O Dilema dos Refugiados

As pessoas são costumam ser muito racionais. As pessoas são sentimentais. Pensam com o coração, sentem com o coração e o cérebro faz mais vezes greve que os maquinistas da CP.

Eu recordo-me perfeitamente do Kony 2012. Um vídeo chocante, umas quantas fotos e do nada vi gente que poderia jurar a pés juntos que o Nelson Mandela era o Presidente de Timor e a única causa política pela qual desperdiçou mais de três letras foi a legalização da canábis desfazer-se em posts de facebooks, conversas de café, apelos desesperados. Fui, na altura, aqui no Insurgente, das primeiras pessoas em Portugal a desmascarar a farsa do movimento Kony, semanas antes da comunicação social e as redes sociais o começarem a fazer. Estávamos a falar de um conflicto em que Kony era apenas um dos senhores da guerra envolvidos e em que os organizadores da campanha era parceiros de um dos seus adversários. Acho que isto diz tudo. Porquê ? Porque quando as pessoas vêm uma imagem chocante, um vídeo que impressiona, uma mensagem que fica, o cérebro desliga e o raciocínio vai de férias, dispensando-se a reflexão e a pesquisa necessárias a tomar uma posição E dão-se à causa, sem se aperceberam que estão a ser usadas como peões. A crise humanitária que vivemos não é linear, está longe de ser simples. E lançar-se de braços abertos a uma causa sem conhecimento da mesma numa altura em que esse conhecimento está à distância de um clique é uma imbecilidade. Esta questão não é simples porque de facto a Europa tem culpas no cartório. No entanto acho curioso ver gente que acha que os cidadãos não devem estar a pagar as dívidas derivadas das políticas económicas desastrosas dos seus governantes a clamarem para que se paguem as dívidas das políticas militares desastrosas dos mesmos.

Continuar a ler

Uma tragédia e uma farsa

O meu texto de ontem no Observador.

‘Começo com a farsa. Eu percebo que os eleitores já tenham adquirido imunidade à campanha eleitoral do PS. É verdade que já tivemos os cartazes que prometiam combater a precariedade ao mesmo tempo que não pagavam às pessoas que exibiam. Também sei que depois das cartas que querem descobrir as Índias e Brasis que há em mim, pessoa irrepetível e que não sou nenhuma fração (adicionalmente não sou, esclareço, um integral ou um número imaginário), despedindo-se António Costa de mim com um ‘afetuoso abraço’ aparentemente não havia (cogitava eu ingenuamente) margem para maiores sustos. Esperava, no máximo, que na semana antes das eleições Costa se despedisse com um beijinho repenicado.

Estava enganada. Na segunda feira viu o PS por bem informar-me que, e cito, ‘António Costa e Fernanda Tadeu casaram há 28 anos. Não houve festa mas sim um hambúrguer rápido no Abracadabra na Rua do Ouro com os padrinhos Diogo e Teresa Machado, antes de seguirem para Veneza em lua-de-mel. António sempre soube gerir a sua vida pessoal e profissional e Fernanda tem sido o seu maior apoio.’ Na imagem, Costa confessa-se utilizador de bolsas de cintura. Não contentes, o jornal de campanha do PS entrevistou Fernanda Tadeu, onde a senhora avisou que tinha identidade (não pensássemos nós que era uma raiz quadrada) e deu informações políticas relevantes sobre o marido como o gosto por terrines.

Bom, cada um dará a importância que entender ao hambúrguer de Costa, mas eu trago o assunto para aqui por uma razão que me provoca menos risos. Vamos lá ver: Fernanda Tadeu não tem qualquer interesse para o eleitorado senão por estar casada com um candidato a primeiro-ministro. Então, como conciliar estas aparições da senhora com os ataques vis que pessoas ligadas ao PS têm feito às fotografias de Laura Ferreira na comunicação social desde que está doente com cancro (e exibe corajosamente a sua cabeça sem cabelo)?

