Maria de Lurdes Rodrigues e a contratação de João Pedroso

MP pede condenação com pena suspensa de ex-ministra Maria de Lurdes Rodrigues

Nas alegações finais que decorrem, além da condenação com pena suspensa de Maria de Lurdes Rodrigues, o procurador do Ministério Público pediu também a condenação para o advogado João Pedroso e para João Silva Batista, ex-secretário-geral do Ministério da Educação.

Continuar a ler

A fome, a cultura e a comunicação social

A Helena Matos coloca uma questão muito pertinente: Haverá alguma criança devidamente alimentada em Portugal?

Temo que a resposta mediaticamente correcta seja não, pelo menos enquanto António Costa não tomar posse como Primeiro-Ministro de Portugal (as primárias no PS são, como se sabe, uma mera formalidade já que é impensável uma vitória de António José Seguro) .

É aliás pela alimentação das crianças portuguesa que é uma urgência nacional recriar o Ministério da Cultura.

Da um caso em que se merece uma cobertura de alcatrão e penas

Também venho aqui opinar sobre a gente maravilhosa e, sobretudo, liberal, a propósito das medidas verdes que o ministério do ambiente quer implementar. Em boa verdade nem vale a pena gozar com isto do ‘liberal’, porque Moreira da Silva era aquele senhor que nos congressos do PSD reagia indignado face às maldosas acusações ao PSD de que este seria um ‘partido liberal’ e, além disso, Moreira da Silva tem escrito na testa ‘sou um socialista retinto’ e só ainda não tinha reparado quem esteve muito distraído.

Não vale a pena gozar mais com esta gente, porque o José Meireles Graça já a cobriu do que merece: de ridículo (em dois takes). E os Andrés também já disseram coisas pertinentes.

Venho, por isso, apenas aludir aqui à dimensão da loucura desta gente que nos governa. E pego nos sacos de plástico e na taxa proposta de 0,10€ para cada saco.

Na minha empresa durante muito tempo comprámos sacos iguais àqueles usados nos supermercados à razão de centenas de milhar por ano. O custo dos sacos andava à volta de 1$00 – meio cêntimo de euro. Isto era o preço de venda das empresas que produzem estes produtos. O custo com cada saco era, evidentemente, inferior. Os supermercados – pequenos ou grandes – comprarão uma quantidade bastante maior em cada ano e este é o tipo de produto que o aumento da quantidade embaratece o custo individual. Assim, mesmo aceitando que preço destes sacos de supermercado aumentou consideravelmente (não faço ideia se foi assim), por cada saco as empresas de distribuição não pagarão mais de 1 cêntimo por saco. Again: o custo dos sacos para as empresas produtoras – e este custo evidentemente incorpora a quantidade de matérias primas usada na produção – será ainda inferior.

As empresas que cobram aos clientes cada saco costumam vendê-los por 5 cêntimos – o que é uma roubalheira mas só compra quem quer – e as outras que não cobram diretamente pelos sacos evidentemente incorporam esse custo no preço daquilo que vendem.

Como o estado – que de facto tem em Moreira da Silva um digno representante – nunca tem vergonha de ir além daquilo que é uma roubalheira nas empresas privadas, propõe uma taxa de 10 cêntimos para cada saco de plástico. Sim: temos um governo que propõe uma taxa sobre um produto que é mais de dez vezes o custo desse produto. Custo esse que, repito, inclui a porção de recursos usados na sua produção.

Além de só gente doida varrida propor uma taxa que é várias vezes o preço do produto taxado, há que ter em consideração que os sacos de supermercado são geralmente reutilizados como sacos para o caixote do lixo. (Eu, durante anos, usei-os também para vedar cheiros das fraldas das minhas crianças.) Pelo que se os consumidores deixassem de trazer sacos do supermercado, iriam comprar o mesmo número de sacos para colocar nos caixotes do lixo ou para fraldas ou para outra coisa qualquer, gastando-se assim o mesmo número de sacos e de matérias primas usadas para produzir sacos. A diferença é que os consumidores teriam de gastar mais dinheiro em sacos.

