1 ano de Médio Oriente – A motivação

(Aproveitando a silly season, inicio hoje uma pequena série de textos que descrevem algumas das impressões sobre o meu primeiro ano no Médio Oriente (Dubai), que se completará na próxima semana.)

Em Portugal vive-se num ciclo vicioso no mercado laboral. São colocadas restrições às empresas no mercado de trabalho com a desculpa de existir desequilíbrio de poder negocial de ambas as partes. Claro que essas imposições apenas contribuem para reduzir o número de empresas no mercado, aumentando a capacidade negocial das que se mantêm. Um novo ganho de poder negocial, justifica novas medidas que equilibrem o poder negocial. Mais uma vez essas medidas só acabam por retirar empresas do mercado e dar maior poder negocial às que se mantêm. Conseguimos assim chegar a um ponto em que qualquer pessoa que não queira ser funcionário público, se veja na difícil situação de nem ter grandes condições para estabelecer uma empresa, tal é o número de restrições, e ter uma tremenda falta de oportunidades no mercado de trabalho. Passado o obstáculo da entrada no mercado de trabalho, um outro obstáculo se apresenta: a carga fiscal. Somando o valor pago de IRS, com as contribuições para a segurança social de empregador e empregado, mais o IRC e IVA pagos sobre a mais-valias criadas pelos empregados, o estado deverá absorver em média mais de 60% do valor criado por um trabalhador privado. Não foi por isso com surpresa que recebi a proposta para fazer no Dubai o mesmo que fazia em Portugal, recebendo perto de 3 vezes mais. Num país em que não há IVA, IRS ou IRC e que todo o trabalhador está a um mês de ser despedido, as empresas podem distribuir mais dinheiro pelos seus trabalhadores e fazem-no efectivamente. A diferença é ainda maior se pensarmos em termos do nível de poupança. Para alguém que poupe 20% do seu salário todos os meses, duplicar o seu salário real, mantendo a mesma estrutura de custos, corresponde a sextuplicar as poupanças. Sextuplicar as poupanças corresponde a dividir por 6 o tempo de vida activa, ou multiplicar pelo mesmo valor o nível de vida no final desse período.

Expostos que estão os cálculos, por esta altura já terá ficado evidente o (principal) motivo que me trouxe ao Médio Oriente. Este motivo é o mesmo que traz centenas de europeus todos os dias: um salário mais elevado e livre de impostos.

6 pensamentos sobre “1 ano de Médio Oriente – A motivação

  1. JP Ribeiro

    O que você disse vai contra a ideologia (leia-se religião) dominante, pelo que é difícil de entender para um não iniciado.

    Só faltou uma informação (e um conselho de quem já passou por isso): Não caia na asneira de trazer o seu dinheiro para Portugal, e deixe-o ficar onde está.

  2. ferro

    todo esse dinheiro voltará a ser gasto na europa portanto não chega a ser uma fuga de capitais. Obviamente existem mais valias(culturais/sociais/civilizacionais) na europa que offshores como o dubai não conseguem reproduzir. é bom para ganhar dinheiro. para viver tenho as minhas reticencias.

  3. Carlos Guimarães Pinto

    Caro ferro,
    A questão nem está na fuga de capitais (se fizer as contas às mais valias que se deixam de criar, ela existe e de que maneira) A questão passa também pela fuga de cérebros. Felizmente para o país que no caso em questão o cérebro fugitivo é pequeno, mas acredite que também há grandes a fugir pelo mesmo motivo…

  4. Bom texto para alerta, para despertador, porque só com casos concretos se pode entender. Mas há quem não queira, como compreende.
    Tenho um primo que anda por aí, trabalha numa coisa de instalação de pipe-lines ou coisa assim. Ganha bem, claro. Só acha que o lugar não tem muitas atrações. Mas isso dependerá muito das pessoas também.

    Cá prega-se muito aquele discurso de que “o dinheiro não é tudo, o sucesso não é tudo”. Todos sabemos que é assim, mas esse discurso é próprio de derrotados, e derrota quem começa. É assim na maioria dos “serviços públicos”, é assim em muitas empresas, nas universidades, nas ruas.

    Desejo-lhe o maior sucesso.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.