De cada vez que há uma fotografia de Laura, logo socialistas têm corrido a acusar Passos Coelho de usar a doença da mulher para fins eleitorais. O conselheiro preferido de Costa, Porfírio Silva (candidato a deputado e membro do secretariado nacional do PS), escreveu mesmo no twitter ‘Usar a doença de uma Pessoa para dourar a pílula eleitoral de alguém… é do domínio do abjeto’ (a 9/7/2015, às 14h56).’

O resto está aqui.

Do imperialismo chega o golfinho

golfinho

O mamífero marinho foi apanhado pelo Hamas em plena actividade subversiva. Terá sido presente a juíz e aguarda a presença de um tradutor.

Leitura complementar: Do imperialismo chega o cisne.

 

 

Não consigo “arranjar” um título

Muere ahogada en Dubái al no permitir su padre que los socorristas la tocaran

El padre dejó que su hija se ahogara antes que ser tocada por los miembros de un equipo de rescate que acudió en su ayuda

(…)

«El padre llevó a su mujer e hijos a un picnic a la playa. Los niños estuvieron nadando, cuando de repente la chica de 20 años comenzó a pedir ayuda. Dos hombres acudieron al rescate, sin embargo se encontraron con un obstáculo que les impedía llegar hasta ella. Este obstáculo eran las creencias de su padre que no permitían que un hombre la tocase porque la deshonrarían», contó el policía al mando.

«El padre era un hombre alto y fuerte. Empezó a empujar a los hombres y se puso violento con ellos. Dijo que prefería que muriese antes que ser tocada por unos extraños». (…)

Leitura recomendada

O ataque terrorista que vitimou uma família palestiniana deve ser condenado. A começar por todos aqueles que simpatizam com a ideia da existência do Estado de Israel. Por esse motivo, aconselho a leitura do texto de Jonathan S. Tobin, na Commentary.

Israel was shaken today by the news that last night what is believed to be a group of Jewish terrorists conducted an arson attack in the West Bank village of Duma that left an 18-month-old child dead and his four-year-old brother gravely injured. This atrocity has been roundly condemned by the Israeli government and authorities have promised that those responsible will be caught and punished to the full extent of the law. Yet the likely fate of these terrorists is not the most important issue at the moment. For many the crime calls into question what is believed to be a lenient attitude on the part of Israeli authorities to violent extremists living in West Bank settlements thought to be behind the attack. While the situation in the settlements is far more complex than that conclusion, Palestinians are already branding the Israeli government as being somehow responsible for the murder, a stance that will no doubt be echoed by Israel-haters around the world. But while such charges are rooted more in prejudice against Israel than the facts, the Jewish state must seize this moment to engage in more than just the routine soul searching that occurs anytime an Israeli does something awful. (…)

 

But the events of the last week show that it isn’t good enough for Jews to merely condemn an Arab and Muslim political culture that will not allow peace to happen. It is also incumbent on Israelis and their friends to acknowledge that horrors such as those that occurred at Duma only serve to justify Arab hatred and serve the cause of the Islamist haters that are gaining ground throughout the Middle East. Just as we are right to ask Muslims to police their extremists, so, too, must Jews also act against their haters.

There should be zero tolerance for hate and terror among both Arabs and Jews. Unfortunately, there seems little chance that Palestinians will isolate and reject Fatah-linked terrorists, Hamas and Islamic Jihad the way Israelis are condemning the Duma killers. Indeed, the calls for more terror attacks on Jews in response to Duma from the government of the independent Palestinian state in all but name in Gaza have already begun. But the answer begins with appropriate action against the terrorists and those who support them by the Israeli government.

 

Diálogos

Pelo menos 27 pessoas foram assassinadas num resort tunisino situado em Sousse.

Um terrorista fez-se explodir, causando a morte de 16 pessoas que estavam a orar na mesquita xiita de  Al-Imam Al-Sadiq, no Kuwait.

Em França, um decapitado e dois feridos é o resultado de outro ataque terrorista a uma fábrica de gás, perto da cidade de Lyon.

 

 

O tempo passa num instante II

Devidamente explicado no site da UNESCO. E que o NYT não terá ligado.

