Anestesia

Infelizmente não acredito em mudanças sem dor, tirando, naturalmente, as pequenas adaptações de vamos fazendo de vez em quando. Sendo assim, e quando falamos como é que Portugal pode sair das crises em que se encontra (a actual e a que já vem de ’99) a resposta é fácil, com os caminhos apontados há já muito tempo e demasiadas vezes. Que precisamos de menos despesa pública, menos peso do Estado, menos impostos, mais Justiça, mais políticos mais sérios (o serem ou não licenciados é uma questão menor, desde que sem batota), uma reforma administrativa capaz e descentralizadora, verdadeiramente descentralizadora como o são as que não se limitam a criar mais centros de poder espalhados pelo país, uma reforma do poder político gradual que, gradualmente dê mais poder ao Parlamento e por aí fora numa lista tão infindável quanto cansativa de enumerar para quem já pisou e repisou estes assuntos.

Apesar de tudo isso, é preciso bater no fundo. Infelizmente, é assim mesmo. E porque a maioria dos portugueses ainda não bateu no fundo, nada vai mudar tão cedo. Muitos têm empregos precários, mas sustentados, privilégios caducos, mas mantidos, à força do hábito e da lei. Enquanto uma parte substancial da população portuguesa não perceber que o seu modo de vida não tem condições para continuar e não estiver disposta a prescindir do agora, para o depois. A renunciar hoje, para receber amanhã. A pensar mais nos filhos e na geração que vem depois, nada se vai fazer que não seja uma pequena anestesia para aliviar a dor. E sem dor, é como se sabe.

6 pensamentos sobre “Anestesia

  1. Pingback: Frases que gostava de ter escrito « Sub Lege Libertas

  2. lucklucky

    Por isso é que a dôr é importante em todo e qualquer sistema de governo e já agora em tudo. Qualquer sistema que a não deixe passar não tem sustentabilidade a longo prazo.

  3. Sem dúvida! Uma das grandes falhas da Economia mais “ortodoxa”, por exemplo, é ignorar o “factor dor” como correctivo e essencial à estabilidade a longo prazo do sistema. Sem dor, não corrigimos expectativas e preferências, por exemplo…

  4. “Enquanto uma parte substancial da população portuguesa não perceber que o seu modo de vida não tem condições para continuar e não estiver disposta a prescindir do agora, para o depois. A renunciar hoje, para receber amanhã. A pensar mais nos filhos e na geração que vem depois, nada se vai fazer que não seja uma pequena anestesia para aliviar a dor.”

    Caro André

    E porque não “dar o nome aos bois”?
    Quem é “essa parte substancial da população portuguesa” ?
    Se efectivamente acredita em que é preciso dor, então deixemo-nos de rodriguinhos e apontemos o dedo, custe o que custar, doa o que doer.
    Eu como contribuinte liquido para esta chafarica já estou farto de renuncia e dor.
    Estou mais virado para provocar dor do que sofrê-la.
    E esse é o sentimento que sinto à minha volta, entre as pessoas que efectivamente suportam esta m****.
    .

  5. Aproveitando isto que vi aqui

    http://www.citador.pt/pensar.php?op=10&refid=200903151700

    “As revoluções não são factos que se aplaudam ou que se condenem. Havia nisso o mesmo absurdo que em aplaudir ou condenar as evoluções do Sol. São factos fatais. Têm de vir. De cada vez que vêm é sinal de que o homem vai alcançar mais uma liberdade, mais um direito, mais uma felicidade. Decerto que os horrores da revolução são medonhos, decerto que tudo o que é vital nas sociedades, a família, o trabalho, a educação, sofrem dolorosamente com a passagem dessa trovoada humana. Mas as misérias que se sofrem com as opressões, com os maus regímens, com as tiranias, são maiores ainda. As mulheres assassinadas no estado de prenhez e esmagadas com pedras, quando foi da revolução de 93, é uma coisa horrível; mas as mulheres, as crianças, os velhos morrendo de frio e de fome, aos milhares nas ruas, nos Invernos de 80 a 86, por culpa do Estado, e dos tributos e das finanças perdidas, e da fome e da morte da agricultura, é pior ainda. As desgraças das revoluções são dolorosas fatalidades, as desgraças dos maus governos são dolorosas infâmias.

    Eça de Queirós, in ‘Distrito de Évora’

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.