Nova oportunidade para os críticos de cartoons XII

Akram Raslan

Cartoonista Akram Raslan morto. Os créditos são do regime sírio.

It is with great sorrow that the Gulf Centre for Human Rights (GCHR) has received news of the killing of Syrian human rights defender and cartoonist Akram Raslan. Raslan, the Cartoonists Rights Network International (CRNI)’s 2013 winner of the Award for Courage in Editorial Cartooning, died under torture in a government detention center a few months after being arrested in October 2012 at his workplace in Hama. There had been no confirmed news until today of Raslan’s whereabouts since he was detained three years ago.

After he was severely tortured, Raslan’s health reportedly deteriorated suddenly and as a result, he was transferred to a hospital for treatment. It is reported that he died at that time and a witness has confirmed it today.

GCHR believes that Raslan was tortured due to his human rights work and for exercising his right to freedom of expression. He was well known for his courageous cartoons, which accompanied the early developments of the Syrian conflict, highlighting the violations against the Syrian people, which he published in several journals and websites.


Compreender o putinismo XXIX

Embaixador russo no Reino Unido defende Jeremy Corbyn dos ataques de David Cameron.

It is difficult to overestimate the significance of Jeremy Corbyn being elected by an overwhelming, mostly young people’s majority, the new leader of the Labour party and, thus, leader of the official parliamentary opposition. This is nothing short of a radical breakthrough in British politics of the last 30 years, which have never stepped beyond the so-called Thatcherist neo-liberal consensus of the establishment. In fact, the establishment, mostly under the pretext of the end of the Cold War and the disintegration of the Soviet Union, proceeded from the premises that the new era is one of single-option policies, particularly in social and economic matters. This absence of pluralism was all the more visible against the backdrop of an economic downturn as austerity was being enforced upon people despite the fact that, according to independent experts, it offered no solution to the crisis. Now financial inequality is on the rise, the middle class is shrinking, the post-war ‘social contract’, which aimed to build a social economy or what one might call capitalism with a human face, has been practically scrapped.

Naturally, foreign policy too, while its obvious failure was made clear by the migration crisis in Europe, was passed off as the correct and the only possible one. This couldn’t last forever due to the growing pain of the crisis and self-destructive power politics adopted by the West in foreign affairs, and by virtue of traditional democratic instincts of the British. One should only be surprised at how long the elites have been able to contain political discourse within this framework to their own advantage.

Corbyn’s first address to Parliament has shown that this man has also effectively changed the format of parliamentary discussion by appealing to concerns voiced by the citizenry via the internet. Naturally, the austerity policy has been challenged fist off. Equally, full display is now given to alternatives in foreign  and defence policy reflecting the views of Jeremy Corbyn, which he has been open about and, quite naturally, made part of his democratic mandate. Those include opposition to military interventions of the West, support for the UK’s nuclear disarmament, conviction that NATO has outstayed its raison d’etre with the end of the Cold War, just to name a few.

Generally speaking, Europe, and more recently the US, have witnessed a surge of anti-system sentiment of the electorate, the rise of political movements and forces born out of it. This is a natural process that is hard to stop, and which, in its essence, aims to restore balance in social and economic policy of Western governments and overcome the shift towards power politics in global affairs.

It is against this backdrop that David Cameron said on Twitter that Jeremy Corbyn posed a threat to Britain’s national security, economic security and the security of just about every British family. As media reports suggest, these messages constitute the Conservative government’s strategy to counter the threat posed by Jeremy Corbyn and his mandate.

Such flagrant approach to the results of an absolutely democratic process made it hard to resist posting a comment, which I did. To say the truth, I did not anticipate such resonance, including outside Britain. It struck a chord with many due to the context of it, and I’m sure that context is decisive. As might be the method, in this case a democratic one. There is no ‘one’s own’ or ‘someone else’s’ democracy as there is no desired or dangerous one.

I agree with those political observers, who believe that this country in on the verge of a historic shift, which is imminent not only in Britain, but in the West as a whole. Essentially, this is a result of moral and intellectual decline of political elites, who in deed, if not in word, have drawn the wrong ‘end of history’ conclusions from the end of the Cold War: there are no alternatives to neo-liberal policies, the market will sort it all out automatically etc.