Por isso o estatista Moreira da Silva que não pretenda com esta medida qualquer benesse ambiental. Quer, como sempre, desviar custos dos consumidores para o estado. Resta-nos a esperança de que o CDS honre o voto de muitos, inviabilize estas maluquices ambientais e faça Moreira da Silva perceber que o melhor outlet para as suas ambições de justiceiro ambiental é criar num canto de sua casa um altar para rezar a Al Gore.

 

Porque no sábado à noite fui ver o Yves Saint Laurent

yslQue nem foi dos meus criadores preferidos (nada ultrapassa a estética anos 30 da Chanel ou as criações fabulosas do Tom Ford – que tem aquele dom raríssimo do toque de Midas: tudo o que cria é bom e belo, desde carteiras e perfumes ao cinema; acho que nem que se esforçasse criaria algo sem qualidade). Os anos insolentes de YSL foram antes do meu tempo e, de quando me lembro, o costureiro já estava demasiado institucionalizado. Mas YSL tinha, como eu, a mania de misturar cores fortes. Por isso, sempre que faço o mesmo (como hoje, que estou de jeans rosa schiaparelli, túnica roxa e casaco verde água), posso dizer que YSL foi o meu mentor.

(Além de que também gosto muito de Piet Mondrian.)

Em resumo

Caso ainda existissem dúvidas. O caso BES/GES/PT recorda-nos que os negócios em que a racionalidade económica é substituida por outra lógica, seja ela política ou “amiguista”, tem resultados desastrosos. Sejam eles no sector público ou privado.

Mais Do Que As Palavras, Venham Os Actos

AlbuquerqueSegundo Maria Luís Albuquerque, a despesa pública representou cerca de 49% do produto interno bruto (PIB) em 2013. Para a ministra, “este valor traduz um peso excessivo do Estado na economia”. Excessivo, sustentou, “porque não permite libertar recursos para o investimento privado, excessivo porque em 2011 conduziu a uma situação de bancarrota iminente e em 2014 [esse peso] é suportado por uma carga fiscal reconhecidamente elevada – uma carga fiscal ainda necessária para equilibrar as contas públicas, mas que não incentiva adequadamente o trabalho e o investimento privado”. Foi neste contexto que a ministra considerou a redução da despesa um “imperativo” que possa abrir caminho à descida da carga fiscal.

Subscrevo por inteiro o diagnóstico e o tratamento. Mas muito mais importante do que as palavras, são os actos.

Mais um grande momento no Parlamento Europeu

Segundo o recém eleito presidente do PE, Martin Schulz, o candidato nomeado pelo governo britânico para a Comissão Europeia poderá ser rejeitado pelo PE por não ser suficientemene euro-entusiasta. Ainda bem que não foi a sra Merkel a dizer isto. Caso contrário seria uma grave ingerência nas competências que ainda sobra aos govenos dos países-membros.

Por cá as alternativas que vão aparecendo são assutadoras. Mas a sua extrema eurofilia garante que dificilmente serão recusados pelos eurodeputados.

Ordem velha

REVISTA-ordem-nova

Dez anos antes da Revolução Francesa concretizava-se no novo mundo aquilo que vinha a ser teorizado no velho. Precede ao ensaio da beligerância os ensaios de uma formidável revolução intelectual. De um lado, os conservadores e tradicionalistas, passe a redundância, condignamente inspirados em Edmund Burke. Do outro, os radicais: os românticos contratistas, seguidores de Rousseau; os utilitaristas, guiados por Bentham e mais tarde pelos dois Mill; e, enaltecimento desnecessário, um dos percursores do individualismo, da lei natural, também contratista, John Locke, que inspirava então grandes pensadores como Voltaire, Hume, Smith. Todos eles emergidos do iluminismo europeu com algo em comum: a razão como método de teorização.

