Ramiro Marques sobre neomarxismo, multiculturalismo e educação

Reproduzo de seguida um texto enviado por Ramiro Marques:

A influência da ideologia do ódio ao homem branco e à cultura ocidental na educação pública

Ramiro Marques

O neomarxismo quer substituir o cânone cultural que venceu o crivo do tempo por um novo cânone centrada numa agenda política que visa a implantação do comunismo, usando um discurso camuflado de humanismo, igualdade e inclusão para atingir esse fim.

O pedagogo neomarxista Torres Santomé sintetiza bem esse novo cânone na afirmação: “Toda a pessoa educada tem que ser capaz de analisar, entre outras coisas, temas como 1) que perversões e injustiças geram os modos de produção capitalistas mais hegemónicos e as sociedades de economia neoliberal; 2) através de que meios se legitima uma determinada opção cultural dominante; 3) quais são os tipos dominantes de relação entre poder e conhecimento; 4) que capacidade têm as diferentes culturas para constituir modelos de boa sociedade baseadas no reconhecimento mútuo, sociedades nas quais reine uma verdadeira justiça distributiva e uma equitativa participação” (Fonte: Torres Santomé (2010) O Cavalo de Tróia da Cultura Escolar, Edições Pedago, pág.13).

Querem maior lavagem cerebral do que esta proposta de cânone? De uma penada, colocam-se fora das escolas, de preferência até fora das bibliotecas, todos os autores que não se encaixam nesta agenda. Continuar a ler

Nuvens negras

À excepção de António Costa, uns quantos oportunistas, e talvez um ou outro louco, não deve haver português que gostasse de estar no lugar de Pedro Passos Coelho. Até os mais ferozes críticos da política do seu governo reconhecerão que mesmo partindo para a empreitada com as melhores das intenções, ser Primeiro-Ministro deste país nas circunstâncias em que Passos foi incumbido de nos pastorear seria sempre uma muito pouco invejável tarefa: da gravidade do problema financeiro deixado pelo “engenheiro” José Sócrates e a urgência de o controlar, até aos obstáculos erigidos pelos inúmeros grupos de interesse sempre prontos a se oporem a toda e qualquer ameaça ao que outrora conquistaram, passando pela notória incapacidade ou falta de vontade dos mais variados membros Executivo para fazerem uma reforma que fosse mais que mera propaganda, tudo conspirava para que a vida do ocupante do Palácio de S. Bento no período legislativo de 2011-2015 fosse complicada.

Perante este deprimente quadro de dificuldades e complicações, não é de espantar que o Primeiro-Ministro se agarre aos mais insignificantes detalhes e os transforme em inigualáveis feitos de grandeza e heroicidade. E assim foi na passada quinta-feira, quando o Espírito do Passos Coelho Futuro (o da campanha eleitoral) resolveu assombrar os jantares natalícios dos seus conterrâneos com uma curta mensagem de Natal.

“Fechámos o programa de auxílio externo com uma saída limpa, sem precisar de assistência adicional”, regozijou-se o Primeiro-Ministro, esquecendo convenientemente não só que a troika desaconselhou essa “saída limpa”, como também que, no final, Portugal optou por não concluir o programa de assistência, prescindido da última tranche nele prevista após a declaração de inconstitucionalidade de algumas medidas necessárias à obtenção de objectivos orçamentais exigidos para o seu pagamento. Passos Coelho, no entanto, assegurou que a conclusão deste programa “não foi uma conquista insignificante”, e “ficará por muitos anos na nossa história”: “depois de tremendas dificuldades a que fomos sujeitos”, insiste, o país “reconquistou” a sua “autonomia”, e tem “em marcha um processo sólido de recuperação”, uma “nova fase” de “crescimento”, “aumento do emprego e de recuperação dos rendimentos das famílias”. “Podemos”, afirma Passos, “sentir cada vez mais confiança no futuro”.