A vitória do Syrisa e António Costa


Tinha a noção que António Costa não ia desiludir no melhor comentário às eleições gregas.

O Público dá conta que:

O secretário-geral do PS considerou neste domingo que a vitória do Syriza significa que os gregos recusaram regressar ao caminho da direita e afirmou esperar que agora seja virada a página da crise na zona euro. (…)

O líder socialista recusou que o resultado das eleições na Grécia tenha influência no ato eleitoral de Portugal a 4 de Outubro, mas considerou que os gregos “recusaram manifestamente regressar ao Governo de direita” e disse esperar que o resultado “contribua para virar a página da crise na zona euro”.

Falando aos jornalistas no final de um jantar comício do PS em Seia, o líder socialista manifestou esperança que a Grécia “encontre um caminho de estabilidade e seja aliviado o sofrimento que a austeridade tem imposto ao povo grego ao longo destes anos”.

“Tenho esperança [que o resultado] contribua para a tranquilidade na zona euro, conferindo a todos os Estados-membros a serenidade que é necessária”, declarou.

Interrogado se o resultado do ato eleitoral grego terá efeitos nas eleições legislativas portuguesas, António Costa usou a ironia para responder: “Não creio que haja algum círculo eleitoral de Portugal na Grécia”. (…)

Ao que parece para o líder do PS, a agremiação política Gregos quem Tspiras governou e vai governar não será mais do que o quase extinto partido socialista grego (PASOK) ao qual não enviou sequer o esperado abraço fraterno, quando na realidade é um partido de direita populista e com tiques de xenófobia temperado com uns pozinhos de nacionalismo bafiento.

De facto, a página foi virada pelo Syrisa ao fazer tábua rasa do que prometeu e ao alcançar um acordo com os credores (antiga Troika) em condições muito piores, mais pesadas e humilhantes para os gregos . Em resumo, a vitória do Syrisa continua a ser  um sinal de mudança que dá força a António Costa para seguir a mesma linha. António Costa também não desilude no faz de conta.

Melhor comentário às eleições gregas aC*

#GreekElections So, the Trotskyists in first place, the Nazis in third. Remember how European integration was supposed to quell extremism?

Daniel Hannan ‏@DanHannanMEP

*antes do Costa

Notícias de Cuba

Papa Francisco e Fidel Castro falam sobre o ambiente e trocam ofertas de livros.

Dozens of Cubans detained as Pope celebrates Mass, meets Fidel Castro.

Pândega na ONU

A Arábia Saudita foi eleita para presidir à Comissão dos Direitos Humanos da ONU.

The United Nations has appointed Saudi Arabia representative Faisal bin Hassan Trad as head of a key human rights panel that is tasked with naming experts that determine global human rights standards. Among those criticising the UN for the appointment is non-governmental watchdog UN Watch and Ensaf Haidar, the wife of the imprisoned blogger Raif Badawi, who has been flogged in public in Saudi Arabia.

Haidar claimed that this will lead to Saudi being able to flog Badawi again. UN Watch has called upon US ambassador to the UN Samantha Power and EU foreign minister Federica Mogherini to condemn the appointment.

UN Watch director Hillel Neuer said that the choice is scandalous, saying that the country has beheaded more people in 2015 than the Islamic State has. “Petro-dollars and politics have trumped human rights,” he said. “Saudi Arabia has arguably the worst record in the world when it comes to religious freedom and women’s rights, and continues to imprison the innocent blogger Raif Badawi.

“This UN appointment is like making a pyromaniac into the town fire chief, and underscores the credibility deficit of a human rights council that already counts Russia, Cuba, China, Qatar and Venezuela among its elected members.”

Leitura dominical

Um dia teremos saudades da troika, a opinião de Alberto Gonçalves no DN.

Com a pompa digna de um Watergate, o Público divulgou uma carta de Passos Coelho a Sócrates em 2011 e explicou que o então líder do PSD “exigiu” ao então primeiro-ministro “que pedisse apoio externo para resolver os problemas financeiros do país”. A pompa é exagerada. A divulgação é redundante (a carta era conhecida). A explicação é desastradamente falsa.

