Derrota esmagadora da esquerda nas eleições municipais em França

Os resultados da segunda volta das eleições municipais francesas confirmam e acentuam a derrota esmagadora do Partido Socialista: Municipales : la déroute se confirme pour le PS

Une abstention toujours forte, de nouvelles mairies Front national, de grandes villes perdues par les socialistes : le second tour des municipales accentue les tendances du premier.

Continuar a ler

Leitura dominical

A pobreza observada, a crónica de Alberto Gonçalves no DN.

Segundo dados do INE, a taxa de risco de pobreza em Portugal aumentou em 2012 para 18,7%. Dito assim, parece justificado o alarme geral e a presença nas televisões de estudiosos aflitos. Porém, ao acrescentar-se, de modo a acentuar as sombras, que a taxa é a mais elevada desde 2005, obtém-se o efeito inverso ao desejado e a coisa muda de figura. Se não erro, em 2005 os poderes públicos tinham acabado de construir uma resma de úteis campos da bola (e organizado o “melhor Europeu da História”), planeado o TGV e prometido o futuro aeroporto de Lisboa, entre outros desígnios nacionais que nos haveriam de conduzir à felicidade eterna. Os tempos, pois, eram risonhos, tão risonhos que o facto de o número de pobres de então superar o actual não incomodava ninguém, ou quase ninguém. E achava-se importantíssimo lembrar que os portugueses, incluindo os menos afortunados, não são números: são pessoas.

Infelizmente, as pessoas em causa vêem-se transformadas em números logo que os seus alegados paladinos necessitam de agitar estatísticas. As dramáticas condições de vida de perto de dois milhões de cidadãos, de resto uma quantidade relativamente estável ao longo da última década, constituem a garantia de uma vida desafogada para as centenas ou milhares que “combatem” a pobreza como se o salário deles dependesse disso.

E o engraçado é que depende. Não falo dos sindicatos, que há muito desistiram de investir conversa fiada nos desvalidos e passaram a ocupar-se dos funcionários do Estado. Nem falo das organizações caritativas, religiosas ou laicas, as quais, com boas ou duvidosas intenções, conseguem alimentar e vestir quem precisa. Falo das fundações, redes, associações e “observatórios” (?) dedicados, assaz naturalmente, a observar a desigualdade e a pobreza – à distância, claro.

Não gostaria de ofender essas prestimosas entidades, mas desconfio do empenho em salvar os pobres quando os salvadores carecem dos mesmos para se alimentar, vestir, pagar a renda, viajar (os voos para reuniões em Bruxelas são indispensáveis) e, em suma, existir. Se não faz sentido um observador de pássaros pretender dizimar as populações de rouxinóis, estorninhos e toutinegras, também não se compreenderia que os observadores da pobreza desejassem genuinamente a erradicação desta. Ou, se quisermos um exemplo familiar ao capitalismo “selvagem” que tanta indignação suscita, seria estranhíssimo que a Pizza Hut se mostrasse preocupada com o avolumar de apreciadores de queijo derretido.

Donde a perversidade da retórica em voga: espreita-se o “telejornal” e leva-se com “técnicos” autodesignados para “analisar” os pobres (da maneira que se analisa os aminoácidos), enquanto desfiam percentagens que “provam” o respectivo crescimento (a pobreza, nova ou velha, envergonhada ou indecente, escondida ou escancarada, cresce independentemente das circunstâncias). A terminar, lançam meia dúzia de “conclusões”, embora sobretudo concluam a urgência em reforçar os apoios às fundações, redes, associações e “observatórios” a que pertencem. A observação da pobreza não pode ficar entregue a pés-rapados.

Entretanto, no mundo real, os pobres melhor ou pior subsistem. Por culpa do azar no berço ou na vida e da ancestral confiança na acção divina ou política, incontáveis (salvo pelo INE) desgraçados andam e sempre andaram por aí, curvados sob o peso da miséria e o olhar estudioso de oportunistas.