Como seria de esperar, não faltou quem logo viesse acusar o líder do Governo de discursar sobre um país existente apenas na sua fértil imaginação. Poucos repararam como, a par deste exagero dos méritos dos seus trabalhos, o discurso de Passos Coelho acabava também por ser uma admissão do seu falhanço. Uma admissão involuntária, é certo, mas uma admissão na mesma: ao falar da carga de impostos e do “alívio fiscal” que supostamente “os portugueses” vão sentir, o Primeiro-Ministro disse também que “não podemos ir tão longe como gostaríamos”. Infelizmente, o Primeiro-Ministro não se alongou, mas é óbvio para qualquer um que, se o Governo não pode promover um “alívio” fiscal tão extenso como “gostaria”, é porque isso implicaria uma explosão dos valores do défice que minaria a credibilidade do Governo e deixaria o país numa muito frágil situação nos “mercados” de dívida pública. Como é também óbvio para qualquer um que essa explosão do défice que resultaria de uma hipotética descida dos impostos só aconteceria porque houve uma bem real relutância ou falta de habilidade para cortar a despesa do Estado em quantidade suficiente para tornar mais leve a carga fiscal que os portugueses são forçados a suportar. Sem querer, Passos Coelho diz a quem quiser perceber que os anos da sua governação foram uma perda de tempo.

O Primeiro-Ministro, manifestamente, integra o grupo das pessoas que não querem perceber o que quer que seja. Falou, à primeira vista sensatamente, das muitas “incertezas no plano externo” que “comportam riscos para os quais devemos procurar estar preparados”. Mas logo afirmou que “este será o primeiro Natal desde há muitos anos em que os Portugueses não terão a acumulação de nuvens negras no seu horizonte”, uma afirmação só por si suficiente para tornar clara a magnitude da incompreensão do mundo por parte do homem à frente dos nossos destinos. A crise dos preços do petróleo bem pode ter levado muitos espíritos menos sensatos a sentirem um grande alívio com o aparente enfraquecimento de uma Rússia que parecia cada vez mais perigosa. O problema está em que o comportamento agressivo da Rússia sempre se deveu precisamente à percepção que o regime putiniano tem da fraqueza do país (e do seu controlo sobre ele): a circunstância do regime ser (como escreveu Fraser Nelson) “uma gigantesca empresa energética com um exército” pode ter enriquecido os seus corruptos líderes, mas também os fragiliza, à medida que um mercado menos favorável lhes diminui a riqueza, e uma economia atrofiada se arrisca a retirar-lhes o apoio popular. Com tropelias na vizinhança, Putin une os russos em torno do líder que os “protege” de um “Ocidente moralmente decadente”. E se perder o controlo do poder, quem o vier a substituir será provavelmente ainda pior. Quanto maiores forem os problemas da Rússia, mais agressiva tenderá a ser, com todos os problemas que isso acarreta.

Ao mesmo tempo, mais perto de nós (em todos os sentidos), a Grécia caminha para um acto eleitoral que pode deixar o poder no colo do Syriza, e com isso fazer regressar a crise da moeda única europeia. Alguns optimistas julgam talvez que à beira do precipício, a Alemanha se convenceria finalmente a abrir os cordões à bolsa para evitar o descalabro. Ignoram que essa opção, podendo talvez salvar a economia europeia, corre também o risco de conduzir à desintegração da União: ao implicar, através da desvalorização da moeda que essa política de menor “austeridade” acarretaria, uma perda do valor dos salários e poupanças dos cidadãos dos países com finanças públicas (relativamente) saudáveis, esse esforço só seria aceite por países como a Alemanha se tiverem meios de impor aos outros medidas orçamentais restritivas. O resultado não se faria esperar (até porque já por aí anda): os “ajudados” queixar-se-iam de serem cidadãos de segunda, e os restantes do despesismo dos anteriores, concordando apenas no desprezo pelo arranjo e na ânsia pela sua extinção.