Na carta em questão, não há – nem poderia haver – qualquer exigência: há a verificação de que o país estava na iminência da bancarrota, de que era fundamental impedir a dita e de que, “se essa [viesse] a ser a decisão do governo”, o PSD não deixaria de “apoiar o recurso aos mecanismos financeiros externos”. Embora, dado o “enquadramento”, o jornal quisesse provar o contrário, Passos Coelho sai do episódio como o sujeito responsável que, ao invés de Sócrates, observou os interesses nacionais à frente dos privados. A propaganda assumida ou “amiga” de António Costa soma desastres.

Nenhum desastre, porém, se compara ao que sucederia a Portugal na ausência da troika. Numa campanha em que tipicamente não se discute quase nada, discute-se muito a autoria do convite à troika. Andará tudo doido? É uma possibilidade. Por esta altura, até uma criança deveria saber que a troika veio a pedido formal do PS, para alívio dos quatro quintos da população que não anseiam pelo caos e para desgosto de Sócrates, que, a exemplo de dúzias de estadistas notáveis pelas piores razões, preferia espatifar a pátria do que cair antes dela. Graças à insubordinação de Teixeira dos Santos, ainda bem que a troika veio. Ainda bem que Passos Coelho compreendeu a necessidade dessa vinda. Ainda mal que a coligação aproveitou tosca e parcialmente a oportunidade.

A única acusação mais bizarra do que culpar o PSD pelo advento da troika é acusá-lo de, no poder, ter excedido as respectivas exigências. Ou, no jargão das cabecinhas ocas, de ter “ido além da troika”, a outra obsessão infantil da semana. É claro que, por opção própria ou ordem da Sagrada Constituição, o governo ficou aquém da troika, cujas condições sugeriam implicitamente as reformas que não se fizeram ou fizeram pela rama. Com a ajuda do fisco, lá se cumpriram os arranjos genéricos e, sob o verniz, manteve-se quase tudo na mesma. De vez em quando, aterravam por aí uns estrangeiros a constatar o progresso escapatório das “medidas”. No prazo previsto, foram à vida deles, convictos de que as nossas não têm salvação.

A questão, insisto, não é condenar quem chamou ou apoiou a chegada da troika, mas quem a deixou partir. Sozinhos, ou soberanos de mão estendida, não vamos longe. E, com o PS mortinho por anular o pouco que a troika remendou, nem iremos perto.

António Costa e a ala syrizista socialista

Na Grécia, o líder da Nova Democracia já reconheceu a derrota e deu os parabéns a Tsipras. Por cá, o António Costa já reafirmou que esta vitória lhe dá ainda mais força força para seguir na mesma linha?

Sunitas versus xiitas explicado às pacíficas criancinhas


Ali Mohammed al-Nimr, tinha 17 anos quando em 2012 participou numa manifestação anti-governamental na Arábia Saudita. A acusação alega que al-Nmir tinha em sua posse uma arma de fogo – algo nunca visto no Médio Oriente e muito menos no reino saudita. A condenação à morte será finalizada através de crucificação. Mas se pensam que a condenação é bárbara, estão errados… porque antes, al-Nim será decapitado por quem de direito.

Falta acrescentar que Ali Mohammed al-Nimr é xiita e familiar de um clérigo xiita Nimr al-Nimr, entretanto preso e também ele condenado à morte por conspiração externa. Agora imagine-se se sunitas e xiitas estivessem em guerra milenar o que seria do Médio Oriente, do resto do mundo árabe e claro de Israel, o eterno culpado..

Segredos porreiros do pan-arabismo

Em relação às vagas de refugiados, o esforço dos países árabes representados pela Liga Árabe é… secreto.

El secretario general de la Liga Árabe, Nabil al Arabi, defendió hoy la contribución de los países de la región en la crisis de los refugiados sirios y rechazó algunas críticas en este sentido, en una rueda de prensa en la sede del organismo en la capital egipcia.