Laughing out very loud: crise diplomática porque se chamou fáceis às polacas

Ainda não parei de rir desde que dei há minutos com esta reação ao texto do Henrique Raposo (via Paulo Pinto Mascarenhas e, nos inícios dos inícios, o João Villalobos). Vamos lá por partes. Também não gostei do texto do Henrique. Não por causa da facilidade comparativa mas por se dizer que as portuguesas se arranjam pouco. O Henrique correu o risco de levar com um e-mail a chamar-lhe nomes ou de uma conversa com a sua mulher a encomendar-lhe uma descompustura, se não mesmo a aconselhá-la a uma greve de sexo, até que o Henrique escrevesse que as mulheres portuguesas são perfeitas, conseguem sem esforço o equlíbrio entre o elegante e o sexy e por aí adiante. Vamos por partes, e resumidamente, que tenho pouco tempo.

Alínea a. Obrigada, embaixada da Polónia. Fizeram o meu dia.

Alínea b. As mulheres são objetos sexuais. (Os homens também.) O problema não está em serem objetos sexuais. Está em serem apenas vistas e tratadas como objetos sexuais. (Tal como há problema em serem vistas e tratadas como seres assexuados existentes para darem filhos ao seu marido, à sua religião ou ao seu país.)

Alínea c. Estaremos muito mal quando os homens deixarem de ver as mulheres como objectos sexuais. (E o mesmo com os géneros ao contrário.) (Link via Ana Margarida Craveiro.)

Alínea d. É mesmo hilariante que alguém acuse o Henrique – que, refira-se, não fez qualquer juízo negativo sobre as polacas – de sexismo ao mesmo tempo que se empenha em defender a virtude sexual das mulheres do seu país. Bye bye revolução sexual.

Alínea e. Se a diplomacia portuguesa alguma vez se deparar com acusações de facilidade às mulheres portuguesas, façam-me o favor de não gastarem o dinheiro dos contribuintes com reações a isso.

Acrescento ali para a alínea d: estão mesmo a ver que, se alguma cronista de um jornal de referência escrevesse que os polacos são uns garanhões sempre prontos a satisfazer o mulherio, a embaixada da Polónia também reagiria do mesmo modo, não estão?

Revelação e choque

Vladimir Putin

Em discurso na Duma no qual Vladimir Putin assinalou o momento histórico da anexação da Crimeia, não explicou a presença daquelas pessoas vestidas de verde que da Crimeia nos entravam televisão dentro e que não aparentavam serem adeptos de uma qualquer claque armada do Sporting, Celtic ou Moreirense. O Presidente russo, na altura, explicou que “as forças militares não entraram na Crimeia, já lá estavam ali em consequência de um tratado internacional. Falamos de 25 mil soldados.”  Hoje, o mesmo Putin realça o corajoso comportamento dos militares russos. O homem é excepcional.

A anexação de Putin e o estado da russofonia

More than 1,500 rallied on Independence Day in Minsk on March 25, carrying Belarusian and Ukrainian flags.

A ligação da Bielorrússia à Rússia é proveitosa dada a política de baixo preço de gás e combustíveis russos. Alexander Lukahsenko continua a administrar o país como se da sua casa se tratasse: sem um único opositor no Parlamento. Também aqui Alexander Lukahsenko será o ditador em exercício…enquanto a Rússia quiser.  Não foi preciso esperar muito para ver Alexander Lukashenko exprimir o apoio necessário à Rússia e permitir na sua coutada pessoal uma manifestação de apoio à Ucrânia. Com uma participação diminuta, não deixa de ser a maior desde a contestação interna, em 2011. Esta manifestação só é possível com a permissão de  Lukashenko. Algo está podre no império russófono.

Costumes liberais e fait-divers II

All Men In North Korea Are Now Reportedly Required to Get the Same Haircut as Kim Jong Un

Sabemos que a crítica social dirigida à Coreia do Norte não é mesmo nada inocente. Espero que a crítica fashion-capilar o seja.

Crime e castigo

Porto de Mós, Lagos

Porto de Mós, Lagos

Apos ter visto que há quem promova de forma activa a recuperação de condenados, reparo na mesma lista da agremiação liderada por António José Seguro na presença de Júlio Barroso um ilustre filho de Lagos, premiado certamente por ter sido o obreiro da bancarrota da minha cidade. Quando pensava que a realidade atingira o fundo do abismo, choco de frente com a notícia factual de Armando Vara ter visto “o sonho de carreira” destruído pelo processo Face Oculta. Parece inesgotável o filão do humor repulsivo.

