Da série “os russos estão a ficar muito americanos” II

palywoodurss

Pallywood, versão russa.

Pro-Russian protester and Maidan mercenary in one skin: Russian propaganda makes epic blooper (video)

E como cereja em cima do bolo, um tweet esclarecedor de Sergey Lavrov, Ministro russo dos Negócios Estrangeiros.

Lavrov

Tubarões sobre o momento actual

Para quem acompanha o Shark Tank na Sic Radical, fica aqui um vídeo com eles num intervalo. Interessante saber o que eles pensam sobre o aumento do Estado (negativo), quão difícil é conseguir crédito nesta economia (muito, mesmo com potencial), o aumento da burocracia (enorme), quem merece apoio a construir o seu negócio (corporativistas vs pequenos empreendedores), quem cria valor (burocratas vs empreendedores), …
Pena o som, mas conteúdo muito interessante.

Programa da 27ª edição do Fórum da Liberdade

Aqui fica o programa da 27ª edição do Fórum da Liberdade, que se realizará nos próximos dias 7 e 8 de Abril, mais uma vez na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, no Brasil.

Integrarei com muito gosto o painel de encerramento, juntamente com Leandro Narloch e Jeffrey Tucker.

Pessoalmente, estou também bastante curioso para assistir ao painel imediatamente anterior, que reunirá Gustavo Franco, Andrew Schiff e Marcelo Rebelo de Sousa.

Continuar a ler

Palestrantes para a 27ª edição do Fórum da Liberdade

Aqui fica a lista actualizada dos palestrantes confirmados para a 27ª edição do Fórum da Liberdade, que se realizará nos próximos dias 7 e 8 de Abril, mais uma vez na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, no Brasil.

Já tendo tido oportunidade de assistir, considero o Fórum da Liberdade o mais impressionante evento deste tipo no mundo e será um prazer e uma honra participar este ano como palestrante.

Fórum da Liberdade – 26 anos de história

Jorge Coroado na CMTV sobre as equipas de Lisboa e os árbitros

Jorge Coroado, no programa “Liga Futre” da CM TV (via Reflexão Portista: A “fruta” de Lisboa):

“O Benfica, à semelhança daquilo que faziam a maioria, a generalidade dos clubes, ao receber as equipas de arbitragem, naquele tempo, cá em Lisboa, as equipas de Lisboa levavam as equipas de arbitragem para um estabelecimento nocturno muito conhecido. E uma equipa de arbitragem, chefiada por um árbitro francês muito conhecido, foi para esse estabelecimento e quando estava lá dentro o árbitro tinha uma senhora na mesa, a acompanhar a equipa de arbitragem…”

PDL-LIS

PDL-LIS“Um dia venho para aqui fazer um filme”, diz Diogo Lima, a meio do filme que realmente foi ali fazer. O “ali” são os Açores, é São Miguel, onde Lima nasceu e foi criado, e o filme é PDL-LIS, o documentário de 28 minutos que Lima, estudante de cinema em Lisboa de 20 anos, realizou em 2012 e disponibilizou online, a partir de hoje e até 21 de Abril, para quem quiser ver. E toda a gente deveria querer.

Lima, diz, não gosta dos Açores. É “mínimo”, “vêem-se as mesmas caras e os mesmos sítios todos os dias”, toda a gente o conhece, ninguém tem privacidade. “É difícil não ficar farto”. Por isso, ao contrário de alguns dos seus amigos (que aparecem no filme), foi-se embora. Mas “por mais que odeie aquela merda”, será “sempre”, diz, “a minha casa”. “Será sempre uma casa, um sítio onde eu posso voltar, e ter alguém lá”.

PDL-LIS foi feito, diz o site, para um “atelier de documentário” do curso de cinema do realizador. Em certo sentido, nota-se. O filme é feito com pouquíssimos meios, e tem um certo toque amador de quem estava a começar a aprender a fazer estas coisas. Mas até isso dá alguma alma ao filme. A dada altura, Lima atrapalha-se a dizer algo em voz-off. Atrapalha-se numa palavra qualquer, e a narração não sai como ele certamente queria que tivesse saído. O filme só ganha com isso. Dá a ideia que o que está a ser dito é genuíno, é sentido. E mesmo sem as legendas que um amigo de Lima lhe diz que ele tem de pôr no filme – pois caso contrário ninguém vai perceber o sotaque açoriano – qualquer pessoa – açoriano ou não açoriano – percebe o que está a ser dito. Açoriano ou não açoriano, todos temos uma avó ou avô que nos dizem que estamos com um ar cansado ou muito magros, um “primo pequeno” que se “torna um adolescente de voz rouca”, um pai que brinca com algo que dissemos, ou uma mãe que nos diz que o que estamos a dizer é o contrário do que na verdade sentimos. Açorianos ou não açorianos, todos nós, mais tarde ou mais cedo, chegaremos a uma altura em que percebemos que há sempre uma “distância que, por mais curta que seja, se sente”. “Afinal”, diz Lima na casa que o avô comprou em 1967, “o tempo passa aqui da mesma maneira que passa lá fora”. Depois de ver PDL-LIS, só espero que à medida que o tempo venha a passar, ele tenha oportunidade de fazer mais filmes.

Raquel Varela: uma investigadora sintomática

nicolau_santos_artur_baptista_da_silva

O JCD e o Rodrigo já comentaram (e bem) o caso, mas a enormidade dos disparates é de tal ordem que merece novo destaque e mais uma breve reflexão.

Entre a longa sequência de disparates, distorções e erros, destaco um que, pela sua natureza, deveria garantir um chumbo em qualquer cadeira de Introdução à Economia, Estatística, Metodologia, ou similar, de um primeiro ano de licenciatura:

“Se nós produzimos 100 e temos 130 para pagar, é óbvio que não é pagável.”

Que erros grosseiros como este passem sem qualquer reparo por parte dos jornalistas é lamentável, mas não surpreende, dada a falta de preparação e os enviesamentos ideológicos de grande parte dos profissionais da comunicação social.

O que é ainda mais sintomático é que a autora de erros absolutamente básicos e grosseiros como este seja investigadora do Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa, onde coordena o “Grupo de Estudos do Trabalho e dos Conflitos Sociais”.

Leitura complementar: Quem é Raquel Varela ?

Ángel Vivas, General sem medo

General Vivas no se entregó al régimen comunista

General venezuelano resiste a prisão pedida por Maduro

Um general da reserva venezuelana opositor ao chavismo resistiu neste domingo a um mandado de prisão com fuzil em punho em sua casa a leste de Caracas. Ángel Vivas é acusado por Nicolás Maduro de treinar manifestantes que erguem barricadas na cidade.

Continuar a ler

Fez-se história: exclusivo O Insurgente

A conversa de Paulo Fonseca com quem o escolheu. Sabe-se que questões sobre a fruta, o chocolatinho e as meias de leite não foram abordadas. Aproveito a oportunidade para reforçar o apoio, solidariedade e estima pela estrutura portista, na pessoa de Paulo Fonseca.

Adenda: O comunicado de Pinto da Costa sobre a questão de trânsito que está a incomodar os portistas e a estrutura que dirige o clube.

Leopoldo López detido na Venezuela

Leopoldo_Lopez_Venezuela

Leopoldo López se entrega a la Guardia Nacional Bolivariana en Chacaíto

El líder opositor venezolano Leopoldo López, se entregó a la Guardia Nacional Bolivariana luego de ofrecer un discurso ante cientos de miles de manifestantes que se concentraron en la Plaza Brión de Chacaíto.

Continuar a ler