Multiculturalismo justicialista

Two Sudanese women have been sentenced to death by stoning for adultery after a trial in which they had no lawyer and which used Arabic, not their first language, the rights group Amnesty International said.
Sadia Idriss Fadul was sentenced on February 13 and Amouna Abdallah Daldoum on March 6 and their sentences could be carried out at any time, the London-based group said in a statement released late Monday.
North Sudan implements Shariah law.
“The women had no lawyer during their trial and were not able to defend themselves, as their first languages are those of their ethnic groups,” Amnesty said.
Both women are from non-Arab tribes but the proceedings were in Arabic and no interpreter was provided, Amnesty said. Their trial took place in central Al Gezira state.

No Gulf Times.

Anúncios

0 pensamentos sobre “Multiculturalismo justicialista

  1. A grande luta na Europa do séc. XXI: a Dignidade contra o Parasitismo
    «mini—spam»

    —» O Parasita Branco é um Parasita… mas… não é parvo!!!
    —» Os custos de renovação demográfica são elevadíssimos (exemplos: 1- o Estado alemão, desde Janeiro de 2007, está a dar 25 mil euros a cada mulher que tenha um filho; 2- até à idade adulta, são anos e mais anos com elevadíssimos custos em Saúde e Educação)… consequentemente… o Parasita Branco é INTOLERANTE para com a existência de Reservas Naturais de Povos Nativos… pois… a substituição populacional que está em curso na Europa deve ser considerada um «processo absolutamente natural», e não, um processo resultante da acção de um BANDO DE PARASITAS no Planeta.
    —» Nacionalizar imigrantes fica muitíssimo mais barato… pois se… fossem pagos os elevadíssimos custos de renovação demográfica… depois não existiria dinheiro para tantos carros novos, para tantas viagens, etc…

    —» Existem todas as condições para o SEPARATISMO (50%-50%) vingar na Europa!!!
    —» Será a luta entre:
    – a DIGNIDADE (uma minoria de europeus: aqueles que aceitam pagar os Custos de Renovação Demográfica);
    – e o PARASITISMO (a maioria dos europeus: aqueles que pretendem andar a curtir abundância de mão-de-obra servil, e a curtir a existência de alguém que pague as Pensões de Reforma…. sem pagar os Custos de Renovação Demográfica).

  2. Como o caso é relativo a várias culturas e a vários povos…com diferentes línguas, em que estão em causa hábitos de lapidação e face ao compreeensivo silêncio sobre o facto, penso estar o multiculturismo versão moderna e esquerdista bem aplicado.

  3. “Como o caso é relativo a várias culturas e a vários povos…com diferentes línguas, em que estão em causa hábitos de lapidação”

    Das duas uma: ou ambos os povos em questão praticam a lapidação, e nesse caso, a questão do multiculturalismo é irrelevante para a questão (já que, nesse ponto, só há uma cultura); ou então, um dos povos pratica a lapidação e outro não, e nesse caso o multiculturalismo não está bem aplicado, já que se está a tomar partido por uma “cultura” em detrimento de outra.

  4. Pela notícia, não dá para perceber se a etnia (não árabe) a que pertencem as infelizes mulheres tem como hábito lapidá-las, caso decidam ter sexo com alguem que não o marido. Ou chicoteadas no caso de serem solteiiras e decidirem o que fazer com o seu próprio sexo… É com a esta medieval lei sudanesa que o Miguel Madeira parece não se importar, que me incomoda. E que se aplica a cristãos, animistas e a árabes e por isso tão multicultural. Por mim, tomarei partido sempre. Denunciando estes casos, pois confesso que, obviamente por defeito meu, não os consigo compreender, desculpar nem aceitar. Algo que a esquerda moderna tão bem faz.

  5. “E que se aplica a cristãos, animistas e a árabes e por isso tão multicultural”

    Multicultural seria exactamente o contrário – haver uma lei própria para cada etnia.

  6. “É com a esta medieval lei sudanesa que o Miguel Madeira parece não se importar”

    E, aonde é que dos meus comentários o Rui Carmo concluiu se eu me incomodaria ou não?

  7. Multicultural é relativo a várias culturas, vários povos, etnias se quiser. No caso, apesar de coexistirirem culturas e hábitos diferentes, a lei sudanesa é a sharia. E que se aplica a cristãos, animistas e a árabes e por isso com uma aplicação tão multicultural.
    Quanto ao resto, é apenas uma conclusão minha que parte da ideia que está mais preocupado com o título e com o significado do conceito do multicularismo do que a prática árabe pré-medieval que está verdadeiramente em causa.

  8. “Quanto ao resto, é apenas uma conclusão minha que parte da ideia que está mais preocupado com o título e com o significado do conceito do multicularismo do que a prática árabe pré-medieval que está verdadeiramente em causa”

    Ou pode querer dizer que a única coisa que acho de criticar no post é o titulo e o conceito de “multiculturalismo”.

  9. essagora

    O Miguel Madeira está a desconversar.

    Multiculturalismo é, no Ocidente, aceitarmos acriticamente os usos e costumes de outras culturas, só porque são coisas lá deles. E aceitar mesmo que eles pratiquem esses mesmos usos e costumes quando emigram para outros países com cultura diversa.

    Daí que, para sermos multiculturais, teríamos que aceitar o mesmo julgamento, feito nos mesmos moldes, mesmo que fosse em Londres, Paris ou Lisboa.

    Percebeu porque é que o título leva “Multiculturalisno”?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.