UKIP e SNP

Are all bets off after fresh UKIP by-election victory?
Mapping UKIP’s polling strength

Labour faces massive losses to SNP at UK general election, poll shows

About these ads

A propósito de hollandices…

PS perde fôlego em Novembro, PSD recupera

Os partidos reflectem esta tendência. Dos 40,2% de intenções de voto que reunia em Outubro, o PS passou para 38,5%. No PSD, o comportamento foi inverso: o partido de Passos Coelho subiu de 27,4% para 31,1%.

Leitura complementar: O Hollande de Lisboa?

Sondagem dá liderança ao Podemos em Espanha

Podemos à frente do PSOE pela primeira vez

“O Podemos provocou um sismo sem precedentes na política espanhola”. É assim que o El País noticia este domingo uma sondagem que coloca este partido, pela primeira vez, à frente de todos os outros nas intenções de voto dos espanhóis.

O Podemos alcança 27,7% dos votos, ultrapassando por pouco o PSOE com 26,2%. O PP, partido no Governo em Espanha, cai para 20,7%. Os votos em branco atingem um elevado valor de 18,2%.

Leitura complementar: A Europa face à ameaça centralista e construtivista.

PS 45%; PSD 28%; CDU 10%; BE 4%; CDS 4%

Sondagem da Católica coloca PS à beira da maioria absoluta

Assim, se as eleições fossem hoje – e respondendo já depois de António Costa assumir a liderança do PS – 45% dos inquiridos votariam no PS, percentagem que em anteriores cenários eleitorais já valeu ao PS uma maioria absoluta. No PSD votariam 28% da amostra e 4% no CDS-PP, o que representa para a atual coligação uma queda superior aos 10 pontos percentuais, face à última sondagem.

Continuar a ler

Como deverão ser conhecidos os membros do clã Costa/Sócrates?

O melhor selecionador português de sempre (republicação)

Inquérito: Quem foi o melhor seleccionador português dos últimos 30 anos?

Sondagens para as eleições europeias em Portugal

sondagens_europeias

Agregação de sondagens e análise de Pedro Magalhães: Sondagens europeias.

As cinco sondagens publicadas a partir da segunda metade de Março colocam o PS em vantagem sobre a coligação, com uma vantagem que oscila entre os 4 e os 8 pontos percentuais, sendo que a tendência parece ser de aumento dessa vantagem. A CDU aparece com valores entre os 9% e os 12%, BE entre 5% e 7%, ambos sem tendência clara. Esta semana deveremos conhecer outras, e veremos se há modificações de última hora, tendências novas ou tendências que se consolidam.

Leitura complementar: Programas e listas para as eleições europeias.

Marinho Pinto com possibilidades de ser eleito nas eleições europeias

A fazer fé nesta sondagem, Marinho Pinto será, por larga margem, o candidato melhor posicionado a beneficiar da concentração do voto de protesto, enquanto o actualmente eurodeputado Rui Tavares – outra possibilidade para o mesmo efeito dada a ampla cobertura e simpatia mediática de que goza – fica muito longe da fasquia necessária para ser eleito. Dia 25 se verá, até porque para valores pequenos, o impacto da margem de erro é naturalmente superior: Marinho e Pinto pode ser eleito eurodeputado

Marinho Pinto, ex-bastonário da Ordem dos Advogados, pode ser eleito eurodeputado nas eleições para o Parlamento Europeu do próximo dia 25 pelo Partido da Terra (MPT).Segundo uma sondagem CM/Aximage, realizada entre os dias 7 e 14 de maio, o cabeça de lista do MPT obtém 4,3% das intenções de voto, o suficiente para obter o passaporte para a Europa.

(…)

As intenções de voto no novo partido Livre (pela primeira vez considerado na sondagem), que tem como cabeça de lista Rui Tavares, fica-se pelos 0,8%.

“pink elephants will fly over Mare Nostrum”

France is the new cauldron of Eurosceptic revolution. Por Ambrose Evans-Pritchard.