Ontem, no Porto Canal e na RTP

Para os interessados, aqui fica o video do Especial Informação de ontem do Porto Canal dedicado aos 4 anos de Pedro Passos Coelho na liderança do PSD, no qual fui um dos convidados juntamente com Manuel Carvalho, do Público, e Pedro Bacelar de Vasconcelos, da Univ. do Minho.

No que diz respeito a aparições mediáticas insurgentes, mais ou menos à mesma hora, mas na RTP e com muito mais bom gosto, a Maria João Marques esteve no Prós & Contras, que pode ser visto aqui.

Entretanto, ontem pelas 19:00, também no Porto Canal, o Luís Aguiar-Conraria foi o convidado em estúdio no programa Testemunho Directo, que pode ser visionado aqui.

Last but not least – e mais uma vez no Porto Canal – Pedro Arroja teve o seu habitual espaço de comentário no Jornal Diário (mas não consegui encontrar video).

Resposta de José Rodrigues dos Santos às críticas sobre a entrevista a Sócrates

José Rodrigues dos Santos defende-se de críticas sobre entrevista a Sócrates

RESPOSTA DE JOSÉ RODRIGUES DOS SANTOS AOS COMENTÁRIOS PUBLICADOS NESTA PÁGINA À ENTREVISTA FEITA PELO JORNALISTA A JOSÉ SÓCRATES, NO DOMINGO, DIA 23 DE MARÇO DE 2014, NA RTP1:

Continuar a ler

No Fio da Navalha

O meu artigo de hoje no i, sobre o longo caminho do PS em direcção à austeridade.

O alvo fácil

O PS, por via do vice-presidente da sua bancada parlamentar José Junqueiro, veio dizer que, caso seja governo em 2015, não reporá de um dia para o outro os salários cortados nos últimos anos. Esta afirmação é muito interessante. Porquê? Porque com ela dá-se o primeiro passo para que a classe política reconheça que, não estando interessada em fazer uma reforma do Estado que permita uma redução substancial da despesa pública, os salários não só não serão repostos como poderão ser novamente cortados.

O mesmo se diga dos impostos. Enquanto este, ou qualquer outro governo, não reformar o Estado, reduzindo substancialmente a despesa pública, os impostos terão de ser aumentados. O problema hoje já não é, como há dez anos, não haver espaço para a redução dos impostos. No ponto em que estamos, e porque se adiou o indispensável, só há espaço para que os impostos sejam aumentados.

O leitor dirá que não pode ser, que a economia não aguenta mais. É verdade, não aguenta. O que não quer dizer que não se siga por essa via. Veja-se bem o seguinte: já há muito tempo que a economia, as empresas e as pessoas não aguentam a carga fiscal e, apesar disso, esta tem aumentado. Porquê? Porque foi sendo a decisão mais fácil. É verdade que já muitos saíram do país, fugindo do estado que nos consome. No entanto, há sempre alguém que se esforça e consegue dar a volta. Alguém que se sacrifica e arranja umas economias. As pessoas tornaram-se o alvo fácil do socialismo.

sócrates ‘não vinha preparado’ para parar de mentir

O comentário-barra-entrevista da criatura socrática ontem, com José Rodrigues dos Santos, está a dar que falar. A expressão ‘não vim preparado para isto’ já entrou na cultura pop humorística, o que é bom, porque, de facto o melhor que se pode fazer com certos tiranetes é rirmo-nos deles.

Eu vi mais de metade (não consegui ver tudo, que eu tenho dois filhos pequenos que necessitam da mãe com sanidade mental) do vídeo que ontem estava no youtube do programa. Foi a primeira vez que vi o espaço de tempo de antena e reescrita da História recente da criatura socrática e verifiquei que está igual: sem vergonha na cara, mentindo, sem perceber que não é uma criatura predestinada a quem as regras dos comuns mortais não se aplicam. Disse coisas muito interessantes, a criatura socrática. Por exemplo, que governou sempre com rigor orçamental, ele que comprou as eleições de 2009 com um défice orçamental de 10% e que aumentou a despesa pública em termos absolutos todos os anos. Disse que sempre teve crescimento, apesar de em 2009 Portugal ter contraído quase 3%. E nos anos em que houve crescimento parece que pensa que tal se deveu à semi-divindade socrática em vez de às famílias e empresas. E, cereja no topo do bolo, justificou a austeridade em 2011 com o défice virtual recebido em 2006.

