Quando o anti-anti-semitismo oficial é mesmo uma ameaça (2)

Estou, no essencial, de acordo com este post de Patrícia Lança mas continuo a considerar que faz sentido falar de algumas formas de anti-anti-semitismo como um problema quando as reacções ao anti-semitismo são completamente desproporcionais face às reacções ao anti-catolicismo, ao anti-americanismo ou a qualquer outra aversão irracional.

Acresce que, e embora não seja o caso deste lúcido post, o anti-anti-semitismo atinge por vezes um grau próximo da histeria que por sua vez facilita a aprovação de medidas legais gravemente limitadoras da liberdade de expressão e que devem ser combatidas sem hesitação.

Em resumo: de acordo quanto ao anti-semitismo mas sem que tal implique que algumas manifestações de anti-anti-semitismo não sejam também um problema.

Advertisements

0 thoughts on “Quando o anti-anti-semitismo oficial é mesmo uma ameaça (2)

  1. patricialanca

    Caro André, Coloco aqui o comentário nº 15 ao meu post com as “vinte considerações”. De facto, fiz uma numeração em vez de um artigo para ajudar os comentaristas. Não foi com a intenção de publicar algum manifesto. O que disse no meu comentário foi o seguinte:

    Pensei que tinha tornado claro a minha posição no comentário No.3, e também no post. É evidente que não,e alguns comentaristas não me entenderam.

    Primeiro: Foi o governo austriaco a penalizar “holocaust denial”. Uma atitude demagógica para tentar mascarar o facto que este país não sofreu o processo de denazificação que ocorreu na Alemanha e os ex-nazis continuaram a exercer as suas funções. Contínuo a achar que classificar de “anti-anti-semitismo” este tipo de actuação não seja muito útil ou clarificador. Demagógico, se quizerem. Se prosseguirmos no caminho dos “antis” julgo que acabamos num regresso vicioso que não leva à parte nenhuma. Assim eu própria podia ser classificada de “anti-anti-anti-sémita” e os que me criticam de “anti-anti-anti-anti-semitas”. Enfim, como se vê, este tipo de rótulo não ajuda e parece-me pouco rigoroso.

    Segundo, quanto ao histerismo de alguns que combatem o anti-semitismo, acho também que não podemos, nem devemos, pedir calma aos martirizados e os seus descendentes quando vejam resuscitar um monstro que devia estar morto e interrado.

    Terceiro, eu não sei o que será racismo anti-islámico. Para mim é um novo conceito, consagrado pelas locutoras ignorantes da TV. O Islão é uma religião e os seus fieis pertencem a todas as raças.
    Quem tem lido os meus textos ao longo dos últimos doze meses aqui e no site da Causa Liberal devia conhecer a minha posição sobre o Islão e que faço uma distinção clara entre o Islão e a facção radical do integrismo muçulmano. Escrevi sobre os quatro anos que passei num país muçulmano, a Argélia, onde trabalhei por e com argelinos. As únicas pessoas de quem não gostei nesse país eram os portugueses do PCP lá exilados que infernizaram a vida dos compatríotas. Mas evidentemente, essa atitude podia ser considerada por alguns de anti-portuguesismo.”

    Só um último ponto, já sugerido acima. A história nos ensina que o excesso de zelo em reverter situações políticas frequentemente encontram-se nos que têm culpas no cartório.
    Foi notório depois da libertação da França a actuação de alguns ex-colaboracionistas de caçar e punir selvaticamente as pobres raparigas acusadas de ter tido relações com os ocupantes. Nós cá constatámos o mesmíssimo fenómeno nos dias que se seguiram ao 25 de Abril de 74. Eu conheço pessoalmente cá na minha zona pessoas que, antes iam à missaa todos os dias, que correram para a sede local do PCP para se inscrever. A seguir tornaram-se os mais ferozes persguidores da “reacção”. Julgo que os elementos do governo austríaco e da Comissão da UE perseguem a sua política de “anti-anti-semitismo” por motivações semelhantes e para esconder a sua complacência com verdadeiros atropelos à liberdade cometidos pelos islamistas radicais.

  2. CN

    Podemos substituir anti-anti-semitismo por “caça-à-bruxa” porque o processo por vezes tem semelhanças.

    Depois temos sempre o assunto Israel versus Judaismo (existem ortodoxos com bons argumentos teológicos contra a criação de um Estado antes da vinda do seu Messias).

    depois,

    parece-me evidente que nem a sua criação foi positiva para a sua segurança como parece ter sido desperdiçada todo o capital de simpatia que obtiveram após a “WWII”.

    Em tom de piada, o sionismo parece mais uma conspiração anti-semita.

    Parece-me que Israel tem uma grande responsabilidade em conseguir a “pacificação”. Como processo de emigração e declaração de Estado é um precedente tendencialmente explosivo. A Europa que o diga.

    Assim, defender o judaismo do anti-semitismo é uma coisa. Defender Israel ou ser neutral, é uma questão de opinião e avaliação.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s