Krugman = Disparate, Estonia = Crescimento

Referências: Vídeo no site do WSJ, Twitter do Presidente da Estónia, Sucesso da Estónia (WSJ), Sucesso, diz a Presidência.

Do 3º link, fica a introdução, com perguntas que eu gostava de ver alguns fatalistas sobre Portugal responderem…

Estonia is the 132nd-smallest country in the world by land mass, yet it produces more start-ups per head of population than any other country in Europe. It has a population the size of Copenhagen but has one of the world’s most advanced e-governments.

What is it about this former Soviet state, with an obscure language and unenviable weather, that produces so many start-ups?

E já agora, deixo aqui na integra o texto que a Presidência publicou, escrito por um Economista “próximo da Presidência”:

Today, the Estonian government can claim victory. Last year, Estonia’s GDP grew by 7.6 percent, the highest growth rate in Europe and high growth continues. All the three Baltic countries have pursued similar economic policies and the results are similarly spectacular. Christine Lagarde, the Managing Director of the International Monetary Fund just presided at a conference in Riga with the title “Against the Odds: lessons from the Recovery in the Baltics.”

Professor Paul Krugman, Nobel Laureate in economics, however, denigrates the Estonian achievement with reference to the big output fall of a total of 18 percent in 2008-9. President Toomas Ilves has rightly taken Krugman to task. A Nobel Prize does not mean that you are always right or that you do not need to check the facts.

Krugman’s problem is personal. In December 2008, he claimed, “Latvia is the new Argentina.” He envisaged that all the three Baltic countries would not recover until they devalued, and now he has been proven wrong, which he refuses to acknowledge. Now he complains that “Estonia has suddenly become the poster child for austerity defenders.”

Estonia did not devalue. Instead it carried out a vigorous “internal devaluation,” with large cuts in public expenditures and wages as well as structural reforms. Many argue that Estonia is special, but Latvia and Lithuania pursued the same policies and achieved equally good results. These three governments did exactly what they were supposed to do and the Baltic peoples understand that, as evident from the reelection of the Estonian and Latvian governments after the crisis.

Krugman just looked upon one single graph, without considering causality. His first mistake is that he takes a short period, disregarding the prior high growth rate. His old argument that Argentina shows the benefits of devaluation because of the long and rapid growth afterwards ignores what happened before the crisis. While Argentina enjoyed decent growth, the Baltic countries thrived on an astounding boom. In figure 1, I have compared Latvia in 2000–2011 with Argentina in the corresponding period around its crisis 1992–2003. Latvia had a cumulative growth of 51 percent and Argentina only 15 percent (figure 1).1

Second, Krugman ignores the very cause of the Baltic crises, seemingly presuming that it was their austerity programs, but the actual cause was the absence of international credit. On September 15, 2008, when Lehman Brothers went bankrupt, panic grasped global financial markets and the three Baltic countries were cut off from international liquidity, which caused output to plummet. This is the all-dominant cause of the output fall in the Baltics. When output fell, state revenues plunged even more. As a consequence, large budget cuts were necessary to maintain any financial balance.

Thus, the liquidity squeeze caused the output fall that led to falling state revenues and rising budget deficit. Austerity was the consequence of the output fall and not its cause. This is Krugman’s crucial mistake. Since Estonia has now joined the euro zone, its banks have access to liquidity from the European Central Bank, so the country will not face such a liquidity freeze again.

Third, in late 2008, the Baltic countries had little choice. Suddenly, they faced large budget deficits that they could not finance. They had to restore confidence in their currencies by doing enough early enough, and they all did. The Baltic countries had no fiscal space and no independent monetary policy, so they could not “stimulate”, as Spain and Cyprus bitterly have experienced that they could not either, although then managing director of the IMF Dominique Strauss-Kahn strongly recommended them to do so…

Fourth, Estonia’s crisis resolution is also a political economy success story. The Estonian government used the grave sense of crisis in the fall of 2008 to take action. When a country is in a serious crisis, any delay of crisis resolution is harmful. The government composed swiftly a comprehensive anti-crisis program, which was heavily front-loaded, and it explained to the population why this was necessary. Thus the government restored popular confidence early on.