Britain is marginal to the great debate on Europe. France is the linchpin, fast becoming a cauldron of Eurosceptic/Poujadist views on the Right, anti-EMU reflationary Keynesian views on the Left, mixed with soul-searching over the wisdom of monetary union across the French establishment.

Continuar a ler

Análise dos resultados das autárquicas: Porto, Gaia e sondagens

Devido à presença como comentador no Porto Canal, acabei por não escrever nada por aqui sobre as autárquicas.

Verifico com agrado que a minha ausência não prejudicou a qualidade da cobertura eleitoral insurgente mas, mesmo sem tempo para uma análise mais aprofundada, há algumas breves notas que não quero deixar de registar: Continuar a ler

Maus sinais para o PSD em Gaia e Gondomar

Como é óbvio, nem todas as sondagens merecem a mesma credibilidade e em Portugal há frequentemente alguns casos difíceis nesta área, mas reacções generalizadas contra sondagens são quase sempre um mau sinal para as respectivas campanhas.

Percebe-se a preocupação com a possibilidade de derrota nas duas autarquias referidas – em especial no caso de Gaia – mas o PSD faria melhor em olhar para dentro e para a responsabilidade das decisões internas – nomeadamente no processo de escolha de candidatos – relativamente às dificuldades que agora enfrenta: PSD luta contra sondagens e tenta evitar derrota em Gaia e Gondomar

Ao final da tarde de ontem, na sede de candidatura do candidato a Gaia, Carlos Abreu Amorim, o ambiente era belicoso, mas taciturno. Uma sondagem que deverá ser publicada esta quarta-feira, explica o retrato. “Na semana passada, foram-me ditos os dados de mais uma sondagem que sairá no JN. Não acredito”, disse o presidente da distrital do PSD Porto, Virgílio Macedo. Para debelar a sondagem, desfavorável a Abreu Amorim – candidato para quem as sondagens são “instrumentos políticos para influenciar a opinião” – Macedo recorreu a outra sondagem encomendada esta terça-feira pelo próprio PSD “a uma empresa de Lisboa”. (…) Mais curto nas palavras, Abreu Amorim disse que as sondagens são “trambicadas e marteladas”.

Continuar a ler

Sondagem Gaia: Guilherme Aguiar 28,4%; Eduardo Rodrigues 27,1%; Carlos Abreu Amorim 24,5%

Se pelo Porto, não obstante o apoio do CDS a Rui Moreira e as divisões internas, as coisas parecem relativamente bem encaminhadas para o PSD, em Gaia o panorama neste momento é pouco menos do que catastrófico.

Além do muito real risco de perder um dos principais municípios do país onde contava com uma confortável maioria absoluta autárquica, o PSD (que se apresenta em Gaia, recorde-se, coligado com o CDS) arrisca um cenário verdadeiramente dantesco. Considerando a escassa margem de vantagem de Guilherme Aguiar para Eduardo Rodrigues é perfeitamente possível que o PSD não só fique em terceiro lugar como perca a Câmara de Gaia para o PS, com todo o forte impacto negativo que isso implicaria não só a nível local mas também a nível nacional.

Menezes na frente no Porto

Não obstante a oposição aberta de Rui Rio ao candidato do seu próprio partido, Luís Filipe Menezes continua a liderar com uma vantagem considerável as intenções de voto no Porto.

Nada está decidido, mas suspeito que a hiper-agressividade das críticas dirigidas contra Menezes do interior do PSD, juntamente com o cortejo de algumas figuras que se têm agregado em torno de Rui Moreira e uma excessiva colagem ao CDS, dificultam mais do que ajudam a afirmação da candidatura do próprio Rui Moreira que, à partida, pelo seu perfil pessoal e notoriedade, teria boas condições de elegibilidade.

