O elo mais fraco

Domingo passado, a SIC transmitiu uma reportagem de estudantes que, para estudarem medicina foram para a República Checa. Como eles há muitos outros à procura do seu futuro fora daqui. O Estado tomou conta do país e obriga portugueses a sair de cá, caso queiram um futuro promissor. Em Portugal, os cidadãos tornaram-se o ‘elo mais fraco’. A porta da rua é a única saída.

8 pensamentos sobre “O elo mais fraco

  1. Captain Mission

    Verdade, verdadinha!

    E depois ainda ha quels que querem privatizar o ensino (quiça para aprendermos o ABC das empresas… ou sera o Ave Maria comercial???) para que assim mais gente tenha que ir estudar para o estrangeiro, pois sairia mais barato nesse entrangeiro… assim como um ensino de melhor qualidade… e o mais engraçado è o exmplo dado vir do sistema de ensino de um dos paises que pertencia ao EX- EIXO DO MAL:)!!!!

  2. pois esse país que pertencia ao EIXO DO MAL cobra nada mais que 8500€ por ANO de propinas aos alunos. E no nosso país 1000€ por ano ainda vão dando para as ocasionais manifestações de rua da estudantada.

    como vê, até os países que pertenciam ao EIXO DO MAL já avançaram mais na privatização do ensino que este nosso cantinho à beira mar plantado…

    o problema a que julgo que alude AAA é o facto de o Estado, manietado pela Ordem dos Médicos restringir muitíssimo (ao contrário dos outros cursos) o número de vagas

  3. A semelhança entre o totalitário “quem está mal, não se muda” e o mais moderno “quem está mal muda-se” não é de grau: é o Estado infernizar a vida dos cidadãos.

  4. Cristina Ribeiro

    Quem ambicione voos mais largos,e está capacitado para subir cada vez mais alto,está condenado,desde logo,a sair por essa porta;se possível-digo eu-para a terra dos “imperialistas”,onde as oportunidades para os que têm valor para se evidenciarem são mais que muitas.

  5. jmmoreira

    Um texto frontal e com (porta de) saída…. ainda que não a mais desejável. Mas ver no isto ainda pode dar…e por quanto tempo os elos mais fortes se aguentam…

  6. GC

    “como vê, até os países que pertenciam ao EIXO DO MAL já avançaram mais na privatização do ensino que este nosso cantinho à beira mar plantado…”

    O curso em questão foi criado no princípio da década de 90. Curiosamente decidiram que seria dado em inglês. Porquê? Para que os ingleses que também não conseguem entrar nas suas universidades tivessem um sítio acessível onde estudarem (proporcionalmente, a situação inglesa é bastante semelhante com a nossa). Depois começou a ser utilizado também por portugueses e até pelos que, ao fim de um ano nas faculdades francesas, são postos no olho da rua. Olho para o negócio 😉 Não foi propriamente preocupação com os alunos checos que quisessem ir para medicina.

    Quanto à Ordem dos Médicos, em 1998 as vagas eram cerca de 500 e em 2006 entraram 1347 (sem contar com as escolas militares, os regimes especiais, as mudanças de curso, os reingressos, as poucas vagas para licenciados), nota-se a pressão e a restrição das vagas… Considerando que cada um destes 1347 alunos custa perto de 10000 euros por ano aos cofres do Estado, não me parece que seja muito boa ideia abrir muitas mais vagas do que aquelas que sejam necessárias. Se o ensino superior fosse privatizado, aí seria outra conversa 😉

  7. Pingback: O Insurgente » Blog Archive » A virtude da paciência

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.