Mas nem é preciso olhar para os céus estrangeiros para ver as “nuvens negras” que, ao contrário do que julga Passos Coelho, ameaçadoramente pairam sobre Portugal. Basta olhar para o nosso. Por muitos bons indicadores que possam ser encontrados para vislumbrar uma luz ao fundo do túnel em que temos caminhado, eles são meramente conjunturais. São sucessos de curto prazo. Tudo o que é estrutural e de longo prazo na nossa economia continua sem ser reformado: a carga fiscal continua demasiado elevada para que a economia a possa suportar sem ser estrangulada, mas ao mesmo continua a ser insuficiente para cobrir todas as despesas que o Estado tem de fazer, despesas essas que em grande medida o eleitorado não está disposto a dispensar; a Segurança Social continua a ser um esquema Ponzi insustentável pelo qual todos somos vigarizados por obrigação legal imposta pelo Estado; a Justiça, para além dos casos mediáticos, continua a ser um caos lento e injusto; e o país continua a estar muito dependente do favor de quem lhe vai emprestando dinheiro, sem no entanto lhes oferecer algo que impeça que, uma vez desfavorável a conjuntura, de novo todos receiem a nossa capacidade de cumprir as nossas obrigações; acima de tudo, paira sobre as nossas cabeças a muito escura “nuvem” da degradação das condições políticas para se fazerem essas reformas no futuro, a principal e mais negativa consequência do falhanço governativo de Passos: ao criar um enorme descontentamento com a “austeridade” sem ter feito nada que a fizesse valer a pena, o Governo torna simultaneamente mais necessárias e menos apetecíveis novas medidas de consequências muito difíceis para a vida dos portugueses.

É por isso que, ao contrário do que António Costa diz desejar, o “ano novo” estará longe de trazer consigo “vida nova”. O calendário indicará certamente o início de mais um ciclo de 365 dias, mas como qualquer elemento da espécie humana acaba por descobrir mais tarde ou mais cedo na vida, o passado demora a passar. Continua connosco mesmo quando julgamos que o deixámos para trás. E tal como Passos teve de lidar com a “herança” de Sócrates, também Costa terá de suportar o peso da de Passos. O “ano” poderá ser novo, mas infelizmente – para o líder do PS, e acima de tudo, para todos os portugueses – as tropelias de Sócrates e o fracasso de Passos continuarão aí, já velhinhos mas bem vivos a pairar sobre nós, e a “vida”, não será nova, mas pior. “Vem aí uma tempestade”, disse há uns anos uma senhora integrante de uma fantasia hollywoodesca de qualidade apreciável. Pelos vistos, nem Passos Coelho nem António Costa julgam que a profecia se aplique ao cantinho onde tanto eles como nós tivemos o azar de ser trazidos a este mundo. Não demorará muito para que um e outro descubram que estão enganados. Pena que todo um país tenha que os acompanhar na valente molha que se abaterá sobre nós.

Se reconhece a realidade, é “liberal”

Alguém disse liberalismo? Por Rui Ramos.

Chama-se “liberalismo” à urgência de equilibrar as contas do Estado ou à necessidade de, numa época de endividamento e desemprego, tornar a economia competitiva internacionalmente — como se só aos “liberais” pudessem ocorrer essas opções. É por isso que na Europa, todos os governantes são acusados de “liberalismo”, estejam à esquerda ou à direita: Passos ou Rajoy, mas também Renzi ou Hollande. Não interessa o que cada um deles é ou diz que é: basta que diminuam um subsídio ou façam uma reforma, mesmo contrafeitos, para passarem a ser “liberais”.

Continuar a ler

A arte de escolher o alvo mais fácil

Inteiramente de acordo com o Rui Albuquerque: saber daquilo que se fala.

Acho muito bem que os adversários do liberalismo lhe casquem forte e feito. Mas, por favor, não se fiquem pelo «Hayek, Friedman, a escola de Chicago» do costume. Quando se ataca alguma coisa convém saber, pelo menos, do que estamos a falar.

Leitura complementar: Carlos Abreu Amorim e o liberalismo.