É de notar também a continuação do fraco desempenho de Manuel Pizarro nas sondagens, sendo que é bem possível que o comportamento do eleitorado que tradicionalmente vota PS venha a ser decisivo na definição do vencedor das autárquicas no Porto.

PS 37%; PSD 28%; PCP 11%; BE 7%; CDS 6%

Pode não ser irrevogável, mas a aparente penalização da deplorável conduta de Paulo Portas e do seu CDS é um sinal positivo: Portas em queda livre: O CDS-PP está em queda livre no barómetro mensal

Entre os meses de Junho e Julho, o partido de Paulo Portas passou de 9,4 por cento para 5,8 por cento, ou seja, menos 3,6 pontos percentuais, em plena crise política. O PSD sobe dos 23,2 % para os 28%, encurtando a distância face ao PS.

Leitura complementar: As “aventuras nocturnas” de Paulo Portas em Lisboa; Portas só sai à força; Cavaco Silva e a instabilidade; Portas vai finalmente mostrar o guião ?; Uma “irrevogável” falta de vergonha na cara.

PS 34%; PSD 24%; PCP 13%; CDS 9%; BE 9%

A extrema-esquerda acima dos 20% e PSD e CDS com menos de um terço das intenções de voto

É de realçar ainda que o trabalho de campo da sondagem decorreu entre 28 de Junho e 2 de Julho: i/Pitagórica. Esquerda com 56% no parlamento. PSD bate mínimos

PS, PCP e BE reúnem a maioria mais alargada desde o início do barómetro. Intenção de voto no PSD é agora de 23,7%

Continuar a ler

A evolução de Menezes nas sondagens

O Tiago Barbosa Ribeiro realça a evolução de Luís Filipe Menezes nas sondagens identificando uma tendência descendente com base em três observações.

Para além de, como o Tiago assinala (e bem) as sondagens em geral não deverem ser sobrevalorizadas por vários factores, neste caso concreto há elementos adicionais que devem ser considerados e que, a meu ver, tornam difícil – com os dados disponíveis até agora, afirmar que estamos perante uma tendência descendente de Menezes.

A primeira sondagem é de Setembro de 2012, altura em que o campo eleitoral ainda não estava bem definido, pelo que os 60% – aliás um valor em que poucos acreditariam como resultado eleitoral final, independentemente do candidato da sua preferência no Porto – a meu ver não são sequer comparáveis com as outras duas.

Relativamente à sondagem IPOM de Abril, já me parece mais comparável mas ficamos reduzidos a dois pontos para estabelecer uma tendência e, ainda por cima, com possíveis (prováveis) house effects dado que uma é IPOM e outra Eurosondagem.
Assim sendo, diria que precisamos de pelo menos mais duas sondagens comparáveis para poder falar de tendências com alguma sustentação.

Isto dito, e complementando o que escrevi aqui sobre o caso do Porto, há algumas constatações/especulações interessantes que podem ser feitas com os dados disponíveis até agora: Continuar a ler

Correcção sobre a candidatura de Hélder Amaral e a sondagem JN/Eurosondagem relativa a Viseu

Uma correcção com toda a pertinência à forma como foi apresentada pelo JN a sondagem sobre Viseu: Seriedade e rigor é cena que não assiste… Por Rui Rodrigues dos Santos.

Ora, nas datas em que, pretensamente, foi realizado o estudo, nem Hélder Amaral, nem Francisco Almeida eram ou tinham apresentado a sua candidatura…

Hélder Amaral, anunciou a sua candidatura a 24 de Maio e Francisco Almeida apenas a 28 do mesmo mês.

Não são por isso legítimas – pelo menos com base nestes dados – as inferências sobre a candidatura de Hélder Amaral que retirei aqui e aqui, tendo sido induzido em erro pela notícia do JN.