Inhabited for more than 2,500 years, the city was given official status in the second century BC when it was an outpost of the Yemenite kingdoms. By the first century AD it emerged as a centre of the inland trade route. The site of the cathedral and the martyrium constructed during the period of Abyssinian domination (525-75) bear witness to Christian influence whose apogee coincided with the reign of Justinian. The remains of the pre-Islamic period were largely destroyed as a result of profound changes in the city from the 7th century onwards when Sana’a became a major centre for the spread of the Islamic faith as demonstrated by the archaeological remains within the Great Mosque, said to have been constructed while the Prophet was still living. Successive reconstructions of Sana’a under Ottoman domination beginning in the 16th century respected the organization of space characteristic of the early centuries of Islam while changing the appearance of the city and expanding it with a second city to the west. The houses in the old city are of relatively recent construction and have a traditional structure.

Leitura complementar: O tempo passa num instante.

O tempo passa num instante

NYT revela dois milénios e meio da cultura islâmica.

A protected 2,500-year-old cultural heritage site in Yemen’s capital, Sana, was obliterated in an explosion early Friday, and witnesses and news reports said the cause was a missile or bomb from a Saudi warplane. The Saudi military denied responsibility.

O tribunal decidiu, está decidido

RB

O Supremo Tribunal da Arábia Saudita confirmou a sentença ao blogger Raif Badawi. Caso sobreviva às mil chicotadas, terá que cumprir uma década na prisão por ter insultado o Islão em 2012 e pagar uma multa de mais de 191 mil euros.

Leituras complementares: Os bons ventos que sopram da Arábia Saudita; Ser Charlie na Arábia Saudita e na Câmara de Lisboa; Bloggar faz mal à saúdeDas religiões que são superiores aquilo da liberdade.

Adenda: Saudi Arabia hosts UN-backed human rights summit ‘on combating religious discrimination’

Saudi Arabia has hosted an international conference on human rights, attended by the president of the UN Human Rights Council, and resolved to combat intolerance and violence based on religious belief.

The kingdom convened the fifth annual meeting of the Istanbul Process as its Supreme Court prepared to rule on the case of blogger Raif Badawi, sentenced to 10 years in prison and 1,000 lashes for “insulting Islam through religious channels”. It later upheld the sentence.

The UN HRC recently faced criticism over Saudi plans to head up the council from 2016, in what critics said would be the “final nail in the coffin” for the international body.

Não correu como o esperado

Arrested for reporting on Qatar’s World Cup labourers

O esforço de relações públicas das autoridades do Qatar. Também nesta área, não existem soluções mágicas e se existem, são de desconfiar.

O jornalista da BBC Mark Lobel foi convidado a vistar o país do Médio Oriente que organizará o Campeonato do Mundo de futebol de 2022 e que tem tido alguns problemas de imagem provocados pelas más condições de trabalho dos imigrantes envolvidos na preparação do evento.  Mark Lobel (e o resto da equipa) acabou por ser preso por se ter aventurado em fazer o  trabalho por sua conta e risco, fora do controlo das autoridades.

Descoberta a mão invisível divina

Fonte: Wikipedia

Fonte: Wikipedia

Saudi Arabia’s oil minister Ali al-Naimi: ‘Only Allah can set the price of oil’

Saudi Arabia’s oil minister has turned to divinity over the issue of slumping prices in oil, claiming that “it’s up to Allah”.

Speaking to CNBC, oil minister Ali al-Naimi said that “no one can set the price of oil – it’s up to Allah”.

Saudi Arabia is the world’s biggest producer of oil and, while oil prices have been staying low on the market, the country has decided to increase its production of the substance rather than cut it.

Sanctions currently placed on Iran could soon be lifted as part of international nuclear negotiations, which would mean the country’s crude oil would come back on to the market and cause prices to plunge further.

 

Fashion victims no Irão

Graças a Deus, os homens criaram a regulação dos cortes de cabelo.

Jagged haircuts have become fashionable among all strata of Iran’s youthful population in recent years, but have divided opinion and been deemed by the authorities as western and un-Islamic.

“Devil worshipping hairstyles are now forbidden,” said Mostafa Govahi, the head of Iran’s Barbers Union, cited by the ISNA news agency.

