Um bocadinho menos Horatio Caine, p.f.

«“criar no espírito dos magistrados e órgãos de polícia criminal (OPC) (…) dúvida séria” sobre se teria sido Carlos Cruz ou o alegado sósia a praticar os crimes que estavam a ser investigados» dá direito a um ano de prisão?

Provavelmente não estou a perceber bem a notícia. É certo que ali uma actuação pouco clara: Inês Serra Lopes é filha de um dos advogados de Carlos Cruz, e foi arranjar uma intermediária para fazer chegar as fotos ao processo, o que é no mínimo de duvidosa seriedade, mas escapa-se-me onde é que isto pode constituir matéria criminal.

Na verdade, não devem estar os investigadores dum crime sempre alerta para qualquer facto que possa pôr em causa a sua linha de investigação?

Parece que chamar a atenção para factos dessa natureza… dá prisão. Está tudo doido.

2 pensamentos sobre “Um bocadinho menos Horatio Caine, p.f.

  1. Na mesma ordem de ideias, e se ainda existir uma figura jurídica chamada “príncípio da proporcionalidade” (mesmo ou especialmente quando aplicado à determinação de penas a cumprir), então aqueles desgraçados não se safam com menos do que 300 anos. Cada.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.