“Los esfuerzos de los países árabes no se conocen”, dijo Al Arabi haciendo referencia a las críticas aparecidas recientemente en medios de comunicación internacionales, sobre todo respecto a la falta de iniciativa de la Liga Árabe y también de los ricos países del Golfo pérsico, que no han recibido a sirios con estatus de refugiados.


Ódio e insanidade: 11 de Setembro de 2001

Fotografía de arquivo do Departamento de Polícía de Nova Iorque que mostra a destruição das Torres Gêmeas no World Trade Center.  Crédito da Imagem:

Sobre as entrevistas a Passos e Costa

Mistificações, de Alberto Gonçalves no DN.

(…) No confronto entre Pedro Passos Coelho e António Costa, não houve derrotados evidentes. Não aconteceram calamidades. Nenhum dos candidatos foi especialmente encantador, nenhum é exageradamente repulsivo. Passos Coelho mostrou–se mais sincero (ou hesitante?), Costa mais frontal (ou plástico?). Nervosos estavam ambos, embora não em demasia. Passos Coelho delirou com alguns indicadores simpáticos. Repetiu eufemismos (ex.: “mistificação” em vez de “mentira”). Explicou-se razoavelmente, sendo, porém, incapaz de entusiasmar um corso carnavalesco. O Dr. Costa tropeçou tipicamente em metade das palavras e em dois terços das sílabas. Apresentou gráficos indecifráveis em televisão. Incorreu em sucessivas “mistificações” (a dívida da CML, de facto “reduzida” através da venda de terrenos ao Estado; ou o falso “corte” dos 600 milhões na Segurança Social). Descontada a coreografia, o que sobra? Satisfeito com o precário êxito, Passos Coelho dá a ideia de não levar o futuro em consideração. Comprometido à força com o abismo “socrático”, Costa é apenas passado. Um quis dirigir a conversa para os governos de José Sócrates (com relativo sucesso) e para a Grécia (nem tanto). O outro para a austeridade. Ignoro o que assusta maior quantidade de eleitores. Isto sobre o conteúdo (?). Sobre o invólucro, roçou o insuportável, agravado por três moderadores empenhados em impedir cinco frases seguidas. Em suma, o debate não esclareceu o que interessa às pessoas. Calha bem, já que suspeito que as pessoas também não se interessaram pelo debate, cuja vitória, diga-se, a “inteligência” atribuiu a Costa. Mas esse particular triunfo fora decidido à partida.

Razões bárbaras


Foram culturais as razões apontadas pelos censores sauditas para impedirem a distribuição e venda da edição da revista National Geographic que tem como capa o Papa Francisco, fotografado na Capela Sistina.

Natal e Páscoa socialistas com comemorações oficiais


Gobierno ordena conmemorar en colegios muerte y nacimiento de Chávez

(…)El Ministerio para la Educación publicó las Normas sobre Efemérides en el Calendario Escolar a través de la Gaceta Oficial N° 40.739 en las cuales establece como fechas conmemorativas el 28 de julio de 1954, como el natalicio del presidente Hugo Chávez y el 5 de marzo de 2013, en conmemoración de su fallecimiento.(…)

En el artículo 8 del Decreto se indica que la estrategia pedagógica para la celebración o conmemoración consta de tres partes: presentación del tema, personajes y fecha durante la semana de su celebración o conmemoración; realizar actividades alusivas tanto en la institución o centro educativo y con la comunidad e incorporar los proyectos pedagógicos de las distintas efémerides establecidas en la resolución. (…)

Ex-44, actual 33 é a versão lusa de “Putin sem petróleo”

We need to talk about Sócrates, a opinião de Rui Ramos n’Observador.

Houve mesmo “claustrofobia democrática” sob Sócrates, como uma vez disse Paulo Rangel? A pergunta não tem interesse apenas para a história de um governo. É que se Sócrates foi mesmo uma espécie de Putin sem petróleo, há que lembrar que o seu reinado só acabou quando a crise da dívida em 2011 lhe tirou os meios de fazer pagamentos e promover negócios. O fim do socratismo não foi uma questão de resistência cívica, mas de tesouraria. Fica-nos, assim, uma tremenda dúvida. Durante décadas, ensinaram-nos a temer um golpe de Estado clássico, com tropa na rua. Mas terá o regime forças para resistir a uma tentativa de dominação por dentro, a um golpe de Estado de bastidores, gradual e traiçoeiro, que não conte com a força das armas, mas apenas com as inibições de uma sociedade dependente? E se da próxima vez não faltar dinheiro? A questão socrática é neste momento a mais grave questão política que se coloca à democracia em Portugal. Esperemos que José Sócrates fale, e que todos falem. A casa do regime precisa de ser arejada.

