Agora os camionistas

A propósito dos bloqueios de camionistas que hoje ocorrem por todo o país o governo avisa que tomará “todas as medidas que se imponham como necessárias à preservação dos direitos fundamentais dos trabalhadores e dos cidadãos em geral, e não pactuará com atitudes que sejam contrárias à Constituição, à lei ou aos fundamentos do Estado de Direito”.

Se for como no caso dos pescadores que bloquearam o acesso aos mercados, presumo que as “medidas” do governo serão mais subsídios. Se realmente pretender a “preservação dos direitos fundamentais” podem começar por identificar o representante da “associação de transportadores” que aos microfones da Antena 1 prometeu “represálias” a quem não aderir à greve.

11 pensamentos sobre “Agora os camionistas

  1. É a nomenklatura no seu melhor…

    Se são trabalhadores é greve
    Se são funcionários públicos ou professores é ponte
    Se são entidades patronais é lock-out…

    De facto é tempo de quem gera riqueza, que investe e cria oportunidades e emprego também protestar. Mais do que a greve dos pescadores (em que patrões e empregados estavam juntos) esta é uma greve justa, porque recai no direito à indignação, e não me venham com o facto de ser anti-liberal ou anti-qualquer coisa, até porque o mercado dos combustíveis é tudo menos liberal – só a AdC é que não o vê…

  2. Porque é que este greve (ou o que lhe queiramos chamar) é mais justa que a dos pescadores?

    Se é por “direito à indignação”, porque é que isso não se aplica aos pescadores?

  3. Confesso que, de momento, os outras aspectos me interessam pouco.

    Não quero saber se a greve é justa ou injusta. Quem quer fazer greve pode fazê-lo e não tem o direito de obrigar ou ameaçar quem não quer fazer

  4. Como os mais atentos já devem ter percebido o que se passa na guerra entre a ANTRAM e alguns camionistas tem claramente o dedo do PCP.

  5. Nunca disse que o “direito à indignação” não se aplicava aos pescadores… o uso da violência retirou-lhes razão (não legitimidade). Quantos mais sectores profissionais e/ou entidades profissionais começarem a contestar o estado das coisas, maior a possibilidade de alguma mudança, coisa que cai mal à direita e à esquerda neste país…

  6. Martins Rodrigues

    “Porque é que este greve (ou o que lhe queiramos chamar) é mais justa que a dos pescadores?

    Se é por “direito à indignação”, porque é que isso não se aplica aos pescadores?

    Comentário por Miguel Madeira — Junho 9, 2008 @ 10:37 am ”

    Meu caro, a questão é que se os camionistas param mesmo, então o País morre à fome. E depois é que não há mesmo pão, leite, combustíveis, porque tudo em Portugal é transportado por via rodoviária. Lisboa e Porto não vivem em autarcia, certo ?

    @Pedro Sá. Não me parece que o PCP tenha realmente muita influência entre os camionistas. A coisa é mais pragmática: a ANTRAM é dominada pelas grandes transportadoras (Luís Simões, Torrestir, Patinter) que têm as suas operações deslocalizas para Espanha e restante Europa e que apesar de, consequentemente, não serem muito afectadas pela greve, não querem obviamente ter os camiões parados. Quem está por trás desta greve são as pequenas transportadoras (5-50 camiões), que sentem mais na pele as variações dos combustíveis, e que já há bastantes anos reclamam um “gasóleo profissional”.

  7. “Meu caro, a questão é que se os camionistas param mesmo, então o País morre à fome. E depois é que não há mesmo pão, leite, combustíveis, porque tudo em Portugal é transportado por via rodoviária. Lisboa e Porto não vivem em autarcia, certo ?”

    E isso transforma a greve numa “greve justa”?

  8. Os actos inadmissíveis, primeiro dos pescadores e agora dos camionistas, lembrou-me um episódio de uma professora minha aquando de uma greve de alunos que acorrentaram a porta da universidade. Pelo facto de trabalhar com animais vivos era-lhe imperioso ir ao laboratório, pelo que o “piquete de greve” lhe exigiu o nome para figurar na sua “lista negra”, ao que a senhora, de origem britânica, respondeu: “I’d rather spit on you than give you my name”, pulando de seguida o portão.
    Esta foi, a meu ver, a atitude correcta para com gente que não respeita um estado de direito, ou tem a mínima consideração pela liberdade dos outros. Um “nojo” é o que se passa nas nossas estradas. Gente que se julga no direito de mandar parar os outros. Quem revestiu de autoridade estes senhores que de colete reflector mandam parar os camionistas com a complacência da polícia? O que interessa se só colabora quem quer? O que de facto não é verdade, pois os infractores sofrem as consequências com apedrejamento, agressão e ofensas. E se fosse? Que direito têm de parar seja quem for?
    Se tomássemos o exemplo da carismática professora e “cuspíssemos nesta gente”, talvez acabasse esta hipocrisia jornalística, política e policial.
    Fosse ao contrário, e alguém desmobilizasse os grevistas obrigando-os a trabalhar pela força e teríamos um sarilho a nível nacional, com os blocos, os sindicatos e os comunistas na proa. Mas esta gente só sabe exigir o direito à liberdade quando faz parte da sua agenda, ao contrário, nem um “piu”.

    Bem-haja!

  9. Pingback: O socialismo e o descalabro do Estado de Direito « O Insurgente

  10. Martins Rodrigues

    @Miguel
    “E isso transforma a greve numa “greve justa”?

    Eu nunca afirmei que é uma greve justa, nem esse foi o meu desiderato. Apenas alertei para o facto deste ser um problema incontornável, que ao contrário do dos pescadores, pode ter graves consequências no dia-a-dia de cada um de nós, pelo que não convém ser colocado no mesmo plano de análise. É que o peixe pode ser sempre transportado de Espanha para cá (apenas um exemplo…).
    Para além do facto de uma greve nunca ser justa e livre quando há muitos camionistas (caso pessoal: o meu próprio pai), que pelo facto dos patrões terem acatado as ordens da ANTRAM, estão a sujeitar-se às ameaças dos próprios colegas de profissão. 😉

  11. B4rgeld (não Blixa)

    “I’d rather spit on you than give you my name”

    A Ayn Rand como professora de Biologia. 🙂

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.