Até pode ser, mas não em Portugal

 

Twenty years after the fall of the Berlin Wall and as the Labour Party heads towards a likely election defeat, it is an ideal time to ask if leftwing ideas have any future.

On Wednesday 21st October 2009 The Spectator is hosting another political debate chaired by Andrew Neil, at the Royal Geographic Society, 1 Kensington Gore, London, SW7 2AR between 6:00pm – 8:30pm.

Como é habitual, a Europa está sempre um pouco mais à frente.

Anúncios

6 thoughts on “Até pode ser, mas não em Portugal

  1. lucklucky

    Cuba gives ‘socialism lite’ a try as recession deepens

    “…As the Cuban government struggles through a deep recession, its leaders have begun picking away at socialism in order to save it. But experts say the latest buzz by the Cuban government is simply another desperate fix to stem the slide of a failed economy that buckled long ago.

    Even one of Havana’s leading economists recently said Cuba’s economy needed to be turned upside down — “feet up.” So taxi drivers got private licenses, farmers now have their own plots of land and government workers have to pack their own lunches..”

    http://www.mcclatchydc.com/255/story/77132.html

  2. Carlos Duarte

    Claro que é exagerado. Também é preciso notar que o Spectator não é propriamente uma publicação isenta e foge um bocado para o “pasquim elitista” 😉

    O que existirá, concerteza, é uma redefinição de esquerda e direita, como aliás tem acontecido ao longo dos tempos.

  3. Esquerda e Direita são posições obtidas a partir de determinado ponto 0. Para poder aceitar considerar a social-democracia (PSD) no lado Direito, como aliás os próprios reclamam, diria que neste país não existe qualquer equilíbrio, está totalmente inclinado à esquerda.

  4. RBR

    Não é apenas em Portugal. É, como diria Ayn Rand, o triunfo do colectivismo. A verdade é que na Europa da União o estatismo está ao rubro, e não podemos exactamente dizer que existem Estados Mínimos – ou sequer pequenos – em qualquer país da Europa, dentro ou fora da União. Nos EUA não é muito diferente. E o estatismo não é certamente de direita. Se a direita é hoje tão estatista como a esquerda, que razão há para lhe chamar direita? Ou, se a direita é isto, talvez tenhamos de encontrar outro nome.

  5. filipeabrantes

    Não espanta, com a direita rendida às nacionalizações, ao moralismo legislativo, à roubalheira fiscal, não precisamos de esquerda.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.