“Any shop that cuts hair in the devil worshipping style will be harshly dealt with and their licence revoked,” he said, noting that if a business cut hair in such a style this will “violate the Islamic system’s regulations”.

As well as tattoos being banned, solarium treatments and the plucking of eyebrows – another rising trend among young Iranian males – will not be tolerated, the report said.

Mr Govahi blamed unauthorised barbers for offering the spiky hairstyles and other treatments.

“Usually the barber shops who do this do not have a licence. They have been identified and will be dealt with,” he said.

Da Turquia, com rancor

Turkey outrage after Pope Francis describes Armenian mass killing by Ottoman soldiers as ‘genocide’

Pronto, para desanuviar tensões imperialistas e evitar mais uma cruzada não podia o Papa Francisco, retirar a palvra “genocídio” e substituí-la como uma “vontade em exterminar de forma sistemática os arménios”?

O imperialismo sem limites

Churrasco não islâmico patrocinado pela família Koch

Churrasco não islâmico patrocinado pela família Koch

Os irmãos Koch tentam envenenar a malta do Estado Islâmico com paletes de galinhas não-halal.

O Estado Islâmico e a luta contra o terrorismo

Crianças recrutadas pelo Estado Islâmico decapitam nove xiitas na Síria
Morto líder do principal grupo jihadista tunisino Abou Sakhr
Líderes da Liga Árabe de acordo sobre criação de força conjunta contra terrorismo

O barril de pólvora do Iémen

Presidente do Egipto: Rebeldes xiitas são “lacaios do Irão”

A situação no Iémen é um verdadeiro barril de pólvora prestes a explodir e promete, a qualquer momento, reduzir a pó a já frágil situação do país. Egipto e coligação árabe não poupam críticas ao Irão.

Palavras e ventos de paz

IRAN-TURKEY-DIPLOMACY-KHAMENEI-ERDOGAN 

Turkey’s Erdogan says can’t tolerate Iran bid to dominate Middle East

Turkish President Tayyip Erdogan accused Iran on Thursday of trying to dominate the Middle East and said its efforts have begun annoying Ankara, as well as Saudi Arabia and Gulf Arab countries.

Turkey earlier said it supports the Saudi-led military operation against Houthi rebels in Yemen and called on the militia group and its “foreign supporters” to abandon acts which threaten peace and security in the region.

“Iran is trying to dominate the region,” said Erdogan, who is due to visit Tehran in early April. “Could this be allowed? This has begun annoying us, Saudi Arabia and the Gulf countries. This is really not tolerable and Iran has to see this,” he added in a press conference.

 

Entretanto, as reformas continuam a ser implantadas a bom ritmo.

Primavera persa, parte enésima

Youness Asakeree

Youness Asakeree

Iranian vendor dies after setting himself on fire

Youness Asakere, an Iranian fruit vendor who set himself on fire in front of the Khoramshahr municipality in protest after his fruit stand was confiscated by authorities, died March 22. His death, and the lack of broader attention by Iranian society, has stirred many questions among activists and analysts on social media.

A bestialidade de xiitas & sunitas

mesquita

 

Na última Sexta-feira, um grupo de idiotas carniceiros decidiu celebrar o dia santo do Islão, assassinando o maior número de pessoas. Os bombistas suicidas escolheram como alvo duas mesquitas xiitas. Morreram 142 pessoas. Há mais sírias para além da Síria.

Yemen is a battlefield for Saudi Arabia and Iran

The latest atrocity in Yemen, which claimed nearly 150 lives on Friday, appears part of a proxy war between the Middle East’s two superpowers

 

Leitura complementar: Aviso de 2004, do Rei Abdullah da Jordânia.

Ainda há margem para piorar

O copy/paste a que temos direito.

“(…) O jornal israelita Haaretz aponta as grandes surpresas das eleições em Israel. A primeira é (…)
Como segunda surpresa apontada pelo diário Haaretz (…)
Outra das surpresas apontadas pelo diário israelita foi (…)
De acordo com o diário Haaretz (…)
O fracasso total das sondagens é a outra das surpresas apontadas pelo diário Haaretz (…)”

Um balanço também ele moderado II

State Executions Rise to Two Per Day in Iran.

