O ar que se respira

A Semana Política
7/01/07-13/01/07

Por alguns dias, o Presidente da República Aníbal Cavaco Silva teve a oportunidade de fazer o que o comum português gostaria de fazer a título definitivo, respirar o ar de outro país que não Portugal. O Presidente partiu para a Índia para “potenciar as relações económicas entre os dois países”, e “instituir um novo relacionamento com uma potência emergente”, mas decerto terá aproveitado a ocasião para conviver com gente civilizada (embora a presença da Ministra da Cultura pudesse pôr em perigo esse objectivo). E quem o pode culpar? Se o leitor fosse Presidente e tivesse de ouvir o dr. Alberto João Jardim a afirmar que o seu papel na cooperação institucional com as Regiões Autónomas deveria consistir em “fazer uns jantarinhos” em São Bento, até a Somália lhe pareceria um destino aprazível.

E se o PR optou por respirar outros ares, os deputados estão preocupados com o do Parlamento. Jaime Gama promoveu uns almoços de discussão (ao que consta, não foram uma sugestão de Jardim) da reforma do parlamento. A questão do sistema de votação electrónica foi entregue a José Lello (cujo único mérito conhecido foi o de um dia ter insultado Ana Gomes), bem como será da sua responsabilidade a mudança do ar condicionado da sala de sessões. O BE deverá propôr um sistema moderno e jovem, enquanto o PCP prefere optar por algo que não contribua para a promoção da exploração da força de trabalho nacional pelas multinacionais do imperialismo capitalista. O PS e o PSD irão propôr um mesmo sistema, mas cada um afirma ser capaz de o gerir melhor que o outro. O grupo parlamentar do CDS/PP ainda não terá feito qualquer escolha, mas mal Ribeiro e Castro tome uma posição, a “banda” virá defender o contrário.

Por sua vez, o Primeiro-Ministro prepara a sua visita à China, a realizar-se no final do mês. Não parece ter, no entanto, razões para querer mudar de ares. O Banco de Portugal, cada vez mais uma espécie de SNI de Sócrates, veio afirmar que a “retoma” está aí, permitindo ao Primeiro-Ministro reclamar para si o mérito. Depois de ter quebrado a promessa eleitoral de não “acabar com as SCUT”, merecendo elogios por abandonar uma medida eleitoralista, o Ministro das Obras Públicas veio agora afirmar que, embora essa decisão esteja tomada a “nível político”, ainda se terá de avaliar se será realmente “posta em prática”, e o silêncio foi tão grande como o haviam sido os elogios de outrora.

Na realidade, Sócrates parece-se cada vez mais com um Pinóquio sortudo, cujo nariz cresce ao ritmo do défice português, mas todos estamos demasiado cegos para o ver.

6 thoughts on “O ar que se respira

  1. A leitura deste post ainda me provocou alguns sorrisos;mas se não sentisse à minha volta um ambiente depressivo,próprio de quem acha que o tempo não está para brincadeiras,estou certa que daria umas boas gargalhadas.

  2. Bem… aí está uma verdade….
    Se o nariz do nosso primeiro está como o défice.. entao está mesmo a diminuir de tamanho… por isso nao o censeguem ver…
    Finalmente algo acertado neste blog.

  3. De acordo com o texto, o único mérito do nosso “amigo” José Lello teria sido o de insultar Ana Gomes. Permitam que recorde que este foi o mesmo José Lello que um dia proclamou que Mário Soares era “irrelevante”.
    Lello é o Pedro Barbosa da nossa política: triste e apagado quase sempre, de repente tem umas jogadas de génio. Ainda para mais, como é socialista, pode dizer o que os partidos arrumados “à direita” não podem dizer por boa educação ou pudor.

    Cordialmente,
    Fernando Barragão.

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s