamento, estragando assim a sua promissora carreira de político.

  4. O PEC já determinou. O equilíbrio das contas do Estado vai ser concretizado à custa da classe média, principalmente das famílias (clássicas, com filhos).

    A redução dos benefícios fiscais não é, por si só, uma má medida. Um sistema fiscal ideal não incluiria qualquer benefício.

    O problema reside no facto do sistema português estar longe do ideal pelo que a medida tomada sobre os benefícios acabar por ser (outra vez) uma medida contra aquelas que produzem e que asseguram (com filhos) as gerações futuras.

    Desta forma, aumentando a carga fiscal sobre aqueles extractos sociais, o Estado mantém a sua (desproporcional) despesa, criada, em grande parte pelos benefícios sociais concedidos a uma parte da população portuguesa, cada vez maior, que pouco ou nada produz.

    Desta forma, aproxima cada vez mais o nível de rendimento dos que nada produzem ao dos que produzem. O que leva cada vez mais portugueses a se questionarem sobre de que lado estarão melhor e, no passo seguinte, a decidirem pelo lado que aumentará o problema português: haver cada vez menos riqueza produzida.

    O corte nos benefícios fiscais cairá como uma bomba no grupo de famílias que trabalham para sustentar e educar os seus filhos. Que somam despesas de educação e saúde e que deixam de poder deduzi-las no IRS pago.

    A solução seria simples e até poderia ser acompanhada pelo fim total dos benefícios fiscais: a introdução no coeficiente conjugal de valores respeitantes aos dependentes do agregado. Por exemplo, 0.5 para o primeiro filho, 0.4 para o segundo e assim sucessivamente.

    Desta forma, estaríamos a precaver o futuro, a defender a família e a agir efectivamente sobre as variáveis que actuam sobre as taxas de natalidade. Cuja evolução precisa de ser invertida para assegurarmos Portugal. No futuro.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.