Fifth, one of Krugman’s old arguments was that the Baltic states needed to devalue to be able to expand exports, but the Baltic countries, on the contrary, have seen a stunning expansion of exports and manufacturing after the crisis that not even the greatest optimists predicted. Estonia and Lithuania experienced a peak annualized export growth of 45 percent in the first quarter of 2011 (figure 2). Greater expansion would hardly have been possible and certainly not healthy.2

A major conclusion is that nominal devaluation has neither been necessary nor beneficial for the regaining of competitiveness. On the contrary, if a country maintains a fixed exchange rate, it is forced to undertake more structural reform, and is more likely to do so. Fixed exchange rates prompted the greatest fiscal and structural adjustments in Central and Eastern Europe.

The crisis resolution of Estonia has proven that internal devaluation is a viable option and probably advantageous. The fixed exchange rates did not impede adjustment but on the contrary facilitated radical adjustment and Estonia’s successful adoption of the euro in January 2011.

Indeed, the role of exchange rate regimes seems to be overemphasized. The prominent American macroeconomists Maurice Obstfeld and Kenneth Rogoff have pointed out “the exceedingly weak relationship between the exchange rate and virtually any macroeconomic aggregates.” Other policies are simply more important. Therefore, the need even for major cost adjustment is not a reason to leave the euro area.

The governments in Southern Europe could have followed in Estonia’s footsteps, but they chose not to. Instead, they pursued the Krugman policy of maximum fiscal stimulus. Today we can see the results of Krugman’s policy advice, even if he fails to do so himself. The question is no longer whether the Baltic lessons are relevant to Southern Europe, but when the Southern European governments will face up to reality.

Doi particularmente ler o último parágrafo. Mas infelizmente é mesmo isto…

About these ads

15 thoughts on “Krugman = Disparate, Estonia = Crescimento

  1. hmmm interessava era ver a evolução taxas de desemprego para se poder fazer uma comparação decente para o que realmente interess para o cidadão comum

  2. Rui, aqui pode consultar uns dados dos nossos amigos do google:
    http://www.google.com/publicdata/explore?ds=z8o7pt6rd5uqa6_&ctype=l&strail=false&bcs=d&nselm=h&met_y=unemployment_rate&fdim_y=seasonality:sa&scale_y=lin&ind_y=false&rdim=country_group&idim=country_group:eu&idim=country:ee:lv:lt&ifdim=country_group&tstart=885340800000&tend=1334962800000&hl=en&dl=en&ind=false&q=estonia+unemployment+rate

    Repare que depois de atingir um pico em 2010 o desemprego tem vindo a baixar e neste momento, na Estónia, já está bastante próximo da média europeia. Ainda mais extraordinário quando vemos que, tradicionalmente, estes países tinham a taxa de desemprego uns bons pontos acima da média. Se acrescentar algum PIG ao gráfico, estamos conversados…

  3. APC,
    Eu também gostei do texto. O Krugman tem de ser exposto não só em teoria como também com casos concretos. E este é um bom exemplo.
    Se ainda é cedo? Bem, no fundo sim. Mas ainda assim já dá para retirar umas conclusões na comparação Estonia – PIGS…

  4. que giro, nao conhecia esta funçao do google.

    Mas vamos entao assim a uma analise precipitada. Pelo que vi passaram ali por um mau bocado entre 2008 com um pico em 2009 mas desde 2009 para cá tem tido um desempenho espetacular a nível de redução do desemprego. Interessante seria perceber quais qual o factor que lhes permitiu dar a volta em 2009. Se bem que após analisar em conjunto com os niveis de desemprego da alemanha parecem-me correlacionados. Provavelmente terão beneficiado do bom desempenho da alemanha?

  5. Quanto menos uma economia é distorcida mais rápido corrige. É elementar.

  6. Os liberais já promoveram no passado tantos exemplos que deram borrada, que uma pessoa agora deve estar de pé atrás.
    Falaram dos EUA, deu borrada. Apresentaram a Irlanda como o país ideal, deu merda. Agora apesentam a Estónia como modelo, vamos ver o que dá.

  7. Pois, Luís Lavoura, mas não devemos esquecer que na Irlanda quem estava no poder entre 1997 e o ano “Shit has hit the fan” foi o seu movimento “Liberal Social” “Liberal Democrata”, whatever, o Fianna Fáil é um partido centro-esquerda e assumidamente liberal, daí suponho, nasceu a promiscuidade com o sector bancário.