Perante todo este manancial de mentira, alienação e descaramento, os apoiantes da criatura dedicam-se a insultar José Rodrigues dos Santos – com o amor ao jornalismo livre que sempre se notou nas hostes socráticas – e a elogiar sócrates. O mesmo é dizer, elogiando a propensão para a mentira de sócrates. Há gente tão burra e tão sectária que merecia pagar a totalidade do empréstimo da troika que impuseram ao país.

O mundo é a minha aldeia

Claro que o mais incompreensível é o facto de a notícia mais escandalosa da visita da Michelle Obama à China não ser esta escolha de roupa da Michelle - para a qual não há explicação, justificação ou desculpa possível. Se as relações China-EUA se deteriorarem nos próximos meses, já todos sabemos o que culpar. Eu, por mim, pretendo escrever para a Vogue informando que se uma senhora que se veste assim voltar a aparecer na capa da revista, cancelo a assinatura.

Bom, chegando ao que interessa, li a notícia do DN sobre esta viagem de Michelle e sorri ao ler o último parágrafo: ‘As palavras de Michelle têm importância especial quando ditas na China, onde a censura mantém bloqueadas redes sociais como o Facebook e o Twitter, bem como páginas na Internet de vários meios de comunicação.‘ Isto é o que se chama euro-centrismo jornalístico. Ou, se nos sentirmos menos caridosos, ‘escrever umas coisas que ficariam bem numa redação do 9º ano mas são risíveis num jornal’. É o que dá escrever-se sobre uma realidade que se desconhece e aplicar-lhe os padrões ocidentais sem se perceber que lá há padrões diferentes. É mais ou menos o mesmo dos casos em que os jornalistas, para ilustrarem como os bens são caros na China, apesar do baixo rendimento médio, dão o exemplo do preço de um hamburguer no McDonald´s ou de um café no Starbucks – sendo que estes restaurantes e cafés são considerados na China, bem como as restantes marcas de fast food ocidentais, locais de luxo caríssimos frequentados pelos chineses ricos; o chinês médio tem à sua disposição restaurantes de comida local e casas de chá baratíssimos e mais próximos dos gostos gastronómicos chineses.

O parágrafo referido não tem nenhuma incorreção. Simplesmente não tem nada a ver com a realidade chinesa. Quem lê a notícia fica a pensar que os pobres dos chineses não têm redes sociais para comunicar e protestar. Ora os chineses, sobretudo os urbanos, têm uma participação fortíssima nas redes sociais, não são é o twitter e o facebook. A mais popular é o Sina Weibo, uma mistura entre blogue e twitter. E estas redes sociais têm tido uma grande influência na formação da opinião pública, na denúncia de casos de corrupção ou de incompetências governativas dos vários níveis do estado e, até, de notícias que a censura chinesa de outra forma ocultaria. O caso paradigmático é o do acidente de combóio de Wenzhou, de que se pode ler alguma coisa da importância das redes sociais na informação e crítica depois do acidente aqui e aqui. E como a política chinesa é sempre feita de jogos de sombras, a indignação nas redes sociais depois do acidente foi usada para os jogos de poder dentro do PCC e para afastar o responsável político do acidente.

Como a realidade, sobretudo a chinesa, tem várias camadas e inúmeros tons de cinzento, podemos ler o que diz Yu Hua, o meu escritor chinês preferido, sobre o assunto numa entrevista recente ao China File. ‘My friend Emily Parker [...] did research on the Internet in the U.S., in Russia, and in China. She says in the U.S. the Internet was boring, in Russia it was dull, but in China it was fascinating. Why? Because China’s strict censorship was forcing people to be creative. They skirted around sharp corners to launch their critiques of the government, they became masters of disguise and subterfuge. By the time the government figured out what they were really saying and came after them, they’d switched tactics. I wrote an article about this for The International Herald Tribune. I said in this kind of cat and mouse game, the “mice taunt their adversaries, they make sure to have a bolt-hole right next to them.” Ironically, at least in my mind, China’s censorship hasn’t suppressed people’s critiques, it has sharpened them.’ (A propósito dos seus livros, também diz mais umas coisas sobre liberdade de expressão na China e sobre aspetos da chineseness que geralmente escapam aos ocidentais.)