Adenda: Comentário de um leitor sobre o caso:

A sério? Estamos a brincar? Olhem, acho que o Ricardo Rio também só apresentou a candidatura neste sábado! Querem mesmo fazer crer que toda a gente em Viseu não sabia já há uns meses largos que o Hélder Amaral era candidato, apenas neste caso específico esteve tudo à espera da apresentação formal da candidatura? Desculpem lá, eu não sou de Viseu, nunca vivi em Viseu, mas isto cheira a desculpa de mau perdedor… sobretudo depois de uma curta pesquisa no google

Leiam a notícia, isto foi em Fevereiro! Pois…

Sondagem Porto – Autárquicas 2013 (JN/Eurosondagem)

Luís Filipe Menezes (PSD): 33%
Rui Moreira (Independente, com apoio CDS): 25%
Manuel Pizarro (PS): 25%

Luís Filipe Menezes na frente, com Rui Moreira e Manuel Pizarro em empate técnico na segunda posição. De realçar também o resultado expressivo de Pedro Carvalho, pela CDU, com intenções de voto acima dos 10%. Ou seja, vantagem com algum significado para Menezes mas com tudo ainda em aberto no Porto.

Menezes e Moreira reúnem um total de 58% das intenções de voto, mais 10 pontos do que o resultado de Rui Rio em 2009, o que sugere que parte do eleitorado que tradicionalmente vota PS não se revê na candidatura de Pizarro. E também que com um candidato com maior notoriedade o PS teria forte probabilidade de voltar a ganhar no Porto.

O Bloco de Esquerda continua longe de conseguir um mandato no Porto e poderá eventualmente ainda sofrer com o voto útil (provavelmente mais do que o candidato da CDU).

25% é um valor honroso para Rui Moreira – sem dúvida só possível devido à sua notoriedade e credibilidade no Porto – e que, apesar da distância para Menezes, deixa em perspectiva uma disputa intensa. Já para o CDS é um verdadeiro jackpot, já que dificilmente qualquer outra candidatura que apoiasse conseguiria sequer metade desse score no Porto (veja-se o exemplo de Viseu em que Hélder Amaral estará baixo dos 5% nas intenções de voto).

O Porto será um dos palcos a merecer mais atenção no dia das eleições e de onde poderão resultar também implicações a nível nacional.

Adenda: Correcção sobre a candidatura de Hélder Amaral e a sondagem JN/Eurosondagem relativa a Viseu.

Sondagem Gaia – Autárquicas 2013 (JN/Eurosondagem)

Eduardo Rodrigues (PS): 32%
José Guilherme Aguiar (Independente): 31%
Carlos Abreu Amorim (PSD/CDS): 23%

Em Gaia, a maior surpresa das sondagens divulgadas pelo JN e, por larga margem, o dado mais preocupante para o PSD: um empate técnico entre Eduardo Rodrigues e José Guilherme Aguiar com Carlos Abreu Amorim relegado para um penoso terceiro lugar.

O resultado de Eduardo Rodrigues, apesar de o colocar na frente da corrida, representa uma melhoria de apenas 7 pontos face ao obtido na pesada derrota do PS em 2009, com 25%. Já Guilherme Aguiar surpreende pela positiva estando numa situação de empate técnico com Rodrigues e à frente do candidato oficial da coligação PSD/CDS.

É precisamente para a coligação PSD/CDS que os dados da sondagem são francamente preocupantes. Em 2009, Menezes atingiu os 62%. Segundo a Eurosondagem, Carlos Abreu Amorim estará neste momento com pouco mais de um terço do resultado de Menezes em termos de intenções de voto: 23% comparados com 62%. Se poucos esperariam que Amorim superasse ou igualasse o resultado de Menezes, a verdade é que menos ainda – pelo menos fora de Gaia – alguma vez colocariam a hipótese de uma perda tão acentuada. Aliás, os dados são tão maus para a candidatura de Amorim que roçam mesmo o inacreditável, pelo que se compreendem perfeitamente as reacções de apoiantes da sua candidatura como PMF e FMS.