Compreender o putinismo XII

Imagem de Tom Parfitt/The Telegraph

Imagem de Tom Parfitt/The Telegraph

Os mortos não existem. De quando em vez a Rússia troca prisioneiros de guerra na qual a Rússia não participa.

Por agora, o Kremlin está a resolver a não crise, obrigando as empresas a converterem dólares em rublos e a emprestá-los para que as dívidas em dólares possam ser pagas. A Santa Mãe Rússia está bem e recomenda-se.

Viva o socialismo, abaixo os gelados burgueses

Imagem de  Omar Veliz/ El Nacional

Imagem de Omar Veliz/ El Nacional

Contra a submissão ao poder maléfico do capitalismo. Contra  o culto frio dos números e a fúria individualista devastadora. Lutemos pois contra tudo o que  só a revolução socialista é capaz de garantir à Humanidade culta. Viva a pátria. Vivam  as medidas socialistas patrióticas. Viva o socialismo de rosto humano patriótico.

O “excesso de liberalismo” em Portugal

Obviamente, mais liberalismo. Por João Marques de Almeida.

A afirmação de que tem havido um excesso de liberalismo em Portugal é mais ou menos como dizer que na Suécia se produz demasiado vinho, ou que a esquerda portuguesa é coesa e unida.

Continuar a ler

De alguma forma

Propriedade comutativa dos dilemas-filosófico morais. Por Luís Aguiar-Conraria.

De um ponto de vista estritamente consequencialista, faz todo o sentido matar o gordo para salvar as 5 pessoas. É melhor deixar morrer 1 do que deixar morrer 5. Mas, na verdade, a maioria das pessoas recusar-se-ia a atirar com o gordo da ponte abaixo. Ou seja, há algo em nós que não nos deixa sacrificar um inocente, para salvar terceiros. De alguma forma, somos obrigados a questionar o nosso utilitarismo para nos perguntarmos se a nossa acção é intrinsecamente justa ou não.

Livros de 2014

Uma lista que elaborei para o Observador: Livros de 2014 sobre economia e política

Com 2014 a chegar ao fim e em plena quadra natalícia, o contexto é o adequado para balanços do ano e listas de recomendações. Pela minha parte, contribuo com uma lista de livros sobre economia e política que a meu ver marcaram 2014 e que podem também servir em alguns casos para compras de última hora. Como não surpreenderá, a lista é fortemente influenciada pelos meus próprios interesses e enviesamentos.

A lista pode ser lida aqui.

Resultados da Research Excellence Framework 2014

London overtaking Oxbridge domination

London universities are breaking up the traditional dominance of Oxford and Cambridge, according to official figures on research excellence.

The London School of Economics has the highest proportion of “world-leading” research among UK universities.

Relativamente ao REF 2014 (a avaliação anterior da qualidade da investigação datava de 2008), realço, sem esconder o interesse próprio, o desempenho da LSE: LSE has confirmed its position as a world-leading research university, with an outstanding performance in the 2014 Research Excellence Framework (REF).

An analysis of the results show LSE at the top, or close to the top, of a number of rankings of research quality. It is:

– the top university in the UK based on the proportion of ‘world leading’ (4*) research produced.
– second in the UK overall when universities are ranked using a ‘grade point average’ (GPA)
– the top university in its social science disciplines, whether using a GPA or the percentage of research receiving the top 4* grade as a measure
– joint second when universities are ranked according to the percentage of research receiving either a 4* or 3* (internationally excellent) grade.

Constato também com particular agrado a evolução muito positiva do King’s College London.

Mais informações aqui.

Boas razões para estudar filosofia política

Elogio da filosofia política. Por Paulo Tunhas

Em todo o caso, a filosofia, e não é um dos seus menores benefícios, protege da facilidade da indignação. Não dos actos de aprovação e de desaprovação, é claro. Muito pelo contrário. Mesmo que, como dizia Hegel com razão, não deva ser edificante, deve-nos ajudar a julgar. Mas protege-nos da facilidade da indignação quando esta funciona quase como uma cumplicidade com aquilo que indigna, um caso desagradavelmente frequente. E a grande filosofia política protege-nos da facilidade das indignações políticas e do guarda-roupa retórico que fatalmente as acompanha. Quer dizer: impede-nos de levarmos muito a sério a quase totalidade dos discursos políticos que nos acompanham diariamente. Ou melhor: impede-nos de os levarmos à letra e convida-nos a traduzi-los, por difícil ou improvavelmente satisfatório que o exercício pareça, nas questões fundamentais que se repetem.