Poesia farsi


Versão cantigas de amigo.

(…)President Rouhani said European countries must do their human and historical duties to help refugees.

Dr.Rouhani then expressed his deepest grief over the dire condition of refugees and immigrants at the borders of European countries, highlighting the role and responsibility of Europe in helping with this unprecedented refugee crisis.

Noting that Iran has welcomed the most number of asylum seekers from neighboring countries, Dr.Rouhani added, “I am glad that some European countries have taken a positive stance on helping refugees out of their harrowing situation. I hope all countries in Europe and other parts of the world soon join this trend and compensate for the shortcomings.”

President further underscored the need for a serious fight against terrorism, saying “all current problems encountered by refugees stem from extremist and terrorist groups. Terrorism has spread horror and terror across the regional countries and caused the displacement of innocent people. All the while, Europe too had experienced such severe conditions during World War I and thus must consider its historical responsibilities now.” (…)


Leitura dominical

Sentimentalismo caro, a opinião de Alberto Gonçalves no DN.

Quando redobraram as notícias sobre multidões que fogem para a Grécia e para a Europa em geral, pensei tratar-se de uma falha – nas notícias ou no GPS das multidões. Afinal, estivemos meses a aprender que na Grécia, e na Europa em geral, se vivia uma tragédia humanitária nunca vista. Contra todas as expectativas, havia tragédias assaz maiores já ali ao lado. E os que lamentavam a devastadora austeridade que nos caiu em cima são os mesmos que agora exigem a partilha da nossa ofensiva abundância com os desafortunados do Médio Oriente e de onde calha. De súbito, a Europa tornou-se rica e repleta de empregos, alojamentos decentes, mesas fartas, privilégios sem fim. É o lado bom da crise dos refugiados.

O lado mau é que os corpos dos refugiados, vivos ou mortos, continuam a dar à costa. Vale que a reacção dos europeus se revela de fulgurante utilidade: correr para o Facebook a partilhar a fotografia do cadáver de uma criança estendido na praia e a criticar a passividade da Europa. Ou a indiferença dos governos. Ou a desumanidade de um destinatário genérico que naturalmente exclui o próprio – e heróico – indignado em causa. Parece um concurso para apurar qual é o cidadão mais piedoso.

Por falta de candidatos, não é de certeza um concurso para apurar qual o cidadão que abriria as portas de casa ao maior número de refugiados. Descontadas as “dezenas” de voluntários de que falam as notícias, não vi muitas almas sensíveis passarem da sensibilidade à prática e afirmarem-se disponíveis para albergar, por um período transitório, dois sírios ou quatro curdos no quarto das traseiras. Possivelmente os refugiados perturbariam o sossego do lar, essencial para se alinhavar no Facebook manifestos de extrema preocupação com o destino dos refugiados. Esta atitude traduz a típica bravura moral de quem subscreve petições pelos pobres e não se digna olhar o mendigo que o interpela na rua. Ou de quem chora os “cortes” no SNS e não visita o amigo doente. Ou de quem protesta as touradas e não abriga um cão vadio. O sentimentalismo sem compromisso preza a higiene. E é, desculpem lá, uma treta.

Mas houve pelo menos um português que saltou por cima das tretas e foi directamente ao assunto: o combate ao Estado Islâmico. A Sábado desta semana entrevista Mário Nunes, o militar de 21 anos que desertou da Força Aérea para, ao longo de quatro meses, lutar contra os jihadistas na Síria. Porquê? Porque prefere “morrer a não fazer nada”. É maluco? Deve ser. Sensatos são os que ficam pelas ditas “redes sociais”, a repousar as consciências e a responsabilizar uma vaga Europa pelos refugiados que a Europa real acolhe, sabe Deus a que preço. Talvez não fazer nada, hoje, seja um dia meio caminho andado para uma morte precoce. Ou pior, dadas as carências do islão imoderado em matéria de compaixão.

