Sobre o empobrecimento do país

Esgotado até à exaustão o clamor da “espiral recessiva”, o novo arremesso é agora o do empobrecimento do país. A questão é, uma vez mais, abordada com a ligeireza que o discurso vago, demagogo e populista assim exige.

Para desmontar o argumento, façamos um pequeno exercício. Desconte-se a taxa de crescimento do endividamento externo líquido à taxa de crescimento do Produto Interno Bruto. Coincidentemente, o valor base da dívida externa em 1998 é muito próximo do valor base para o PIB em 1997 (DEL = 100.062 M€, PIB 101.146M€ a preços correntes), pelo que permite efectuar esta comparação directa. Admitindo que a maior parte do endividamento externo líquido é imediatamente injectado na economia doméstica (e não utilizado para arbitragem ou outras operações financeiras) sob a forma de consumo ou investimento, então é fácil perceber que uma parte muita significativa do crescimento económico dos últimos anos foi ilusória, apenas resultante do endividamento.

PIB sem divida externa

É fácil perceber porque assim o é. Quando nos endividamos e compramos uma casa, a nossa riqueza líquida continua exactamente igual. No activo entra um imóvel, no passivo entra um empréstimo e o balanço mantém-se inalterado. Embora, aparentemente, tenhamos mais, é puramente ilusório. Ao valor do imóvel desconta o pagamento do capital e dos juros, pelo que, excepto se o bem tiver tido um uso produtivo, a nossa riqueza é igual à do ponto de partida.

Assim sendo, não é sério falar de “empobrecimento do país” quando Portugal nunca foi, afinal, detentor da riqueza. Excepto, claro está, se tal endividamento tivesse uma produtividade marginal elevada. O que, olhando para as auto-estradas que arruinam a paisagem do país, não parece ser propriamente o caso.

About these ads

A Evolução do PIB Português em 2013

Dados hoje divulgados hoje pelo INE indicam um crescimento no quarto trimestre de 20123de 0,5% em relação ao terceiro trimestre do mesmo ano e de um 1,6% quando comparado com o mesmo trimestre de 2012 (a imagem abaixo sobre a evolução do PIB trimestral é retirada daqui).
PIB_Trimestre
Já no conjunto do ano, em 2013 registou-se uma queda do PIB de 1,4% em relação a 2012 (a imagem abaixo sobre a evolução do PIB anual é retirada daqui).
PIB_Anual

Economia Portuguesa Cresce 1,1% No Segundo Trimestre De 2013

Segundo o INE, a economia portuguesa no segundo trimestre de 2013 cresceu 1,1% em relação ao trimestre anterior. Comparando o segundo trimestre de 2013 com o mesmo trimestre de 2012, registou-se uma queda de 2%.

PIB_Q2

Para o mesmo trimestre, segundo o Eurostat, na União Europeia a 27 o crescimento foi de 0,3% (em relação ao trimestre anterior) e de -0,2% (em relação ao mesmo trimestre no ano anterior). Na Zona Euro o crescimento foi de 0,3% (em relação ao trimestre anterior) e de -0,7% (em relação ao mesmo trimestre no ano anterior).

Unlucky Number Seven

O press release conjunto da Comissão Europeia, Fundo Monetário Internacional e o Banco Central Europeu (aka ‘A Troika‘) relativo à sétima avaliação do programa de ajustamento pode ser encontrado aqui e aqui. Aguardamos pelo relatório final.

A apresentação de hoje do Vítor Gaspar encontra-se aqui.

Leitura complementar:

Nuvens Escuras no Horizonte

Hoje foram divulgados vários indicadores económicos importantes, em particular para nós o do crescimento do PIB português no quarto trimestre de 2012 assim como o do crescimento do PIB anual – sobre este tópico ver este post.

Relativamente ao crescimento do PIB, foram divulgados para além de Portugal, dados para o Japão, França, Itália, Alemanha e também para a Zona Euro e para a União Europeia. A tabela abaixo mostra estes indicadores juntamente com os dados dos Estados Unidos que já tinham sido revelados anteriormente.

DadosEconomicos14Fev2013

Como se pode observar, no quarto trimestre a evolução do PIB foi negativa em todos os casos com excepção dos Estados Unidos que mesmo assim viram a taxa anualizada de crescimento tornar-se negativa no quarto trimestre de 2012.

Relativamente a Portugal, a queda do PIB em 2012 foi de 3,2%, acima do valor previsto no Orçamento de Estado para 2013 que em Outubro de 2012 previa uma contracção do PIB de 3,0% para 2012.

Em termos históricos, e recorrendo a dados do Pordata até 2011 e do INE em 2012, pode-se verificar a evolução do crescimento do PIB em Portugal desde 2000.

