Lógica Socrática

Sócrates não gosta nada da maledicência nem daqueles políticos que passam o tempo a criticar os outros. Tem-se queixado – pobre homem – dos seus opositores até à exaustão (nossa, claro).

Foi por isso que passou todo o debate com Manuela Ferreira Leite a criticar e maldizer as propostas reais ou inventadas do PSD em vez de enaltecer as suas concretizações (de quatro anos e meio) e propostas (para a próxima legislatura).

Vem na linha da lógica imbatível referida pelo Bruno.

12 pensamentos sobre “Lógica Socrática

  1. É mais que evidente que Sócrates venceu, mas com clareza, o debate com a D. Ferreira Leite. Em termos futebolísticos, a Ferreira Leite levou, pelo menos, 4-1. E Sócrates venceu o debate precisamente no espaço em que ela se pretende afirmar como intocável: o do carácter. Sócrates demonstrou, à saciedade, que a Dona tem falta de carácter: ele é a história da Madeira, ele é o TGV, ele é a questão da reforma do ensino, ele são as SCUTS, onde as suas posições se alteram conforme as conveniências. Tudo isso uma demonstração de falta de carácter.

    Pena é que Sócrates não tivesse aniquilado, como poderia ter feito, as propostas liberais da D.Ferreira Leite com um exemplo: o da Irlanda.

    A Irlanda é o exemplo claro de como a baixa excessiva dos impostos pode ser trágica para um país: face a um momento de catástrofe económica nacional, em que o investimento privado paralisou, o Estado, porque não tem receitas devido aos baixos impostos que manteve, não tem capacidade para ajudar os cidadãos e a economia. E, pior, vê-se forçado a aumentar os impostos num momento em que os deveria diminuir para ajudar a economia.

    O contrário disso é a Suécia, em que o elevado nível dos impostos permitiu manter a economia, nesta fase difícil, quase sem sobressaltos quando comparada com o resto da Europa.

    Mas talvez Sócrates não quisesse dar esse exemplo para não desagradar aos senhores do dinheiro.

    Outra questão já abordada no texto anterior do odisseus: a da liberdade de informação.

    Os canais televisivos que comentaram o debate foram todos de um facciosismo escandaloso. Quer na SIC, quer na TVI, todos, MAS TODOS os comentadores eram do centro e da direita. E, por isso, ou deram como resultado um empate, ou até, PASME-SE, a vitória no debate à Dona Ferreira Leite.

    Esta é a verdadeira liberdade de informação que a Dona defende.

    Mas é também um modo de avaliação do seu carácter.

    Um tipo que se diz Alta Autoridade para a Comunicação Social, e como tal está a ganhar o nosso dinheirinho, o que faz ele face a casos destes? Nada. O que fazem o PS e as outras forças de esquerda? Que se saiba, NADA.

  2. Cirilo Marinho

    Com o devido respeito, reproduzo um comentário do José Barros, escrito noutra discussão:

    “Sócrates saiu do debate com a convicção de que tinha perdido. Vai daí, resolveu criar um facto político: ia mudar todos os ministros. Hoje de manhã, deve ter reparado que essa frase assassina representava a confissão máxima do desastre que foi este governo. Entram os assessores no “dammage control”, tarde e a más horas. Não conseguem evitar nem a notícia, nem a humilhação pública e televisiva de todo uma equipa ministerial pelo seu primeiro-ministro.

    Sócrates também aqui revela o seu carácter. Nos debates, vê-se o homem a colher sozinho louros imaginários, socializando pela sua equipa os prejuízos; a formular listas intermináveis de medidinhas, acompanhadas de um “eu”, “eu”, “eu” no início das frases, como se os ministros sectoriais fossem meras marionetes ou cheerleaders; a demitir ministros em directo para a televisão como aconteceu com a ministra da educação. Quem assim trata os que lhe são próximos, bem demonstra como trata os que dele discordam.”

    É uma vergonha das mais descaradas este comportamento do ainda primeiro-ministro.
    Dou de barato que, por interesses próprios relevantes, 10 a 15% dos portugueses se predisponham a votar neste senhor.
    Mas pondero a hipótese de perder totalmente a esperança na evolução deste país caso venha a ter uma votação superior a 20%.
    Para encontar exemplos de tamanha falta de respeito para com os cidadãos, se calhar teremos de investigar em latitudes menos democráticas.