O mundo não acabou mas a Síria vai mudar


Vladimir Putin: “We are already giving Syria quite serious help with equipment and training soldiers, with our weapons,” he said during an economic forum in Vladivostok on Friday, according to the state-owned RIA Novosti news agency.”

Ficam no ar duas dúvidas: estes homens aparentemente russos serão simplesmente reconhecidos como condutores de tractores e maquinaria agrícola pesada pró-Assad?Alguém sabe da manif da Stop the War Coalition?

Leitura complementar: O mundo não acabou ontem mas a Síria mudou hoje

Campanha socialista com elevação e ideias


Comboio da confiança versão tiro ao alvo. Aposto que o autor da irreverente ideia é o verdadeiro autor dos cartazes do PS.

JS faz tiro ao alvo (literalmente) à Coligação no Algarve

Latas com fotografias de elementos da coligação PSD/CDS e bolas para que as pessoas possam atirar e derrubar as latas. É desta forma que o JS está a fazer campanha à porta do festival F, em Faro.

A revolução não tem fronteiras

A culpa é do imperialismo ianque e dos sionistas.

A culpa é do imperialismo ianque e dos sionistas.

Navio boliviano foi flagrado com carregamento de armas para o Estado Islâmico

Guarda Costeira da Grécia encontrou 5.000 fuzis e cerca de meio milhão de munições que seriam entregues aos terroristas. As autoridades investigam se além de armas, o cargueiro também era usado para o tráfico de refugiados do Egito para Turquia (…)

O navio Haddad 1, partiu da cidade egípcia de Alexandria e, entre 17 e 29 de agosto, passou pelas cidades de Famagusta, no Chipre, e Iskenderun, na Turquia. As autoridades turcas suspeitam que, antes de ser carregado com armas no porto turco, o cargueiro boliviano tenha sido usado para transportarrefugiados do Egito para Turquia.

Registrado sob a responsabilidade do Ministério da Defesa da Bolívia, o navio Haddad 1 tem seus movimentos e registros de carga sob responsabilidade do governo de Evo Morales. Por lei, os armadores precisam reportar as rotas e os despachos de carga às autoridades de La Paz. Como a embarcação está envolvida em uma violação dos embargos da ONU, o governo de Evo Morales será obrigado a prestar contas sobre o uso de um navio com a bandeira de seu país em um caso de tráfico de armas e em outro possível crime: o de tráfico de pessoas.

Entretanto, a Bolívia prepara-se para ter um Presidente eterno.

É bonita a festa, pá

Acabou-se o sacrifício do nosso José SocratesAgora,a fase seguinte,a inocência!

Foto de José Lello.
José Lello, Isabel Santos, Augusto Santos Silva reagem à prisão domiciliária. “Para ser justo, devia ser libertado integralmente”.

A culpa é do hambúrguer


Da página oficial de Facebook António Costa consta a imagem que antecede este texto. Como se a imagem não valesse só por si, a legenda que compõe o resto do post rebenta com a escala de confiança. E reza assim a legenda:

“António Costa e Fernanda Tadeu casaram há 28 anos. Não houve festa mas sim um hambúrguer rápido no Abracadabra na Rua do Ouro com os padrinhos Diogo e Teresa Machado, antes de seguirem viagem para Veneza em lua-de-mel. António sempre soube gerir a sua vida pessoal e profissional e Fernanda tem sido o seu maior apoio.”

Infelizmente para a confiança ganha com este monumento de comunicação, o post do hambúrguer no dia de casamento de António Costa desapareceu por questões técnicas.

Como a confiança merece ser apoiada, nacionalizei a imagem ao Telmo Azevedo Fernandes. Que faz justiça aos protagonistas.


Leitura dominical

Europa é de fugir a crónica de Alberto Gonçalves no DN.