Um jornalista que saiba do que fala e pretende dar ideia do controle das redes sociais pelas autoridades chinesas não fala da inexistência do twitter e do facebook na China. Fala do recente crackdown das autoridades aos bloggers influentes (o camarada Xi é menos liberal do que se esperava), quer proibindo que se espalhem ‘rumores’ nas redes sociais (i.e., denúncias de maus comportamentos dos burocratas do PCC) ou penalizando os autores de entradas replicadas mais de 500 vezes, e que já levaram a prisões de bloggers e, inevitavelmente, à diminuição da participação nas redes sociais. Mas isso, lá está, é para quem sabe do que fala.

Escândalo para sócrates: alguém faz serviço público na RTP

Mas que aborrecido. Uma pessoa é convidada para um espaço de tempo de antena e reescrita da História recente, na televisão pública, aceita e acaba por ser confrontada com um jornalista que tem as ideias avariadas e pensa que fazer jornalismo não é deixar um ex-político – e aspirante a novo poiso político – dizer os disparates que lhe apetece, mas sim confrontar o dito com o que disse anteriormente e contradiz o que diz agora. Esta gente que tem a mania de fazer o seu trabalho é uma nuisance. A sorte do jornalista travestido é que o ex e wannabe-futuro político por agora não manda nada, que se mandasse o atrevido jornalista já ia ver que bem que sabe um exílio profissional.

 

«Sócrates irrita-se: “Não vinha preparado para isto”

 

[...]Rodrigues dos Santos foi ao “arquivo”, como se referiu o jornalista às notícias que trouxe com declarações de Sócrates para o confrontar com afirmações suas antigas, em que, por exemplo, defendia a necessidade de “consenso” ou de fazer “tudo o que for necessário” para atingir metas orçamentais.

Sócrates foi ficando cada vez mais irritado e explicando sempre as suas afirmações com o contexto da época – de um “governo sem maioria” ou apontado “a diferença” da política do seu executivo com a do Governo atual de Passos Coelho. “Sempre estimulei o crescimento económico”, contrapôs à ideia “perigosa” da austeridade “que conduz ao descontrolo da dívida”. “Por que é que um Governo que se concentra apenas na austeridade tem estes resultados?”, atacou, descrevendo que a dívida e o défice continuaram a aumentar. “Os seus arquivos também deviam dizer isto”, apontou o ex-primeiro-ministro.

No ajuste de contas entre passado e presente, Sócrates afirmou que “esta austeridade cega mata-nos”, recordando as “apostas” da sua governanção nas energias renováveis ou no parque escolar, por exemplo.»

Talvez seja bom, daqui a 15 dias, que JRS vá acompanhado não só dos seus arquivos, mas também de publicações do INE. Sempre seria interessante que a criatura socrática fosse confrontada com os resultados da sua preocupação com o crescimento económico, que parece que o melhor que conseguiu foi um acrescimento abaixo dos 2% em 2007. E que desde 2000 que Portugal está, nos bons anos, estagnado; nos maus está em crise. Se bem que sócrates pode sempre dizer – evidenciando pela primeira vez na vida uma réstea de gosto – que no meio de tanto Kant também leu o Pride and Prejudice e socorrer-se da citação da Lizzie: ‘But in such cases as these, a good memory is unpardonable.’

Derrota esmagadora para o Partido Socialista nas eleições municipais francesas

Le Parti socialiste à la peine

Mécontentement de ses électeurs, divisions au premier tour : l’issue du scrutin s’annonce, au mieux, mitigée pour le PS. Symboles du reflux qui se dessine : à Florange, localité emblématique des promesses puis des difficultés de François Hollande, le maire PS sortant Philippe Tarillon est battu dès le premier tour par l’UMP Michel Decker. Ville de gauche depuis soixante ans, Niort a également basculé à droite avec la victoire du radical Jérôme Baloge. Dans plusieurs autres villes importantes, les maires socialistes sortants sont devancés par leurs rivaux UMP ou UDI – comme à Toulouse, Limoges, Quimper, Amiens, Saint-Etienne, Laval ou encore Angers. Les alliances de l’entre-deux-tours pourraient néanmoins permettre à la gauche de rattraper son retard.