Principiava-se sem príncipe aquilo que Paine viria a escrever e descrever como a Idade da Razão. Aquele território, antecâmara de um projecto que havia de inspirar a humanidade, assistiu ao gladiar de duas destas correntes: de um lado, a ala conservadora, filiada nos Federalistas e encabeçada por Randolph, Calhoun e John Adams. Fazia fé na Providência enquanto instrumento de acção política, fazia fé nas tradições, destilação por vezes etílica de séculos de experiência, também ela por vezes ébria; e fazia fé na coroa britânica. Ou, não fazendo fé, não lhe fazia ré. Do outro, os republicanos, Jefferson aos ombros de Locke, Paine e Bacon; e percursor de Madison e Jackson. É necessário recuar vinte séculos até à República de Sócrates e Platão e à Política de Aristóteles, talvez com excepção da república clássica romana a que Cicero não fez jus e do calculismo político de Machiavelli, para encontrar período tão fértil quanto este. Vindicou-se Jefferson: quebrava-se de uma só assentada aquilo que Disraeli considerava ser o crux da acção política conservadora: coroa, aristocracia e igreja. Fecha-se uma janela, abre-se um mundo. Começava a emergir a verdadeira liberdade.

Posto isto, um pouco de estória moderna: a menina que gosta de sardinhas e o rapaz que afogava a Bélgica umas três vezes (falha as duas primeiras) para que a menina possa continuar a comer o peixe. A estória da menina das sardinhas é parte integrante de um texto que, crê o autor, em sentido literal de crença, figurar uma recensão crítica, crítica essa à minha réplica a Pacheco Pereira. Recuperando o original, porque o diabo está nos detalhes: o propósito era alertar que nem toda a direita tem de ser “patriota”, pelo menos na definição subjacente à de Pacheco Pereira, que é a de Portugal contra a Europa, Portugal contra a Alemanha, Portugal contra os mercados financeiros, Portugal contra a China porque produz mais barato e “rouba empregos” a portugueses de Portugal, a do Portugal proteccionista, a do Portugal habitada pelo português que compra português porque é de Portugal, porque o que é português é bom e o resto é mau. Enfim, a do Portugal defunto e definhado que de tão depauperado só tem as memórias das origens e os símbolos e os brasões como recordação e, no caso do autor, decoração. E de um ou dois velhos do Restelo a dar pálrea.

No sentido trôpego que Pacheco Pereira lhe deu, o patriotismo constitui a prerrogativa de que o proteccionismo, o isolacionismo e tudo o que aparente proteger um país é, de facto, para o seu bem. É aqui que discordamos. É contra o nosso interesse a imposição de medidas mercantilistas que protejam o mercado interno, como é também contra o nosso próprio interesse não cumprir o expediente orçamental que “a Alemanha nos impõe”. Tal como, aparentemente, a Corn Law protegia o Reino Unido, era contra o seu próprio interesse lei tão déspota e nefasta, não obstante a aparência de “patriótica”. Aqui, ser patriótico é não ser patriota. Nesses termos, declarei-me apatriota. Mas se ser patriota é apenas proteger o país do seu estado, e já agora dos outros patriotas, como gizou Paine, então sou um irredutível e incomensurável patriota.

Como se cruzam a estória e a história? A estória da menina das sardinhas é, para lá de tirado de um clube de leitura promovido pela Verlag Franz Eher Nachfolger, contra-ideário ao meu assumido libertarianismo, e perde-se no meio de iguais iguarias de retórica simples e muito pouco aristocrática: eu sou um tal de, quem quer que eu seja, que sou um poeta, viajado e ainda um poeta viajado, que nem Neruda a escrever cartas de apreço a Stalin a bordo do trans-siberiano. Sou da “Direita Angelina Jolie”. E sou-o porque estou do lado do racionalismo, em prol de Jefferson, do lado daqueles que renegam a coroa, a aristocracia, a providência e a tradição como forma de fazer política, embora respeite a liberdade religiosa e todas as monarquias parlamentares que assim o desejam ser. Não respeito todas as tradições mas respeito os indivíduos que as defendem. Porque descreio o nacionalismo e porque, mais grave de tudo, encontro no indivíduo e não na nação, no rei ou no roque a expressão mais bela deste universo, deste Deus, do outro ou de nenhum, seja o indivíduo português, francês ou marroquino. Porque para mim Edward Snowden é um herói e para Manuel Rezende um criminoso, um revoltoso de Ipiranga.