  8. Há alguma boa razão para que o gráfico que compara a Argentina e a Letónia comece em 2001/1993? Que eu saiba, a Argentina teve uma política extremamente liberal até ao início da década de 2000 e se estão a dizer que não cresceu nessa altura, não sei quem é que estão realmente a criticar. Agora, uma economia que cai, de uma só vez 18% para nos anos seguintes começar com uma recuperação tão pequena, ser considerado um sucesso. Pronto, é convosco. Cada um tem os seus critérios…

  9. Esses exemplos liberais continuam, como semrpe tiveram, a ter o problema das bolhas que não são nada liberais. É o problema do mddle of the road liberalism.

  10. O facto das exportações da Estónia e países vizinhos terem crescido apesar da manutenção do cambio das suas moedas, não quer dizer que se tivessem optado por um regime de cambios flutuantes , como fez a Suécia, não teriam tido melhores resultados.

    Provavelmente a queda do PIB e o aumento do desemprego teria sido menor e o crescimento das exportações ainda menor.

    Sobre a redução da taxa de desemprego, existem informações que esses pequenos países tiverem uma forte imigração desde 2008.

  11. Luís Lavoura,
    Os EUA deram-se mal por culpa própria.
    A Irlanda para mim continua a ser um bom exemplo. Só falharam em não aceitarem falências bancárias. Gostei mais da atitude da Islândia nesse particular.
    A Estónia sempre foi um exemplo que me agradou…

  12. Ou seja, analisando os dados do FMI demonstram com toda a clareza que a desvalorização da moeda é superior à desvalorização interna. A Estónia é um mau exemplo. A economia caiu 18% e recupera 7%. Vitória? Não, uma grande derrota. Não interessa medir o crescimento anterior a 2008. Interessa a medir o crescimento pós 2008. Até agora a Estónia não conseguiu recuperar o seu nível de PIB. Resultado, a sua política falhou.

  13. Whoa, o TLD conseguiu resumir toda uma análise de politica económica e respectiva conclusão em 2 linhas, não sei como um génio destes não é imediatamente reconduzido a presidente do ECB…

  14. Esses exemplo liberais continuam, como sempre tiveram, a ter os problemas das bolhas que nao sao nada liberais.CN
    .
    Mi ladje estonskega nacionalnega boja in smo na poti gospodarskega okrevanja za model in prototip ali dveh neox neoliberals.
    Nesta sprehod boj, saj nustro potrebe držav. Pustimo Gvatemali in smo Guatapeor vonjave.
    Naš model je edinstven, vendar le improvizirana. Ni kopiranje Hayek in s tem povezane model.
    Estonski in nemškem jeziku so Disso tambem vojne com slovanskih držav vam ladji Vizinhos in ekonomsko Falando.
    Naj Indo ali obraza za vse nas ali pomenu.
    Mais UMA ajudinha mi bi morali storiti olja večnacionalne Seija alguma Russa ambericana ou. ali oranžna
    Saudo in Bens em’re prepozno za haverse
    Evropska in ponižni storiti Baralho zadnje pismo.
    Prijazen pozdrav
    (que traduzido vem dar nisto)

    .
    Nós humildes europeos estamos na luta nacional da Estónia e andamos no caminho para a pronta recuperação econômica e nao para ser nenhum modelo e protótipo dois neoliberais-Neox.
    Nesta luta de pé porque as necessidades do país nosso obrigam e sao muitas. Deixamos de ser antiguos rusos-Guatamala para meternos em toscos europeos ou seia do pior Guatapior.
    Nosso modelo é único, mas somente um bocado improvisado. Nao há demasiada experiencia pela nossa parte nestas experiencias. Tampouco conhecemos ao Hayek e copias similares neoliberais para por em practica os modelos relaçonados.
    Nao queremos ser ejemplo dos Neox porque estas cassandras sempre acavam falindo os paises que citam. Deixemnos em paz.(dito com todo o nosso carinho)
    Vamos Indo mal que bem mais UMA AJUDINHA seria precisa ser feita por alguma multinacional petrolera russa bem americana. O ambar nao dá mais de si.
    Um saudo e parabens amigaveis saudaçoes por finalmente haverse detido e dedicado nos um minuto para estes humildes europeos que pretendemos deixar de ser a ultima carta do baralho na Europa.
    Amigaveis saudacoes.

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s