Continuar a ler

Leitura dominical

A ternura dos setenta, a opinião de Alberto Gonçalves no DN..

Há pouco tivemos o manifesto pela “reestruturação” da dívida. Agora temos o BE, o PCP e o relevantíssimo pingente chamado PEV a pedir que as eleições europeias constituam um voto de protesto contra a austeridade. Sendo partidos parlamentares e pouco admiradores da democracia, não sei o que os leva a esperar pela decisão popular, inevitavelmente incerta e ambígua: a extrema-esquerda podia muito bem cortar caminho e submeter o voto de protesto à Assembleia da República. Com alguma sorte, e a abstenção ou a distracção de meia dúzia de deputados da maioria, talvez se conseguisse proibir a austeridade mediante decreto.

Aliás, é difícil perceber porque é que a austeridade, e não só a austeridade, ainda não foi abolida. Uma nação tão virtuosa e legalista já devia ter interditado por lei a austeridade, a dívida, o défice, a crise, a sra. Merkel, o FMI, a gripe sazonal e a família Carreira. Em contrapartida, urge considerar obrigatório: a felicidade; o salário médio luxemburguês; o crédito externo sem juros nem prestações; a solidariedade europeia; o direito às trufas; o Mercedes; o spa no jardim de casa; o jardim de casa; a casa e a abundância em geral.

É verdade que a Constituição já não anda longe de semelhantes desígnios, mas carece de uma ou duas revisões para consagrá–los. Excepto a realidade, o que nos impede?

Jorge Coroado na CMTV sobre as equipas de Lisboa e os árbitros

Jorge Coroado, no programa “Liga Futre” da CM TV (via Reflexão Portista: A “fruta” de Lisboa):

“O Benfica, à semelhança daquilo que faziam a maioria, a generalidade dos clubes, ao receber as equipas de arbitragem, naquele tempo, cá em Lisboa, as equipas de Lisboa levavam as equipas de arbitragem para um estabelecimento nocturno muito conhecido. E uma equipa de arbitragem, chefiada por um árbitro francês muito conhecido, foi para esse estabelecimento e quando estava lá dentro o árbitro tinha uma senhora na mesa, a acompanhar a equipa de arbitragem…”

O Livre e a estratégia para afastar Seguro

O Livre pode mesmo ficar Preso. Por Vitor Cunha.

O que faria eu se me pedissem uma estratégia para afastar Seguro rapidamente do Partido Socialista? Sugeriria fragmentar o mais possível o voto da esquerda, esvaziando a vitória de Seguro, criando-lhe o embaraço de não conseguir obter uma maioria arrasadora numa eleição que é tradicionalmente de voto de protesto.

Continuar a ler

França, 2014

Apesar de se tratar de França e de eleições (municipais) os apelos para que os fiéis optem pela abstenção roçam o fantástico.

Anâ-Muslim is a nonprofit organisation recognised by the French state. Its members share their vision of Islam on the organisation’s website, on its Facebook and Twitter pages, and onYouTube. A few days ago, Anâ-Muslim called on Muslims to boycott French municipal elections, which will take place on March 23 and 30. They explain this decision by using various religious arguments and by saying that for a Muslim person, “voting is an act of submission … while abstaining is an act of resistance”.On its website, the organisation explains that this campaign is aimed at Muslim people between 18 and 40 years old. They argue that refusing to participate in French politics is a way to “preserve their faith”: “Voting means recognising the power of men on earth and giving them absolutely sovereignty to create their own laws that have nothing to do with Islam.” The organisation’s goal, as described in their mission statement, is to “teach Islam to Muslims … because Muslims are the only ones who can control their destiny … and contribute to Islam’s resurgence so that humanity may be saved”.

O pior momento possível para não pagar a dívida

Muita gente parece ainda não ter percebido que os custos internos para Portugal de um default (ainda que parcial) da dívida aumentaram exponencialmente com o bailout. O melhor momento para considerar essa opção teria sido antes do pedido de ajuda externa, fosse em alternativa ao bailout ou como uma das condições subjacentes a esse mesmo bailout.