John Hibbs, R.I.P.

John Hibbs, R.I.P. Por Michael Goldstein.

John Hibbs was an IEA author whose work led to a radical change in policy in the somewhat unfashionable field of bus transport. (…) John is almost certainly right that the 1985 Act prevented the ‘strange suicide of the British bus industry’ – traffic fell from 42 per cent to 6 per cent of the transport market between 1952 and the beginning of the 21st century, but that fall came to an end with the greater flexibility and more effective marketing techniques that were possible after the 1985 Act. Before the Act, many local authorities were still running routes determined by post-World War I timetables. He was a strong critic of those voices (still prominent today) who wished to re-regulate the industry believing it would usher in the days of decline again. John described the idea of franchising as ‘competition for a monopoly’ and incompatible with liberalisation and the best possible passenger service.

Dennis O’Keeffe, R.I.P.

Dennis O’Keeffe, R.I.P. Por Steve Davies.

Over the years his academic work took a number of directions and involved work with several institutions. His great professional interest was always the sociology of education and he was always a fierce critic of the way that educational quality had been undermined by misguided ideas and practices. During the 1990s he undertook perhaps the major project of his academic life, a study of truancy. He was able to show that truancy was vastly more widespread than most realised and that the great bulk of it was not simple hostility to education by delinquent pupils but a perfectly rational decision by pupils to avoid certain subjects and teachers while attending other classes. The fault for him lay in the rigid control of schools by the state and a range of misguided pedagogical philosophies. These findings were of course unwelcome to both left and right at the time and in particular the Department of Education and so they were ignored.

In addition to this work Dennis undertook a number of very important major editing and translation projects for the Liberty Fund of Indianapolis, making use of his fluent command of French to rediscover the great tradition of French Classical liberalism. He edited and translated Benjamin Constant’s Principles of Politics and worked on the Fund’s continuing six volume complete works of Bastiat. He also translated the complete text of Gustave de Molinari’s ‘Evenings on the Rue St Lazare’ which the Liberty Fund will be bringing out in the near future.

Continuar a ler

Entrevista para o podcast do Instituto Mises Brasil

Foi com muito gosto que dei mais uma entrevista (salvo erro a terceira) ao Bruno Garschagen para o podcast do Instituto Mises Brasil, desta vez tendo como tema o artigo “Hayek’s Slippery Slope, the Stability of the Mixed Economy and the Dynamics of Rent Seeking”, recentemente publicado na Political Studies, a principal revista científica da Political Studies Association.

PODCAST 150 – ANDRÉ AZEVEDO ALVES

Para fechar o ano com chave de ouro depois de um 2014 muito produtivo na divulgação das ideias da Escola Austríaca no Brasil, incluindo o lançamento realizado no início desta semana do terceiro número da revista MISES, o Podcast do Instituto Mises Brasil foi conversar com André Azevedo Alves, professor e doutor em Ciência Política pela London School of Economics, sobre um artigo acadêmico escrito em parceria com o professor John Meadowcroft, do King’s College London, e publicado na edição mais recente da revista Political Studies.

Subjacente ao artigo (com primeira versão concluída em 2012) está uma série de ideias e uma linha de investigação que o John Meadowcroft e eu vimos tentando desenvolver já há alguns anos e relativamente à qual esperamos poder apresentar mais resultados nos próximos anos. Em 2014, por motivos de força maior, não foi possível avançar substancialmente nesta linha, mas espero que 2015 seja um ano mais produtivo a este respeito, com novos frutos a médio prazo.