Esta direita que não é “Angelina Jolie” e este “patriotismo” conhecemos bem, e o autor ainda melhor. Está lá, na Ordem Nova, eternizado por Marcello Caetano: “é anti-moderno, anti-liberal, anti-democrático, anti-burguês e anti-bolchevista [valha-nos isto!]. É contra-revolucionário, reaccionário, católico, apostólico e romano, monárquico, intolerante e intransigente, insolidário com escritores, jornalistas e quaisquer profissionais das letras, das artes e da imprensa”. E, permitam-me acrescentar, é bafio, é velho e ultrapassado.

Termina o Manuel Rezende com a certeza que afogaria três vezes a Bélgica, o que confirma o meu temor inicial: para além de Estado e estatismos, esse patriotismo também conduz a despotismo. Sorte a nossa que em Waterloo tombou um deles. E creiamos e queiramos que muitos se erguerão, para além de mim, para impedir que um outro a quem as vestes não auguram bom presságio afundasse a Bélgica três vezes (pelo menos). A bem da Nação.

Misoginia e falta de juízo

O meu texto de hoje no Observador, sobre maravilhosos ditos e sentenças de juízes em casos de violações e de abusos sexuais a menores.

‘Hoje trago casos em que a realidade imita a ficção.

Parte da ficção vem dos livros de Nancy Mitford e de uma das suas personagens: Lord Alconleigh, fidalgo de província que servia como magistrado. O método usado para determinar a culpa dos supostos meliantes que lhe apresentavam era simples e tornava desnecessárias maçadas como provas, testemunhos, interrogatórios e contra-interrogatórios; bastava ponderar se o acusado tinha ou não cara de criminoso. A simetria facial e a forma mais ou menos ameaçadora das sobrancelhas sentenciavam a pena ou a absolvição.

Claro que, agora na realidade, nenhum juiz cai no exagero de determinar sentenças baseando-se nas feições dos acusados. Têm um método ainda mais infalível: decidem com base no sexo dos queixosos. Porque toda a gente sabe (ou, pelo menos, os juízes sabem): as mulheres são mentirosas. Capazes de inventar qualquer historieta alucinada para destruir a vida de um coitado do sexo masculino. De os levar à loucura, à aplicação de uns sopapos (que eles nem queriam) e, de seguida, ainda vão para os tribunais caluniar um homem.’

Vagas para o ensino superior público em 2014 e notas de acesso de 2013

A lista de vagas disponíveis para a primeira fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior público de 2014 e as notas dos últimos colocados em cada curso na primeira fase em 2013 podem ser consultadas aqui.

Para os interessados em Ciência Política e Relações Internacionais, aproveito, em causa própria, para publicitar a licenciatura em Ciência Política e Relações Internacionais do Instituto de Estudos Políticos da Universidade Catolica Portuguesa, em Lisboa.

O concurso aos cursos da UCP é local, pelo que a opção “Universidade Católica Portuguesa” não está incluída no concurso nacional, devendo a candidatura ser feita directamente junto da UCP.

Mais informações: Plano Curricular; Propinas; Bolsas de Mérito e Prémios; Candidaturas.

O Mundo Perfeito (ou algumas notas sobre o Mundial e o Tintin)

capitaine-haddock

O meu primeiro mundial foi o de 1982. Claro está que acordar para a bola a sério com Zico, Sócrates, Éder e Falcão, deixa mossa. Fiquei imensamente triste com a derrota frente à Itália e com os 3 golos que Rossi enfiou nas redes brasileiras. Aquilo não se fazia num mundo perfeito que ainda era o meu. Jogadores daquele calibre deviam ser respeitados. Não era deixar ganhar. Os adversários deviam lutar, mas depois, como que por artes mágicas, aceitar que não conseguiam vencer. É engraçado como hoje não lamento aquela derrota. As minhas recordações, caso o Brasil tivesse ganho à Itália, não seriam as que guardo agora. O luxo de ficar triste por algo que não tem importância, aquele momento único duma límpida e inofensiva desilusão é algo devo a Zico & Co. E também a Rossi, claro.