Quando um branco mata um negro, como às vezes acontece com alguns polícias excessivamente nervosos nos EUA, a sentença popular é imediata: trata-se, obviamente, de racismo. Quando, como aconteceu na quarta–feira, um negro mata dois brancos, filma os homicídios e despeja tudo no Twitter para efeitos de consagração, a coisa complica-se: o homem, para cúmulo, gay, era capaz de ser vítima de discriminação, o que legitima parcialmente o crime. O resto legitima-se com o direito de posse de armas, pelo que há que julgar a Constituição e prender o revólver.


Em matéria de malabarismo mental, não faltam casos parecidos. O terrorista do comboio francês, por exemplo, apenas queria roubar para comer. Pelo menos é o que jura a advogada dele, que descreve um homem miserável e subnutrido. Esqueceu-se de descrever de que maneira é que tamanha penúria económica e física permite adquirir e transportar uma Kalashnikov de 600 euros e três quilos. Mas o principal é que a culpa é da exclusão social, ou seja, da sociedade, ou seja, sua e minha. Por mim, estou disposto a confessar tudo e a acatar o merecido castigo.


Entretanto, lembro a curiosa retórica com que se recebe os refugiados que dia após dia chegam pelo Mediterrâneo e por onde calha. Segundo a voz corrente nos media, a responsabilidade pela tragédia (humanitária, é de bom-tom acrescentar) cabe inteirinha à Europa, a Europa que não recebe devidamente, a Europa que não integra adequadamente, a Europa que, em suma, não corresponde impecavelmente aos sonhos daqueles desgraçados, disponibilizando-lhes em cinco minutos casa decente, emprego digno, subsídio de assimilação e banda filarmónica. Os telejornais fervilham de repórteres a apontar o dedo indignado.


Quase ninguém explica que as dificuldades de resposta da Europa são inevitáveis perante a brutal, e desde há décadas incomparável, migração de centenas de milhares de pessoas (350 mil em 2015). Quase ninguém recorda que as dúvidas europeias são as próprias de gente civilizada, que tende a ponderar as consequências dos seus actos. Quase ninguém nota que a Alemanha, logo a Alemanha, tem liderado com a generosidade possível o processo de acolhimento. Quase ninguém refere a veneração que inúmeros sírios passaram a dedicar à senhora Merkel, logo à senhora Merkel. Sobretudo quase ninguém informa que os refugiados, na imensa maioria muçulmanos, escapam precisamente da selvajaria hoje recorrente nos países de origem e na religião que professam. Apesar do folclore jornalístico em contrário, que atribui ao bombeiro o fogo posto pelo pirómano, a verdade é que o drama dos refugiados começa no Islão, não na Europa.


A benefício da subtileza, também poderíamos falar dos refugiados que são de facto “infiltrados” do ISIS e agremiações similares. E dos refugiados que matam refugiados sob acusações de cristianismo. E dos perigos de abordar estas matérias com mais lirismo adolescente do que sensatez. Porém, dado que andamos ocupadíssimos a odiarmo-nos, não há tempo para detalhes. O importante é estabelecer que a culpa é nossa. Culpa de quê? Vê-se depois, ou nem isso. Certo é que a Europa é de fugir, embora os outros misteriosamente fujam para a Europa.



Apesar dos esforços dos cartazes e cartas do António Costa. Grande Líder só há um. O Kim e mais nenhum.

Davos World Economic Forum proclaims 14 traits shared by great leaders. All such traits are possessed by Supreme Leader Kim Jong-Un!”

Compreender o putinismo XXVIII


Oleg Sentsov é um cineasta ucraniano. Foi condenado a passar duas décadas na prisão por um tribunal militar russo que deu como provadas as acusações de dirigir uma célula terrorista na Crimeia em 2014. Dentro das actividades subversivas dadas como provadas, está o plano de Oleg Sentsov fazer explodir uma estátua de Lenine.

Se descontar as honradas tradições que fazem do Putinismo aquilo que é, achar curioso que um tribunal militar russo profira sentenças sobre uma guerra inexistente, no sentido em que não participou com um único militar e passar uma esponja sobre a natural oposição à anexação russa da Crimeia, ser levado a acreditar que durante o tempo que esteve preso Oleg Sentsov não foi tocado por ninguém das forças de segurança russas e que as queixas de tortura que apresenta são resultado de práticas sadomasoquistas, diria que Oleg Sentsov merecia um louvor.

