re: Sobre o acordo PS-CDS

O André Abrantes Amaral apresenta, um pouco mais abaixo, uma interessante análise política sobre as negociações entre o Governo e o CDS para efeitos de viabilização do Orçamento de Estado, na qual, em síntese, aponta ao CDS não só a responsabilidade por fazer perdurar a política orçamental deste Governo como igualmente a de não dar o devido retorno aos votos alcançados.

Discordo desta análise por um conjunto vasto de razões a que só valerá a pena voltar quando forem conhecidos os resultados dessas negociações. Por agora destaco apenas aquele que me parece ser o vício original da análise do André, que é o de partir de uma realidade ficcional.

O PSD não só não se apresentou distinto do PS na campanha e nas eleições como, igualmente, nesta discussão orçamental, não conseguiu ainda alinhar uma política de verdadeira ruptura com a política orçamental que tem vindo a ser seguida em Portugal. Se isso estivesse a acontecer, as negociações entre o CDS e o Governo, fossem elas quais fossem, seriam um entrave a essa ruptura. Com razão, Aguiar Branco estaria a dizer aos portugueses que o CDS estava a impedir a mudança de paradigma e a reforma das políticas e a investir no reforço do socialismo. No entanto, como sabemos, Aguiar Branco apenas se veio queixar de ser com o CDS e não com o PSD que o Governo estava a negociar, não se lhe conhecendo (em coerência aliás com o que foi feito em camPanha) uma palavra que seja sobre uma alternativa liberal à política orçamental de esquerda (apesar de o PSD ser também, porque sim e porque quer, de centro-esquerda).

Desta forma, e perante a ausência de uma alternativa orçamental de ruptura, a opção que o CDS tem neste momento (e logo veremos se dela fez bom uso ou não) está entre rentabilizar o seu caderno de encargos (é que, ao contrário do que sucedeu com o PSD, o eleitorado sabe muito bem quais as bandeiras pelas quais o CDS se bateu nas últimas eleições e pode ficar facilmente destrunfado se o PS o acusar de ter rejeitado as várias ofertas de satisfação do mesmo pelo Governo) ou recusar-se a negociar o Orçamento, deixando que outros partidos, como seja o PSD, apareçam a salvar a possibilidade de eleições antecipadas.

Esta opção de avançar com as negociações é claramente discutível politicamente, embora eu concorde com ela. Mas não assume, na minha opinião, os contornos traçados pelo André.

Anúncios

2 pensamentos sobre “re: Sobre o acordo PS-CDS

  1. Pingback: Casamento PS-PP « O Insurgente

  2. Pingback: Acordo PS-CDS e breves notas sobre o PSD « O Insurgente

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.