A partir desse momento fiquei viciado no Brasil, melhor, na selecção brasileira. Durante os mundiais, eu fecho os olhos à realidade e dou-me ao luxo, durante este período muito particular, e apenas nos jogos do Brasil, de ser criança. Há quem seja do Benfica, do Porto ou do Sporting durante um ano inteiro. Eu rendo-me de 4 em 4 anos para voltar a ser conscientemente ingénuo. Não ver o mundo como na verdade é, mas carregar baterias para a dura (e boa) realidade que vivemos todos os dias. É bom, por uns tempos, fingir que a vida se reduz a toques de mágica numa bola. Mesmo quando se perde por 7 a 1.

Vem isto ao caso, não só porque o Mundial acabou, mas no seguimento do post da Maria João sobre o Tintin. E também porque, quando o jogo em que a Alemanha deu 7 ao Brasil terminou, dei por mim a ler um álbum desenhado por Hergé. Já não sei qual; um qualquer, que qualquer um servia para o efeito. Vezes sem conta faço o mesmo: regresso à realidade de Tintin. Nesta, que existe apenas no nosso imaginário, há maldade, há enganos, mas há também a coragem, a lealdade, a franqueza e a consciência limpa de Tintin. Há o Capitão Haddock que se irrita porque é genuinamente humano. Se irrita em nosso nome. Por todas coisas que temos de aguentar sem abrir a boca, ele vocifera, gesticula e esvazia a nossa raiva.

Há cerca de uns três meses a esta parte que o meu filho de dois anos e meio tem pegado nos livros do Tintin. Começou por ver o primo mais velho em casa dos avós e, chegado a casa, pegou na nossa colecção. Ele não lê, mas vê os desenhos e pede-me que lhe conte as histórias, as pequenas histórias contidas dentro de cada aventura. Ri-se quando o Haddock se senta em cima de um crocodilo, pensando que é o tronco de uma árvore (O Templo do Sol); dos Dupondt quando, com pressa, caem do barco que ainda está a atracar (A Ilha Negra); da Bianca Castafiore e da rosa que ela dá a cheirar ao capitão e que tem uma vespa que lhe pica o nariz (as Jóias da Castafiore). Gosta especialmente do mergulho do Milu no rio para se limpar da lama da chuva (O Segredo do Licorne). E enquanto ele que vai conhecendo estas histórias, vai-se familiarizando com aquele mundo. O mundo perfeito. O mundo em que um rapaz, sendo leal, corajoso e franco, nos mostra um dos segredos da vida: que o nosso melhor crítico somos nós mesmos, não significando isso que possamos fazer o que nos apeteça, mas que enquanto fizermos o que está certo, estamos bem. Esse sentimento, é o mundo perfeito. O mundo perfeito que o meu filho começa a guardar com ele.

O Economista Insurgente, 101 perguntas incómodas sobre Portugal – Pergunta 62

O Economista Insurgente

Porque é que os patrões em Portugal são menos generosos com os salários do que no resto da Europa?

Todas as estatísticas apontam no mesmo sentido: Os salários em Portugal são bastante inferiores aos do resto da Europa. O que as estatísticas tipicamente não demonstram é a razão dos salários serem mais baixos. Serão os patrões menos generosos em Portugal do que noutros países? Se for esse o caso, porque é que tal acontece?

Para entender isto, é preciso primeiramente perceber o mecanismo da relação laboral. Um empregado, com o seu trabalho, acrescenta valor ao empregador. O empresário apenas contrata um trabalhador se antecipar que o lucro acrescido por esse trabalhador é superior ao seu salário. Em teoria, qualquer empresário contratará um trabalhador desde que lhe consiga pagar 1€ abaixo daquilo que o ele produz (na realidade o empresário tem dificuldades em avaliar exatamente quanto produz cada trabalhador). O valor que o trabalhador produz corresponde à sua produtividade e está diretamente ligado ao nível salarial. A resposta simples à questão é que os portugueses recebem menos porque produzem menos, ou seja, são menos produtivos.