Executions in Iran have soared under president Rouhani, according to an Oslo-based Iranian human rights group, with an average of two now being carried out every day.

Leituras complementares: Cepticismo imoderadoUm balanço também ele moderado

Vaticano aprova intervenção militar contra Estado Islâmico

Vaticano aprova ação militar contra Estado Islâmico para parar “genocídio”

O embaixador do Vaticano nas Nações Unidas aprova uma ação militar contra o movimento Estado Islâmico no Iraque e na Síria, uma posição invulgar pois tradicionalmente o Vaticano opõe-se ao uso da força.

Durante uma entrevista ao site católico norte-americanoCrux , Silvano Tomasi disse que os combatentes do Estado Islâmico estão a cometer atrocidades numa escala enorme e que o mundo tem de intervir.

“Temos de parar este tipo de genocídio, de outro modo iremos questionar no futuro porque não fizemos alguma coisa, porque permitimos que acontecesse tal tragédia”, defendeu o arcebispo italiano.

O combate ao terrorismo

Também se faz através da justiça.

The Palestine Liberation Organization and the Palestinian Authority backed a series of terrorist attacks in the early 2000s in Israel that killed or wounded Americans, a U.S. jury found Monday in awarding hundreds of millions of dollars in damages at a high-stakes civil trial.

The case has been viewed as one of the most notable attempts by American victims of the Palestinian-Israeli conflict to use U.S. courts to seek damages, and the verdict is a setback for the Palestinians’ image as they seek to rally international support for their independence and to push for war crime charges against Israel.

The damages could be a financial blow to the cash-squeezed Palestinian Authority, though the Palestinian authorities plan to appeal and the plaintiffs may face challenges in trying to collect.

In finding the Palestinian entities liable in the attacks, a Manhattan federal jury awarded the victims $218.5 million in damages for the bloodshed in attacks that killed 33 people and wounded hundreds more — damages their lawyers said would automatically be tripled under the U.S. Anti-Terrorism Act.

Palestinian Authority Deputy Minister of Information Dr. Mahmoud Khalifa called the verdict “a tragic disservice” to Palestinians and to the international community in working toward a solution to the Israeli-Palestinian conflict.

 

“Uma mensagem assinada com sangue à Nação da Cruz”

Estado Islâmico divulga vídeo da alegada execução de 21 egípcios cristãos

No final das imagens, um dos militantes dirige-se à câmara para dizer que “quando o sangue dos cristãos entrar no mar será misturado com o sangue de Osama Bin Laden”. No plano seguinte, aparece sangue na água e o militante afirma que o grupo vai “conquistar Roma”.

Matar, crucificar e desmembrar

Sim, desde que de acordo as altas autoridades religiosas.

Egypt’s al Azhar University, Sunni Islam’s foremost religious authority, called for the “Killing, crucifixion and chopping of the limbs” of Islamic State (IS) terrorists who burnt alive Jordanian pilot Moaz al Kasabeh, probably in Syria.

Já sabemos que a verdadeira culpa deve ser repartida, desde o desaparecimento dos dinaussaros, entre Israel, os EUA, a UE e a NATO.

Mahmoud Charlie Abbas, o novo crítico dos cartoons

abbas

As forças blasfemas atacam onde menos se espera.

Palestinian president Mahmud Abbas has ordered an investigation into a drawing of the Muslim Prophet Mohammed which appeared in a West Bank newspaper, local media reported Tuesday.

The cartoon, which appeared Sunday in Al-Hayat al-Jadida, depicted what appeared to be a giant Mohammed standing on top of the world, sprinkling grains of love and acceptance from a heart-shaped satchel.

Palestinian news agency Wafa quoted Abbas as deeming it “necessary to take deterrent measures against those responsible for this terrible mistake.” (…)

Abbas joined world dignitaries including Israeli President Benjamin Netanyahu on a symbolic march through the streets of Paris days after the attack. (…)