Dados tanto mais preocupantes quanto a escolha de Carlos Abreu Amorim deu origem a uma candidatura de elevado risco para a coligação PSD/CDS (em especial para o PSD, já que o CDS em Gaia, como se tem visto, conta pouco ou nada), por várias razões. Continuar a ler

Sondagem Braga – Autárquicas 2013 (JN/Eurosondagem)

Ricardo Rio (PSD/CDS): 43%
Vítor Sousa (PS): 41%

Não obstante o título escolhido pelo JN (“Direita ganha Braga com Rio à terceira tentativa”), a verdade é que os dados da sondagem apontam para um empate técnico, com ligeira vantagem para Ricardo Rio.

As duas derrotas passadas podem pesar, mas também é verdade que, com a troca de candidato do PS por via da limitação de mandatos e com as investigações judiciais em curso que envolvem o PS em Braga, 2013 poderá bem ser o ano de Ricardo Rio. Uma coisa é (praticamente) certa: esta será a última oportunidade de Ricardo Rio para conquistar Braga.

O Nuno Gouveia refere-se aqui a outra sondagem e também ao track record da Eurosondagem em Braga. Não analisei os dados com suficiente detalhe para me pronunciar sobre as questões que ele levante mas recomendo a leitura: Sondagens para todos os gostos

Na última semana foi publicada uma sondagem pelo Diário do Minho/RUM que dava também a vitória a Ricardo Rio, mas por uma diferença de oito pontos. Esta do JN/Eurosondagem atribui 2,2% a Ricardo Rio, mas é preciso enquadrar o histórico da Eurosondagem em Braga.

Continuar a ler

Sondagem Lisboa – Autárquicas 2013 (JN/Eurosondagem)

António Costa (PS): 52%
Fernando Seara (PSD/CDS): 30%

Um resultado muito mau para a coligação PSD/CDS e que perspectiva, caso se confirme, uma vitória esmagadora para António Costa em Lisboa.

Aliás, o caso de Lisboa é algo estranho, já que a coligação PSD/CDS parece, desde o início, pouco entusiasmada com as suas próprias possibilidades e em larga medida apostada em apenas marcar presença. Pelo menos é o que tem transparecido para o exterior.

Tudo somado, parece uma eleição feita à medida para reforçar a imagem nacional de António Costa e, quem sabe, facilitar o seu lançamento para outros voos. Será interessante observar também o caminho de Fernando Seara após a (previsível) derrota eleitoral em Lisboa.

Sondagem Aveiro – Autárquicas 2013 (JN/Eurosondagem)

Ribau Esteves (PSD/CDS): 48%
Eduardo Feio (PS): 33%

Ribau Esteves com uma vantagem confortável sobre Eduardo Feio (que continua sem recuperar da estrondosa – e inesperada – derrota de Alberto Souto em 2005, que parece ter deixado um pesado legado ao PS em Aveiro), mas que simultaneamente deixa tudo em aberto no caso de o actual Presidente, Élio Maia, avançar com uma candidatura independente.

Considerando que as intenções de voto em Ribau Esteves estão cerca de 6 pontos abaixo do resultado obtido por Élio Maia em 2009, a sondagem pode até ser vista como encorajadora a uma potencial candidatura independente deste último. A seguir com atenção.

Sondagem Matosinhos – Autárquicas 2013 (JN/Eurosondagem)

Guilherme Pinto (Independente): 35%
António Parada (PS): 28%
Pedro Vinha da Costa (PSD/CDS): 17%

Um bom resultado para Guilherme Pinto, mas tudo em aberto considerando a influência potencial da máquina eleitoral do PS em Matosinhos.

O candidato apoiado pela coligação PSD/CDS com um resultado fraco, em linha com o (mau) resultado de 2009.

A confirmarem-se os dados da votação global em Guilherme Pinto e António Parada, o PS em Matosinhos terá votos suficientes para “sustentar” duas candidaturas sem com isso deixar de garantir os dois primeiros lugares. Interessante.