Os leitores mais atentos apontarão para uma aparente falha nesta explicação: Os mesmos indivíduos que recebem salários baixos em Portugal, conseguem receber salários mais altos quando emigram para outras zonas do globo. Se os salários baixos se devessem exclusivamente à capacidade de trabalho dos indivíduos, eles receberiam o mesmo em qualquer país, o que não é o caso. Por outro lado, os portugueses que emigram não deixam instantaneamente de ser preguiçosos, passando a produzir tanto como os alemães ou os ingleses. Tal acontece porque a produtividade não depende exclusivamente da capacidade ou formação dos indivíduos, mas também de outro factor de produção: O capital. Quanto mais capital (máquinas, ferramentas, equipamento) existir numa economia, mais produtivos serão os seus trabalhadores. Uma costureira a coser vestidos à mão será bastante menos produtiva do que uma que utilize uma máquina de costura. Um motorista que conduza um grande autocarro conseguirá transportar mais pessoas (ou seja, ser mais produtivo) do que se apenas conduzir um autocarro pequeno. Mas a relação nem precisa de ser tão direta. Uma empregada de limpeza tem praticamente acesso às mesmas ferramentas de trabalho em qualquer parte do mundo, mas recebe mais nos países onde existe mais capital noutros sectores. Isto acontece porque limpar uma sala onde se produzem 10 mil camisolas por dia com máquinas de costura é mais valioso do que limpar o mesmo espaço físico em que se produzam 10 camisolas à mão. Ou seja, mesmo que o capital só aumente diretamente a produtividade de certas profissões, todos os restantes trabalhadores beneficiarão no seu salário com a existência desse capital.

Há ainda um segundo efeito: A capacidade negocial. Os salários de um trabalhador não estão apenas relacionados com a sua produtividade, mas também com a sua capacidade negocial. Numa economia em que existam poucos empregos disponíveis, um empresário pode recrutar trabalhadores por um salário abaixo da sua produtividade, porque o trabalhador não tem alternativa. Pelo contrário, num mercado de trabalho onde existam bastantes empresas à procura de trabalhadores, estes podem investigar quais aquelas que garantem melhores salários e recusar as ofertas mais baixas. Os atuais trabalhadores das empresas com salários mais baixos podem também optar por se despedir e procurar emprego na empresa ao lado, onde receberiam mais. Eventualmente, as empresas com as ofertas mais baixas acabarão sem empregados, sendo forçadas a aumentar os seus salários.

A razão para a diferença de salários entre Portugal e outros países deve-se portanto à escassez da oferta de empregos (que retira capacidade negocial aos trabalhadores) e ao facto de as empresas estarem descapitalizadas. A única forma de aumentar salários de forma sustentada é fomentar políticas que incentivem a acumulação de capital e, portanto, de empregos. Num país avesso à ideia de capital, onde a luta contra o “grande capital” ainda é bandeira de partidos políticos e sindicatos, tal será tarefa complicada.

in “O Economista insurgente”, Esfera dos Livros

Humor inconsciente

Pedro Bráz Teixeira sobre a proposta de reestruturação de Francisco Louçã et al.

Imagine-se também que o governo português apresentava esta proposta aos credores fixando um prazo, ainda assim curto, de 30 dias para chegar a acordo. Durante esse período, teríamos subidas vertiginosas das taxas de juro da dívida portuguesa, o colapso da bolsa, a começar pelas acções dos bancos, fuga generalizada de depósitos para o exterior ou para debaixo do colchão, levantamento em massa de certificados de aforro. A partir de dada altura, os bancos e o próprio Estado deixariam de poder fazer pagamentos. No meio deste caos, os autores do documento ainda conseguem a maior piada do texto (p. 69): “O país pode reestruturar a banca nacional sem necessitar da ajuda do BCE.”

O incompetente

pacheco_melo_pt_paginaSegundo o Financial Times, a parte da PT na fusão com a Oi passará de 39,6% para 25,6% devido à exposição à Rioforte. Ou seja, uma desvalorização da empresa de cerca de 35% (na realidade mais do que isso porque a nova empresa também vale menos agora). Luis Pacheco de Melo, CFO da Portugal Telecom que trabalhou 7 anos no BES antes de ser contratado, é responsável por uma perda de cerca de 40% de valor accionista. A perda de apenas uma fracção deste valor justificaria o despedimento, mas Pacheco de Melo mantém-se agarrado à cadeira. Das duas uma: ou a decisão não foi dele ou existem considerações para além da competência para o manter no cargo. Seja qual for a situação, se Pacheco de Melo não sair terá que sair Zeinal ou Granadeiro.