Candidaturas IEP-UCP – Semestre de Primavera

Estão abertas candidaturas aos programas de MA in Governance, Leadership and Democracy Studies e de Mestrado e Doutoramento em Ciência Política e Relações Internacionais do Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica Portuguesa.

No semestre académico que se iniciará em Fevereiro, leccionarei a unidade curricular de Global Political Economy, obrigatória no MA in Governance, Leadership and Democracy Studies e opcional nos programas de Mestrado e Doutoramento em Ciência Política e Relações Internacionais.

iep_ucp_candidaturas

Henrique Leitão vence Prémio Pessoa

Um prémio justamente atribuído: Investigador Henrique Leitão vence Prémio Pessoa

Com 50 anos completos há pouco mais de um mês, o físico têm dedicado os últimos anos à investigação da história da ciência em Portugal. “Um interesse antigo, que se foi intensificando depois de finalizar o doutoramento”, contou ao Observador Henrique Leitão, acrescentando que se dedica a esta área a tempo inteiro desde 2002. Trabalhando na história da ciência como um todo, sobretudo nos séculos XV, XVI e XVII, o investigador valoriza sobretudo a história portuguesa. “O passado científico português é muito mais vivo do que se pensa.”

Católica Lisbon mantém-se no Top 25 do Financial Times

catolica_lisboa_ft

Está mais uma vez de parabéns toda a equipa da Católica Lisbon School of Business and Economics, pela manutenção do 25º lugar no ranking do Financial Times.

Repito que escrevi por ocasião da mesma distinção, há um ano: tendo sempre o cuidado de não sobrevalizar este tipo de rankings, é de realçar o notável trabalho que tem vindo a ser realizado pela CLSBE, sem financiamento estatal, com os resultados que estão à vista, nos rankings e muito além deles.

O Liberalismo em discussão, amanhã, 18:30, Lisboa

liberalismo_jp_lisboa_2014

Recordo que amanhã, às 18:30, no seguimento de um convite da JP Lisboa, darei uma palestra subordinada ao tema “Afinal o que é o Liberalismo?”. A sessão terá lugar na sede do CDS no Largo Adelino Amaro da Costa.

A entrada é livre e os interessados podem inscrever-se aqui.

Mises: Revista Interdisciplinar de Filosofia, Direito e Economia

misesrevMomento publicitário: convido todos os amigos e leitores d’O Insurgente a conhecerem e, se assim o desejarem,a curtirem a página da nossa revista Mises: Revista Interdisciplinar de Filosofia, Direito e Economia no Facebook. Somos a única revista acadêmica em língua portuguesa dedicada à Escola Austríaca. Contemplamos não somente a divulgação das ideias Austríacas, mas também o desenvolvimento da corrente através da produção de pesquisas originais.

O Liberalismo em discussão, 18 de Novembro, 18:30, Lisboa

liberalismo_jp_lisboa_2014

Na próxima terça-feira, dia 18 de Novembro, às 18:30, no seguimento de um convite da JP Lisboa, darei uma palestra subordinada ao tema “Afinal o que é o Liberalismo?”. A sessão terá lugar na sede do CDS no Largo Adelino Amaro da Costa.

A entrada é livre e os interessados podem inscrever-se aqui.

Artigo na Political Studies

political_studies_alves_meadowcroft

Depois de ter sido aceite para publicação e estar disponível online desde Junho de 2013, o meu artigo conjunto com John Meadowcroft, “Hayek’s Slippery Slope, the Stability of the Mixed Economy and the Dynamics of Rent Seeking”, saiu finalmente no número de Dezembro da Political Studies.

Continuamos a desenvolver este tema de investigação – cruzando a Teoria da Escolha Pública com a Escola Austríaca – e, se tudo correr bem, 2015 e 2016 também deverão ser anos produtivos nesta frente, de preferência continuando a publicar nas principais revistas científicas internacionais.

