Humanismo caviar

De todos os argumentos anti-liberais, o mais extraordinário – e nojento, também – é aquele que coloca no socialismo e na social-democracia o monopólio do “humanismo” e das “preocupações com os mais desfavorecidos”. Ser liberal, para o “humanista chic”, é não ter coração, é estar dominado pela “insensibilidade social”, é desconhecer os problemas do portuguesinho. Curiosamente, muitos destes “novos preocupados” são tipos abastados, cuja “preocupação social” se esgota na escrita blogosférica, não fazem a mínima ideia do que é o “país real”. A maioria dos Insurgentes que eu conheço vive mais próximo do país real e das suas dificuldades que todo estes “humanistas caviar”, que agora, em pânico, descobriram a compaixão e a preocupação pelos “coitadinhos”.

Anúncios

19 thoughts on “Humanismo caviar

  1. «A maioria dos Insurgentes que eu conheço vive mais próximo do país real e das suas dificuldades que todo estes “humanistas caviar”»

    O RAF conhece (pessoalmente) esses “humanistas caviar”?

  2. Caro MM,

    “O RAF conhece (pessoalmente) esses “humanistas caviar”?”

    Conheço os suficientes para escrever este post; ainda este fim-de-semana, tive que aturar alguns a chatear-me a molécula.

  3. A. R

    Conheço também alguns humanistas caviar. Têm várias casas e vários carros. Gozam 30 dias de férias fora. Não ajudam nada nem ninguém. Têm raiva a quem acham que tem mais que eles e desprezam os que têm menos. Alguns estão reformados com 49 anos.

  4. Nuno

    Não é que concorde ou discorde mas não faço a mínima ideia de quem ou do que é que está a falar exactamente- só percebi que hoje estava chateado e que tem um blogue.

  5. André Azevedo Alves

    “só percebi que hoje estava chateado e que tem um blogue.”

    E se não tivesse, o Nuno tinha ficado privado de uma hipótese de comentar.

  6. André Azevedo Alves

    “De todos os argumentos anti-liberais, o mais extraordinário – e nojento, também – é aquele que coloca no socialismo e na social-democracia o monopólio do “humanismo” e das “preocupações com os mais desfavorecidos”. Ser liberal, para o “humanista chic”, é não ter coração, é estar dominado pela “insensibilidade social”, é desconhecer os problemas do portuguesinho.”

    Salvo erro, creio que era o Prof. Arroja – noutros tempos – que se referia a esse tipo de argumentação socialista como o “monopólio do bom coração”. É verdadeiramente nojento, mas infelizmente é coisa que nõa falta por aí.

    Excelente post.

  7. o “monopólio do bom coração”.

    Por isso é que todos devíamos ler “O socialismo nunca existiu?” do Carlos Leone. Faz parte do mecanismo que leva a que seja sempre, inevitavelmente, absolutamente sempre, a esquerda socialista a definir as posições, as condições e as regras do confronto político. É como eles querem e não há mais conversa.

  8. Jether

    Esse post é simplesmente um ad hominem a quem diz aquilo. Se quem diz aquilo está errado, ninguém vai ficar sabendo com seu post, que não presta como transmissor de conhecimento. Teu post é meramente uma tentativa de vencer o debate sem precisar ter razão.

  9. Caro Nuno,

    “Não é que concorde ou discorde mas não faço a mínima ideia de quem ou do que é que está a falar exactamente- só percebi que hoje estava chateado e que tem um blogue.”

    Tem sorte, se de facto não é melgado por gente que, cheia de blasé e “seis-menos-um-quarto”, destila preocupações humanitárias na defesa do Estado, insinuando, ou afirmando mesmo, que quem defende o liberalismo, só quer “os ricos cada vez mais ricos, os pobres cada vez mais pobres”, é dogmático e “socialmente insensivel”, desconhecendo a realidade dos pobrezinhos.

  10. Ze do Pito

    Não é nojento, é a realidade.

    Pode é ser-se contra, e isso é um argumento válido.

    Agora dizer-se que o liberalismo tem preocupações sociais só por:

    1) brincadeira ou;
    2) desconhecimento ou;
    3) propaganda.

    Ou as três juntas, será o caso?

    Volto a dizer, pode ser-se contra e considero uma ideia válida, mas não inventem.

    Aliás a maneira como refere “portuguesinhos”…

  11. OLP

    Eu conheço também alguns que além de viverem como os ricos mais ricos ao contrarios dos pobres cada vez mais pobres, ainda tem a suprema desdita de promoverem “acções, projectos, iniciativas, concertos e até instituições” que não passam de caridadezinha financiada e paga pelos pobres mais pobres levados pelo “bom coração” desta gente.
    E do alto da sua magnanima bondade, investem só ela mesma, “a magnanima”,e nunca a bondade.
    Assim tal como lia noutro blogue esta gente pergunta do alto da montanha magnanima, ….”e você? qual é a sua intervençao cívica e social em prol dos mais pobres?”

  12. Caro Zé do Pipo,

    Eu acredito que uma sociedade liberal e livre promove – efectivamente – uma diminuição da pobreza. E a história prova que, não havendo sociedades inteiramente liberais, as que seguiram uma tradição liberal apresentam níveis muito interessantes de crescimento.

  13. Pingback: Humanismo Caviar (II) « O Insurgente

  14. jpt

    Caro RAF:

    Esse argumento é algo pobre e típico de quem acha que os “problemas sociais” se resolvem com caridade. Os problemas sociais resolvem.-se, nma perspectiva de alguém de esquerda, com políticas sociais, e é mais ou menos indiferente se eu gasto metade do meu ordenado em caviar, ou o ofereço aos “portuguesinhos”. A caridade não resolve nenhum problema social.

  15. Nuno

    “Tem sorte, se de facto não é melgado por gente que, cheia de blasé e “seis-menos-um-quarto”, destila preocupações humanitárias ”

    Mas quem ou o quê e onde?
    Assumo que esteja a falar do Bono Vox com o seus peditórios mediáticos e os seus 170 milhões em paraísos fiscais.

    É que nunca conheci alguém que fosse mais ou menos consensualmente considerado um humanista e que se gabasse de o ser ou que se apresentasse como tal. É um bocado contraditório praticar actos altruístas e revesti-los de mediatismo e auto-promoção, faz desconfiar.

    Fala de alguém em especial??

  16. O que me preocupa é que RAF – que não sei quem é, mas com quem concordo inteiramente – ou nunca tenha comido ou não goste de caviar.
    Humanismo caviar é Picasso e entourage.
    O Tavares caviar? Só se for de ovas de caranguejo sul-coreano.

  17. Pingback: O monopólio socialista do “humanismo” | OrdemLivre.org/blog

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s