Nota adicional (por indicação do João Miranda): Um dos accionistas da PT é a Segurança Social Portuguesa que perdeu mais de 20 milhões de Euros no último mês à custa desta brincadeira. Se o estado tem feito bem em não se meter na situação do GES, como accionista da PT pedir-se-ia um pouco mais de atenção.

Os problemas com os aviões da TAP e a comunicação social

o “mamading” é que está a dar. Por Rui A.

Em vão procurei (e não encontrei), nos jornais diários “de referência”, de ontem e de hoje, notícias sobre o acidente ocorrido durante o vôo Lisboa-São Paulo, de sábado, da TAP. (…) Acerca do que terá originado a quase desintegração de um dos motores da aeronave, que poderia ter vitimado 260 pessoas, e as eventuais responsabilidades da transportadora aérea, nada. Deveremos, por isso, concluir que o jornalismo português de investigação anda por baixo? Nem por isso: para além da já referida profunda análise sobre o Bloco, o Público consegue redimir-se mais ainda trazendo-nos, na última página da edição de domingo, a empolgante notícia sobre o novo jogo da moda, o “mamading”, no qual os intervenientes trocam bebidas alcoólicas por sexo oral. Quem sabe a TAP o venha a acrescentar ao portfolio dos seus jogos virtuais nas viagens de longo curso. Isso sim seria notícia!

Leitura complementar: Problemas com os aviões da TAP.

Um começo auspicioso

Juncker calls for minimum wage in all EU countries

Jean-Claude Juncker to take the EU on the ‘attack’

Juncker elected: promises more social EU, more political commission

Juncker called for a binding energy efficiency target and more renewable energy across the 28-state bloc.

Europe should invest €300bn (£238bn) over the next three years to revive the economy and stimulate growth and jobs creation, says designated European Commission President Jean-Claude Juncker

No Fio da Navalha

O meu artigo no ‘i’ sobre a ecologia que serve para aumentar impostos.

Impostos Verdes

Em Janeiro o governo nomeou uma Comissão da Reforma da Fiscalidade Verde, que apresentou por estes dias 40 propostas de alterações ao sistema fiscal do país. E o que propõe a referida comissão?

Naturalmente, a subida de impostos e taxas. Entre estas salienta-se a criação de uma taxa de carbono, que aumentará o preço dos combustíveis entre 1% e 6,75%, um imposto de 10 cêntimos sobre o saco de plástico e uma taxa de 3 euros sobre os bilhetes de avião.

Se a ideia do imposto sobre os sacos de plástico ainda se pode explicar com vista à redução da sua utilização, já quanto à taxa do carbono e dos bilhetes de avião não creio que a ideia seja a diminuição do uso do automóvel e dos voos. Na verdade, tal teria sérias consequências económicas, o que seria prejudicial para o Estado, que é a única medida tida em conta pela maioria dos governantes.
Decisões deste género só se compreendem pela necessidade que os cofres públicos têm de dinheiro. Essa tem sido, há décadas, a principal preocupação dos governos: aumentar a receita para pagar a despesa. A diferença é que, se antes o nosso dinheiro servia para pagar obras públicas, agora limita-se a pagar dívida  pública.
O interessante nisto é o seguinte: da mesma maneira que os governos liquidaram, com capitalismo de Estado e pondo a política à frente da economia, a solvência do Estado social, vão também, com os impostos, dar cabo do discurso ecologista. É que não se aguenta tanta hipocrisia.

Liberdade, Igualidade e Solidariedade

Estão abertas as inscrições para os simpatizantes do PS participarem nas eleições internas do partido para escolherem o candidato a primeiro-ministro.

PrimariasPS

Além do grande dilema existencial que envolve a escolha entre Seguro e Costa que certamente fará os simpatizantes passarem muitas noites em claro, estes simpatizantes devem ainda concordar integralmente com a declaração de princípios do partido. Na linha de grandes filósofos e poetas, esta declaração rege-se pelos valores da liberdade, igualdade e solidariedade… se bem que quem os redigiu deveria explicar melhor o que significa igualdade (perante a lei? igualdade de oportunidades? igualdade de resultados?, outro?) e também deveria saber que solidariedade coerciva não é solidariedade; e que a coercão é incompatível com a liberdade.