Luís Aguiar-Conraria sobre os erros dos manifestos: Erros Manifestos

Qualquer que seja o eufemismo escolhido – renegociação honrada, perdão de juros, perdão de dívida, alargamento das maturidades, períodos de carência de juros, etc. – manda a honestidade intelectual que se diga que uma reestruturação da dívida implica sempre perdas de capital para os detentores dos títulos de dívida. Quem suporta essas perdas? Há uns anos, ameaçar com o incumprimento da dívida seria, também, ameaçar bancos estrangeiros. Hoje, o que devemos à troika é cerca de 40% da nossa dívida e, dos restantes 60%, a maioria está em bancos portugueses. Nós somos os nossos próprios credores. Podemos ameaçar que somos nós os principais ameaçados.

Continuar a ler

Tudo rapazes encantadores, amigos do seu amigo, ajudam as senhoras de idade a atravessar a rua e por aí adiante

«To celebrate the Persian New Year on Friday, Iran’s Supreme Leader Ali Khamenei decided it was an opportune time to again deny the existence of the Holocaust. Speaking in Mashhad, he declared that “the Holocaust is an event whose reality is uncertain and, if it happened, it’s uncertain how it happened.”»

«In what many Twitter users in Turkey called a “digital coup”, Telecom regulators enforced four court orders to restrict access to Twitter on Thursday night, just hours after the prime minister, Recep Tayyip Erdogan, vowed to “eradicate” the microblogging platform in an election speech.

The disruption followed previous government threats to clamp down on the social media and caused widespread outrage inside and outside Turkey.»

Porquê?

O meu artigo no Diário Económico sobre a Jardim Gonçalves e a prescrição.

Porquê?

Uma vez mais, uma prescrição atirou para debaixo do tapete, uma vileza que dificilmente vai ser esclarecida. Neste caso da prescrição das contra-ordenações do Banco de Portugal a Jardim Gonçalves, questiono-me da rapidez com que as acusações foram lançadas para a praça pública e o prestígio de um banco foi atirado para a sarjeta; da lentidão com que se lidam com os assuntos quando estes já não se encontram na ordem do dia, ou para piorar o cenário, os estragos já estão feitos.

Mais do que a multa que ficou por pagar é a gravidade do que ficamos sem saber. Por que motivo se foi tão célere, no decorrer de 2007 e 2008, na acusação das actividades bancárias de Jardim Gonçalves dentro do BCP, e agora estas prescrevem? O que é que interessava à época que já não é importante agora?

Magistrados e Banco de Portugal já trocam acusações sobre quem foi o responsável pela prescrição do processo. É mais lenha num fogo perigoso que queima a credibilidade do sistema judicial e alimenta a ideia de favorecimento de poderosos. Desconheço se houve ou não esse favorecimento no caso concreto, mas o certo é que, tendo havido, terá este existido no passado quando as queixas e acusações foram lançadas? Ou indo um pouco mais ao fundo da questão, será ainda legítimo que se pergunte: se houve agora favorecimento com a prescrição, o que se terá passado há sete, oito anos quando esta história começou?

Infelizmente, a resposta não virá dos tribunais, mas da história que será escrita mais tarde e que, esperemos, seja devidamente fundamentada. A história que investigue e que nos descreva, não só os episódios à volta do que se passou com a administração do BCP, mas também os referentes à forma como o estado e a Caixa Geral de Depósitos conseguiram entrar no maior banco privado português.

Dear Vladimir, I Speak Russian Too. Please Send Troops!

Volgda newspaper editor Roman Romanenko: "We all totally speak Russian here, and our rights are frequently violated."

Se a carta chegar a Putin, acredito que a lerá. Roman Romanenko também tem esperança.

“We’ve learned that you want to send troops to Crimea to defend the rights of the Russian-speaking population,” Romanenko typed. “In relation to that, we have a big request — to send troops into Vologda. We all totally speak Russian here, and our rights are frequently violated.” (…) “You’re planning to spend a lot of money to normalize life in Crimea,” he hinted gingerly. “I hate to ask, but is there any chance you could spend that money on normalizing life in Vologda?”

Adenda: Mudei de opinião. Na Crimeia, finalmente há justiça. Tem um nome e 33 anos.