Crescimento_PIB

A média de crescimento do PIB em Portugal nos anos contidos no gráfico (2000 a 2012) é de 0,47%. Se considerarmos apenas os últimos 10 anos (2003 a 2012) então esse valor de crescimento médio do PIB baixa para o valor negativo de -0,05%.

Juntando os números recentes do desemprego, das exportações assim como da conjuntura internacional referida acima, as perspectivas para Portugal não são neste momento muito animadoras.

Obamanomics: A Pior Recuperação Económica Desde a Segunda Guerra Mundial

A recuperação da economia da dos Estados Unidos da crise de 2008/2009 é já a pior recuperação desde a segunda guerra mundial. E isto tendo em conta a alteração das formas de cálculo de vários indicadores económicos com o objectivo de os fazer parecer melhor do que na realidade são – a este propósito consultar o site shadowstats.com.

O gráfico abaixo é retirado do Fed de St. Louis e compara  a evolução do PIB americano da crise actual com a média das crises desde a segunda guerra mundial.

GDP_GrowthÀ comparação da evolução do PIB podemos juntar a comparação da evolução do emprego no sector privado com outras crises que ocorreram no pós-guerra e que se encontra  no gráfico abaixo (retirado daqui).

PrivateJobs

Finalmente, se considerarmos a evolução da dívida pública americana que ocorreu no mesmo período e cujo valor já vai em 16,48 triliões de dólares o cenário fica bem pior. Forward, Obama?

usdebtlevel

China Vs América

O que gostaria de propor com este artigo era testar uma hipótese: a Liberdade Económica (WikiÍndice) é um dos mais importantes factores que determina a Produção Económica e, portanto, o Crescimento Económico.

Caso em Estudo: China Vs EUA

1. Vamos começar por apresentar o PIB Chinês:

Reparem no ponto onde começam as reformas económicas e onde a Economia dispara… (informações históricasgráfico mais recente;  Wikipedia).

Facto 1: A China disparou desde que adoptou uma Economia de Mercado. Ou mais explicitamente: ter crianças a trabalhar e não respeitar normas ambientais, sociais e de trabalho infantil – como regimes socialistas fazem habitualmente na prática – não ajudou a China a crescer. Mas quando liberalizaram a posse das quintas, o resultado foi este. Curioso…

2. Vejamos agora o crescimento Americano (com outras economias para comparação)

Um ritmo muito menor de crescimento que o Chinês (como aqui incluí menos anos, é útil ter a China neste gráfico para comparação realista), mas ainda assim um PIB muito superior com apenas uma fracção da população (300M em vez dos 1300M Chineses). Estranho?

Facto 2: A partir do momento em que a Administração Americana começou a nacionalizar a Economia, entrou-se numa estagnação duradoura que, ao contrário da Depressão de 1920-1921 se prolongou no tempo.

(informações oficiais BLSNúmeros deprimentes SSDiscussão SS-BLSComponentes da DívidaProd/Import de PetróleoOptimistasWikipedia)

3. EUA e China no mesmo gráfico (na “The Economist”, segundo o blog China Mike)

Facto 3: A China tem uma moeda em valorização e mesmo assim está a crescer ao ponto de se acreditar que vá ultrapassar os EUA como maior Economia mundial em menos de 10 anos.

4. De acordo com o Ranking da Heritage, Os EUA têm uma Liberdade Económica de 78 – 9º posto, com uma variação de -0,2% face ao ano anterior -, enquanto que a China tem uma liberdade económica de 52 – mas mais 1.0% que no ano anterior.

Facto 4: A China é muito menos Livre que os EUA, mas a Liberdade Económica Chinesa está a aumentar a bom ritmo enquanto que os EUA estão a regular e a nacionalizar sectores importantes da Economia a um ritmo forte que torna a economia Americana cada vez mais e mais parecida com a descrita em Atlas Shrugged.

 

Afirmações minhas, baseado nas evidências apresentadas anteriormente:

I – Ponto actual: Os EUA são mais produtivos – e logo mais ricos – porque são Economicamente mais Livres do que a China.

II – Variação: A sociedade que se está a “Socializar” – ou seja, a diminuir a Liberdade Económica – está a ter dificuldades económicas, enquanto a que sociedade que se está a Liberalizar está a crescer a bom ritmo.

III – Encontro: A China pode até atingir os EUA em termos de PIB, pois tem mais população. Mas como não me parece que atinja o mesmo nível de Liberdade Económica, creio que nunca atingirá o nível de PIB per capita dos Americanos. Ao crescimento actual seguirá um crescimento menor e a ritmos decrescentes, conforme descrito pela função de Verhulst.

Como diria Adam Smith:

“Little else is requisite to carry a state to the highest degree of opulence from the lowest barbarism but peace, easy taxes, and a tolerable administration of justice: all the rest being brought about by the natural course of things.”