O bezerro dourado

(…) Modéstia, afinal, não houve nenhuma. Salvo pormenores “formais” (a “burocracia” na avaliação dos professores, por exemplo), o eng. Sócrates reconheceu um único “erro”: o parco apoio à “cultura”, na presunção convicta ou simulada de que um punhado de filmes e peças por subsidiar é fonte de angústia colectiva. De resto, desfiou a propaganda do costume: reformas (?), progresso científico (?), redenção do ensino (?), crescimento económico (?), criação de emprego (?), controlo das contas públicas (toldado pela malvada “crise internacional”, a maior dos últimos cem, mil ou dez mil anos, não me lembro), benefícios do investimento estatal, energias “renováveis”, Magalhães, etc.

No final, confessou-se assaz contente consigo e com a sua “mundividência”. Para o futuro, conta com o “país moderno”, que “quer andar para a frente” e que “não se deixa abater”. Não conta, presume-se, com a chusma de pessimistas retrógrados que não apreciam as maravilhas que o Governo faz por eles.

Embora embrulhada no tom intimista dos programas nocturnos de rádio, trata-se da lengalenga de sempre e do eng. Sócrates de sempre, um homem curiosamente obcecado com ele mesmo e curiosamente convencido da própria importância. Convém moderar as comparações com Guterres. O assustadiço Guterres fugiu ao perceber que percebêramos o buraco em que nos meteu. O eng. Sócrates nunca abdicaria voluntariamente do poder. No máximo, abdica da imagem com que o desempenhou durante quatro anos, trocando a velha arrogância (ou “firmeza”) pela dissimulação (ou “humildade”). (…)

O menino de ouro da Sic, por Alberto Gonçalves.

2 pensamentos sobre “O bezerro dourado

  1. lucklucky

    Esta também é muito boa:

    “Em compensação, parece dizê-lo a uma imensa quantidade de portugueses, que não evitam opiniões favoráveis ou desfavoráveis sobre a matéria como se o dinheiro do Real Madrid fosse deles. O mistério é que quando, no futebol ou no “interesse público” que calha, o Estado gasta o dinheiro que é de facto deles, muitos portugueses não têm opinião nenhuma. Nem, consequentemente, dinheiro nenhum.”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.