Nova Cidadania 54

nova_cidadania_54

A Nova Cidadania 54 está à venda nas livrarias Alêtheia, Almedina, Bulhosa, Coimbra Editores, Europa-América, Férin, Wook e também na Universidade Católica Portuguesa (Lisboa, Porto e Viseu).

Neste número, recordo John Blundell (1952-2014) e Gary Becker (1930-2014). Destaco também especialmente o artigo “Liberalismo e Cristianismo”, em que Leonard Liggio explicou a relevância do livro O lugar da Religião na Filosofia Liberal de Constant, Tocqueville e Lord Acton, de Ralph Raico.

Mais informações aqui.

Regressar a Adam Smith

Interesse próprio. Por José Manuel Moreira.

Em tempos de promiscuidade entre poder político e poder económico, vale a pena regressar a Adam Smith para apurar as semelhanças com um período mercantilista em que interesses emergentes se aliaram ao poder real para, em nome do colectivo, fazerem crescer a burocracia e um aparelho de Estado protector da corte de instalados.

Mais quatro anos?

Imagem retirada da página do Facebook do PSD

Imagem retirada da página do Facebook do PSD

Longe vão os tempos em que Pedro Passos Coelho dizia com orgulho – e suspeito que com pouca sinceridade – “que se lixem as eleições”. Hoje, a um ano – ou menos – das ditas, o Primeiro-Ministro parece pensar em pouco mais. Não só garante aos nervosos fiéis (e a hipotéticos adversários internos) que não se vai embora, como faz discursos “aguerridos” contra “jornalistas e comentadores” para animar as tropas (sempre dadas a criticar qualquer pessoa que pense de forma diferente, ou que pense, pura e simplesmente). Faz até promessas para um novo mandato, cuidadosamente desenhadas para dar à campanha eleitoral que aí vem a mesma “responsabilidade” que, embora escassa na acção política, tem sido abundante na retórica que tem emanado de São Bento.

É compreensível que o próximo acto eleitoral não saia da cabeça de Passos Coelho. Afinal, não serão poucas as dificuldades que o esperam até ao dia em que os portugueses colocarão o rabiscado papelinho na urna da sua Junta de Freguesia ou Centro Comunitário. A maior delas, sem dúvida, será a de explicar aos eleitores por que razão devem ele e os seus correligionários governar por mais quatro anos. Afinal, se Passos procura um novo mandato é porque entende que ainda há coisas a fazer. E é natural que o entenda, dado que reconheceu – se bem que involuntariamente – que o Governo fracassou nos últimos anos, ao dizer, como disse no último debate sobre o Orçamento, que “qualquer um gostaria de ter impostos mais baixos”, mas que teve de os colocar no nível actual por não se ter reduzido a despesa de forma a que a carga fiscal pudesse ela própria ser reduzida. Mas, se ainda há coisas a fazer, depois de quatro anos de governação, é apenas e só porque Passos não as fez nos primeiros quatro anos em que teve a oportunidade – e, já agora, a tal “responsabilidade” – de as fazer. Se quer governar por mais quatro anos, terá agora de explicar o que falhou nesses quatro anos e por que razão os hipotéticos quatro adicionais seriam diferentes.

O Primeiro-Ministro, justiça lhe seja feita, parece ter consciência do problema. E não se tem escusado a dar uma explicação, que repete a todos aqueles que o queiram ouvir (um conjunto cada vez mais reduzido de pessoas): o Governo quis cortar a despesa e fazer “reformas”, mas o Tribunal Constitucional não deixou. Deixemos de lado os méritos ou deméritos da explicação, e a duvidosa premissa de que as tais “reformas” eram mais do que meros remendos do sistema vigente, mantendo-o intacto apenas com menos dinheiro para distribuir, e aceitemos como verdadeira a defesa do Governo: a Constituição de 2015 a 2019 será a mesma de 2011 a 2015, e por isso, aquilo que não foi feito por ser inconstitucional nos primeiros quatro anos de Governo PSD/CDS não terá apreciação muito diferente nos quatro seguintes. A não ser, claro, que se mude a Constituição. Mas isso é algo que Passos Coelho não pode prometer aos portugueses, pela simples razão de que só com o apoio e colaboração com o PS poderá ser promovida uma tal Revisão Constitucional. Ou seja, o que Passos Coelho, sem querer, diz aos portugueses quando diz que não fez o queria nos seus primeiros quatro anos de Governo por causa das decisões do TC, é “se me derem mais quatro anos, não vou fazer nada de diferente”.