Corbynomics apoiada


De acordo com a última tendência a Corbynomics é moderada e humana. O fanatismo está na austeridade. Quem o diz é a Academia.

Leituras recomendadas: Retratos de mais um messias canhotoJeremy Corbyn: o messias na graça dos deuses do proletariadoJeremy Corbyn and Daniel Hannan on Socialism

Leitura dominical

Precário é o Dr. Costa. A crónica de Alberto Gonçalves no DN.

Dada a quantidade de ar morno que lhe atravessa a cabeça, extraordinária até pelos padrões da classe política, é difícil prestar atenção às opiniões de António Costa, e dificílimo destacar alguma. Quando num dia promete 207 mil empregos e no seguinte explica que a promessa é afinal uma estimativa, as pessoas, entretanto habituadas ao estilo, não ligam. Mesmo assim, foi com pasmo que vi o homem lamentar a “precariedade” dos novos contratos laborais, tragédia que “não oferece segurança” e é “altamente prejudicial”. Não é só um argumento típico de quem anda longe do universo do trabalho: é a fezada de quem nunca trabalhou.

Pela parte que directamente me toca, em vinte anos nunca tive qualquer vínculo à entidade empregadora e nunca me ocorreu reivindicar (é o verbo, não é?) alternativa. Com uma remota excepção: seis meses de suplício num “projecto” ligado ao Ministério da Saúde, de onde saí por despedimento “ilícito” e abençoado. Descontada a legitimidade legal, a que pretexto iria forçar-me a continuar num lugar onde não me queriam e que, de resto, eu abominava? Desde então, aprendi que receber por cada serviço que presto é, além de genericamente decente, racional. Por muito que isto indigne o Dr. Costa, não percebo que um sujeito suporte ser remunerado por imposição do tribunal e não pelo reconhecimento daquilo que faz. A garantia do emprego para a vida é má para o emprego e péssima para a vida.

Pela parte que me toca indirectamente, a brutal distância entre o Dr. Costa e o mundo ainda é mais ofensiva. Nos últimos meses, tenho acompanhado de perto o microscópico drama de um “patrão” que tenta em vão despedir o “trabalhador”. O primeiro paga o dobro do praticado no sector, a que acresce horas extras, 14 meses e, claro, segurança social. O segundo organiza manifestações sindicais diárias, esforça-se com irregularidade e exibe maus modos. A solução, de acordo com diversos advogados? Manter tudo como está, já que o despedimento com justa causa exige pelos vistos que o assalariado cometa um ou dois crimes de sangue durante o expediente. E o malévolo capitalista não aguenta os custos de um despedimento sem prova da causa “justa”.

Quando o Dr. Costa, com três décadas de carreira partidária em cima, diz que “o combate à precariedade é tão ou mais importante do que o combate ao desemprego”, não compreende que aquele torna este inútil: no cenário actual, e que o PS sonha agravar, apenas um maluco empregará alguém.

Mudando de assunto, há que louvar o novíssimo critério do Dr. Costa para a emergência de um “bloco central”: uma “invasão marciana” (sic). Enfim, o chefe do PS comenta temas que domina. Infelizmente, arrisca-se a não ir a tempo: precário é ele.

Imperialismo ianque e prudência gaulesa


Um marroquino armado com uma espingarda Kalashnikov, munições e várias facas provocou três feridos num comboio de alta velocidade que fazia a ligação entre Amesterdão e Paris. Foi impedido de massacrar a seu belo prazer causar mais estragos por dois passageiros, militares norte-americanos desarmados.

Seguir as notícias sobre mais um atentado terrorista não deixa de ser um exercício peculiar. Apesar de uma fonte de uma força anti-terrorista europeia ter anunciado que se tratava de um militante islâmico, a polícia francesa recusou especular sobre as verdadeiras motivações do terrorista. Imagino eu, que a criatura podesse ser um militante mórmon ou outra coisa parecida apesar de ter sido identificado como militante islâmico. É caso para dizer, mesmo em França, a culpa é da América.