  3. Maria do Rosario Veiga

    Nao estou de acordo com os que dizem que Socrates ganhou o debate. Para fazer a minha analise registei o som do debte separadamente para Socrates e Manuela Ferreira Leite e depois ouvi outra vez um de cada vez. O RESULTADO e surpreendente: Socrates nao falou nem referiu uma unica ideia de governaçao e desenvolvimento para o pais e limitou-se a criticar o programam do PSD e os governos passados. A minha interpretaçao e que Socrates ja interiorizou a perda das eleiçoes para o PSD colocando o programa deste em destaque e em discussao pois omitiu qualquer referencia ao programa do PS para a proxima legislatura.
    Uma palavra vai para o papel da jrnalista que nao me pareceu imparcial nem equitativo: Clara de Sousa nao tentou tirar Socrates das trincheiras como fez varias vezes com Manuela. Estaria a jornalista intimidada, agindo com preconceito em relaçao a Manuela? O que facto que tambem ela se deixou arrastar pela etactica de Socrates – discutir so o PSD.
    Aqui fica a minha sugestao a SIC: emitam o audio do debate separadamente para Socrates e para Manuela Ferreira Leite, sem qualquer imagem, e verao como o resulatado e a percepçao do que se passou no debate e surprendente.

  4. Maria João Marques

    Henrique Doria, pois é, coitadinhos dos irlandeses, que tem um PIB per capita de cerca de 140% da média da UE. São uns desgraçados. Muito melhor estamos nós, com PIB per capita de 75% da média da UE e a pagar muitos impostos e a sermos tão mas oh tão ajudados pelo nosso governo.

    Deus meu, os disparates que se lêem por estes dias.

    Cirilo, mais de 20% vai ter, sem dúvida, mas com um bocadinho (nem se pede muito) de bom senso dos eleitores vai perder as legislativas.

    Núncio, pois, um estadista é aquilo que Sócrates nunca conseguiria ser. Esteve na presidência do PS no momento certo (para ele) e foi uma escolha de acaso: os eleitores queriam sobretudo penalizar PSL em 2005.

  5. “Dou de barato que, por interesses próprios relevantes, 10 a 15% dos portugueses se predisponham a votar neste senhor.
    Mas pondero a hipótese de perder totalmente a esperança na evolução deste país caso venha a ter uma votação superior a 20%.”

    Caro Cirilo

    Infelizmente são mais de 20% os que por interesse próprio relevante serão compelidos a votar “naquilo”.
    A minha esperança é que alguns se apercebam, que no seu próprio interesse é preciso que Portugal sobreviva, o que não acontecerá se “aquilo” se mantiver no poder.
    .

  6. Pingback: Sinais de desespero de Sócrates ? « O Insurgente

  7. DrStrangelove

    “pois é, coitadinhos dos irlandeses, que tem um PIB per capita de cerca de 140% da média da UE. São uns desgraçados. Muito melhor estamos nós, com PIB per capita de 75% da média da UE e a pagar muitos impostos e a sermos tão mas oh tão ajudados pelo nosso governo.”

    Previsões indicam que a Irlanda venha a ter uma contracção do PIB de Deus meu, 9% em 2009. Isto a acrescentar aos -2.3% que já teve em 2009.

    A Irlanda, que tinha em Agosto de 2008 uma taxa de desemprego de 6.3%, está agora nos 12.6%. Duplicar a taxa de desemprego é apenas um ano é obra!

    A Irlanda tem também a mais alta dívida externa, em percentagem do PIB, do mundo. Está em 811% do PIB. É obra!

    “Deus meu, os disparates que se lêem por estes dias.”

    Sem dúvida…

  8. DrStrangelove

    Correcção ao meu comentário anterior: onde se lê
    “Isto a acrescentar aos -2.3% que já teve em 2009.”
    deve obviamente ler-se:
    “Isto a acrescentar aos -2.3% que já teve em 2009.”

  9. Convém verificar que apesar do forte abalo, a economia irlandesa ainda vai ficar bem à frente da portuguesa. Infelizmente…
    Pode verificar aqui.

    Quanto ao desemprego, em Abril o FMI estimava para 2009/10 para Portugal e Irlanda as seguintes taxas de desemprego: 9.6/11 e 12/13. Convém não esquecer que para os mesmo anos temos taxas de crescimento bem melhores do que a Irlanda mas Não vamos ficar assim tão diferentes em desemprego. Infelizmente. Pode verificar aqui.

  10. Maria João Marques

    Como o Miguel já explicou, um país pode ter uma grande contracção do PIB e, mesmo assim, continuar bem melhor do que outro cuja contracção seja menor. Basta que o primeiro seja muito mais rico que o segundo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.