Haveria uma explicação alternativa, que dispensaria Passos Coelho de se colocar nesta posição de impotência e que teria ainda a vantagem de ser bem mais verdadeira: houve, da parte do Governo, uma mistura incapacidade e de falta vontade para ultrapassar bloqueios, obstáculos e grupos de interesses instalados no Estado, na sociedade e nos próprios partidos do Governo, que viam nas reformas de que o país precisa e de que o Governo falava incessantemente, sem as passar do papel (ou que nem ao papel chegaram), uma ameaça ao seu bolso, poder e modo de vida. O problema está em que também esses bloqueios, obstáculos e grupos de interesse se mantêm intactos, e que por isso, tudo aquilo que fez com que o Governo não tenha tido capacidade ou vontade para mudar produzirá, de 2015 a 2019, o mesmo resultado que provocou de 2011 até hoje.

E assim se vê a razão dos temores do Primeiro-Ministro: não se vislumbra como Passos Coelho possa explicar a necessidade de mais quatro anos em São Bento sem passar à sua pessoa e aos seus quatro anos de governação um atestado de incompetência ou compadrio, nem ao mesmo tempo colocar enormes dúvidas sobre a possibilidade de poder ser diferente nos restantes quatro. E sem isso, não poderá ser levado a sério, e mesmo que por milagre ganhe as eleições, o seu futuro será igual ao passado. É aliás por isso – e pelo facto do PS não constituir uma verdadeira alternativa – que entendo que o melhor que Passos Coelho teria a fazer seria anunciar a sua intenção de renunciar à liderança do PSD, abrindo caminho a quem no partido queira fazer uma análise séria do que correu mal nestes anos, e seja capaz de explicar aos portugueses aquilo que Passos, manifestamente, não pode.

Dia 6 de Novembro, na FCSH-UNL

IPRI-IEP

No próximo dia 6 de Novembro, a partir das 10:00, terá lugar no Edifício I&D da FCSH-UNL a conferência “A Revolução Europeia Vinte e Cinco Anos Depois”, uma iniciativa conjunta do IPRI-UNL e do IEP-UCP que assinala o 25º aniversário do colapso do totalitarismo comunista na Europa.

Pela minha parte, falarei sobre “Consolidação democrática e liberdade económica na Europa de Leste”, no painel que tem início às 14:00.

A entrada é livre.

Charles Murray sobre Ayn Rand

Um excelente artigo de Charles Murray: How Ayn Rand Captured The Magic Of American Life: Ayn Rand was a philosophical hypocrite, but a magical novelist.

In 1991, the book-of-the-month club conducted a survey asking people what book had most influenced their lives. The Bible ranked number one and Ayn Rand’s “Atlas Shrugged” was number two. In 1998, the Modern Library released two lists of the top 100 books of the twentieth century. One was compiled from the votes of the Modern Library’s Board, consisting of luminaries such as Joyce Carol Oates, Maya Angelou, Edmund Morris, and Salman Rushdie. The two top-ranked books on the Board’s list were “Ulysses” and “The Great Gatsby.”

The other list was based on more than 200,000 votes cast online by anyone who wanted to vote. The top two on that list were “Atlas Shrugged” (1957) and “The Fountainhead” (1943). The two novels have had six-figure annual sales for decades, running at a combined 300,000 copies annually during the past ten years. In 2009, “Atlas Shrugged” alone sold a record 500,000 copies and Rand’s four novels combined (the lesser two are “We the Living” [1936] and “Anthem” [1938]) sold more than 1,000,000 copies.

Continuar a ler